Nesse mês:

As meninas vão passar as férias na casa de praia do Xaveco e acabam reencontrando o Xavecão!

Imagens e png's

Imagens em boa qualidade e alta resolução para serem usadas em capas, montagens e onde mais sua imaginação mandar.

Jogos

Quebra-cabeças, jogo da memória, caça-palavras, palavras cruzadas e jogos dos sete erros. Hora de divertir e exercitar o cérebro!

Fanfictions

Fanfictions escritas por mim mesma sobre TMJ. Tem romance, terror, suspense, comédia, drama... é para rir, chorar e se emocionar!

Parceria

Unidos conseguiremos venceremos. Vamos formar uma grande família de blogs!

Pages

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

TMJ#78: Férias na praia - Palpites




Está aí uma ed. que promete. Pelo que parece, vai ter barraco, gritaria e zueira. Do jeito que o povo gosta! O Emerson vem postando teasers da ed. há vários dias e aqui estão o que ele postou até hoje:

Bem vindo ao clube das solteiras
“-Eu sei Bia... mas alguma coisa nele me mete medo... sinto cheiro de encrenca de longe...”
“-É que... esse lugar... era como se fosse nosso santuário”
“-Mônica! Magali! Denise! Que irado vocês por aqui!”
“-A lua chora esta noite”
“-Bia? Bia??? Quem é essa piriga?”
“-Será que eu estou... ficando louca?”
“-Chegamos pessoal. É aqui!”
“-Tá vendo aquele povo lá na praia? Tá todo mundo só esperando ele chegar!”
“-A festa do Luau é a mais famosa dessas bandas. Vem gente de todo canto pra cá. Top das galáxias!”
“-Tire suas mãos da minha amiga! AGORA!”
“-A minha Denise não vai perder esta festa por nada nesse mundo.”
“-Ele é tipo uma celebridade por essas bandas!”
“-Que saudades de você! Achei que tinha te perdido pra sempre! Como conseguiu escapar da...?”
“-E aí, meninas? Partiu praia deserta?
-Vamo cair na farra!”
“- Por que nós viemos pra cá?
- Pra ver homem sarado de sunguinha!”
“- Nós estamos solteiras aqui, Denise! Tá proibido se estressar por causa de meninos!”
“- Ei! Olha só quem chegou!”
“- Você devia escolher melhor... os seus inimigos!”

À princípio a história parece ser simples: as garotas vão passar as férias na casa de praia do Xaveco (tá podendo, hein?). Bem tranquilo, né? Só que não. Histórias do Emerson nunca são tranquilas.

Primeiro porque o Xavecão vai aparecer de novo, com todos os seus bíceps, peitorais e glúteos. Como é que vão ficar as coisas com dois Xavecos circulando por aí? Será que eles vão se encontrar? Fico imaginando um ao lado do outro e como o contraste seria grande. Ah, tadinha da Denise. Ela vai ter que ficar com o Xaveco magrelo do presente, já que o Xavecão está procurando a Denise do futuro.

Mas esperem que ainda tem mais. Outra vez o coitado do Xavecao vai apanhar da Denise. E vai ser de voadora porque com ela o esquema é bruto! Falando em Denise, parece que a do futuro também vai aparecer. Dois Xavecos e duas Denises. Conseguem calcular o tamanho da confusão?

Bem, eu suponho que ela não vai aparecer assim logo de cara. Pelo que vi nos teasers, eles vão usar a tal festa na praia como uma isca para fazê-la aparecer. Eu fico aqui só imaginando duas Denises circulando pela turma. Imaginem a Mônica ou a Magali encontrando com a Denise do futuro.

- Uia, amiga, você pintou o cabelo? Tá diva demais, nossa!

Aí a Denise do presente aparece.

- Quê? Você voltou com o cabelo de antes? Enjoou da tintura?

Então a Denise do futuro aparece de novo.

- Meldels, você pintou o cabelo de novo, decide aí mulé!

Tá, eu não sei se isso vai acontecer, mas seria bem engraçado o pessoal encontrando ora com uma Denise, ora com outra e pirando o cabeção. E como ela vai reagir ao ver os amigos de infância? É claro que ela não deve aparecer logo de cara, pelos teasers do Emerson parece que ela só vai dar o ar da graça na hora da grande festona mesmo. Ah, tem o grande encontro das duas. Será que elas vão se encontrar mesmo? Pode isso? Caso aconteça, como vão reagir? O que a Denise do futuro vai falar para a do presente? Deve ser algo tipo “fica de olho no Xaveco porque daqui a três anos ele vai estar super nham-nham cheio de músculos e barriga de tanquinho!” By the way, já pensaram o Xavequinho endoidando o cabeção ao ver como vai ficar bombado e saradão no futuro?

Quanto ao casal do futuro, parece que não tem assim muita complicação. Eles vão se encontrar e voltar para o futuro de novo. Só que a história não será apenas isso, né?

Pelos teasers, parece que a lua vai chorar de novo. Sei não, essa lua tá chorona demais para o meu gosto. Se continuar assim, vai elevar o nível dos oceanos e estragar a festa. Será que a Magali vai descobrir e usar seus poderes ou tem mais alguém aí capaz de fazer a lua chorar? Se a lua vai chorar essa noite, quer dizer que vai rolar um pouco de sobrenatural também. Pelo menos eu espero, historias assim são minhas preferidas. Chorumelas do quotidiano só me dão sono.

Bem... outra coisa que anda confundindo todo mundo é Mônica e Magali aparecerem na capa porque na ed. tem qualquer coisa de clube das solteiras. Aí está todo mundo de cabelo em pé. Será que a Magali vai terminar com o Quim? A Mônica vai dar um chute no DC? Meldels, quem vai ficar solteira nessa história? É permanente? Temporário? Elas vão reatar com os namorados no fim? Ou será que “solteira” seria só uma metáfora para “livre para curtir adoidado sem o namorado pegando no pé”?

Creio que deve ter uma explicação para isso. Como falei antes, elas podem terminar com os namorados no início da história e reatar no fim. Quer dizer, a princípio é a Petra quem cuida da Mônica e do DC, mas pode ser que as coisas tenham mudado e eles terminem nessa história. Ou então as solteiras são outras personagens. Só lendo para saber.

Muita gente deve estar estranhando o Xavecão estar tão diferente do Xaveco sendo que só se passaram três anos. Não é impossível. Com o treino certo e se alimentando adequadamente, um homem pode sim ficar musculoso em três anos. Não é uma missão impossível. Já a Denise manteve o mesmo visual porque nem todo mundo muda a cara assim de um ano para o outro. Há pessoas que mesmo passando cinco, dez anos ficam com praticamente a mesma cara. Eu mesma sou uma delas, modéstia a parte.

Mas não sosseguem ainda porque tem mais. Um inimigo antigo que nunca tinha aparecido na TMJ antes vai dar as caras nessa edição. Quem será? Na Wikipédia tem uma lista de personagens e vilões da turma da Mônica. Entre os vilões principais, sobraram apenas o Dr. Olimpo e seu assistente Sapóleo, mas acho que não são esses. Cremilda e Clotilde também seria meio estranho, além do mais foi falado que seria um vilão, não dois.

Também tem uma lista de vilões secundários, tipo o Capitão Picolé. Mas os outros não são exatamente clássicos e a maioria apareceu somente uma vez, então acho que não é nenhum deles.

Todo mundo está apostando na Carmem da Esquina e tem uma história onde ela ia casar com o pai do Xaveco na ed. 96 do Cascão, só que eu não li essa história (snif... snif). Ela é uma boa suspeita: está relacionada com o Xaveco, é uma vilã, nunca apareceu na TMJ e parece que tem algum segredo obscuro. Pode ser que ela esteja querendo se vingar porque não pode casar com o pai dele. Mas não dá para falar muita coisa porque não li a história do gibi.

Se bem que estão apontando como suspeito um tal surfista-celebridade que vai aparecer na revista, mas eu não consigo me lembrar de nenhum vilão da TM que possa se encaixar no perfil de surfista. Só se for algum garoto da TM que foi vilão em alguma história. Só que no momento não consigo lembrar de nenhum. E pode acontecer de esse surfista ser o próprio Xavecão, vai saber.

Já sabemos que a Bia vai aparecer, mas a Melissa ficará para outra história. Faz sentido já que a Bia é a surfista e combina mais com a história do que Melissa. Todo mundo perguntou pelo namorado da Xabéu, só que esse também não vai dar o ar da graça. Nem ele, nem a Penha, Agnes, Berenice ou a Menina do Lago. Essas duas já estão sambando no mármore. A Sofia eu não sei, mas bem que ela podia aparecer também, adoro as participações dela.

Falam que também será ed. em duas partes e fico aqui imaginando qual mandinga o Emerson anda fazendo para convencer a Panini de permitir tantas sagas. Não sei se eu li direito, mas parece que foi sobre qualquer coisa sobre ele fazer cada ed. parecer uma história completa, mas na verdade estão relacionadas. Não lembro direito. Só assim para passar a perna nos chatos da Panini.
  
Voltando a Bia, estou curiosa para saber como será a participação dela, porque em uma hora alguém pergunta “-Bia? Bia??? Quem é essa piriga?”. Parece que é a Denise, mas pode ser a Mônica também. Confesso que não gosto muito do termo piriga e piriguete porque são machistas. Por que somente mulher é xingada assim enquanto homem na mesma situação é elogiado?

Não vamos esquecer da capa, que a meu ver ficou muito bonita a não ser alguns poréns. Primeiro, erraram no olho da Denise, que não é verde. Mas isso deve ser coisa de desenhista novo, se bem que eles andam errando muito nos olhos da turma ultimamente. Colocaram os olhos da Maria Mello de azul, do Toni de verde, DC de castanho... acho que deviam fazer um tipo de padronização dos desenhos dos personagens e orientar os desenhistas novos sobre como cada um deve ser desenhado para evitar esse tipo de coisa.

Ainda falando na Denise, é chatice minha ou aquela mecha mais comprida na franja dela ficou esquisita? E por que ela está quase loira? Fora esses detalhes, ela ficou bonita e com um rostinho assim bem de menina má. Combinou com ela.

Da Mônica não tenho nada a falar a não ser a diferença na cor dos cabelos dela. Quer dizer, ficou meio... sei lá. Acho que estamos muito acostumados a ver os cabelos dela castanhos que agora achamos estranho vê-los pretos. Parece que escolheram não colorir os reflexos, já que os cabelos da Magali também estão do mesmo jeito. Tudo bem, não é assim grande coisa.

Algo que eu estranhei um bocado foram umas barras ou divisões na capa, que ficam atrás das três e na frente da paisagem. O Emerson falou que cada divisão devia ser colorida de forma diferente, sendo uma dia, outra tarde a última noite. Acho que assim teria feito bem mais sentido e parece que tem alguma coisa a ver com o ritmo da história. Tudo começa de manhã, vai evoluindo ao longo do dia e culmina na festa de noite, que é onde terá mais agito.

Gostei bastante da praia, do coqueiro e até deu mesmo vontade de ir a praia, coisa que eu não faço há anos porque fiquei meio noiada com tsunamis. Sim, eu sei que isso é quase impossível de acontecer no Brasil, mas de vez em quando tenho pesadelos com ondas enormes engolindo tudo.

Só uma coisa que me deixou aqui pensando... o título fala em férias na praia. Aqui no Brasil, só tem dois períodos de férias escolares por ano: as de julho, quando é inverno e as do fim de ano. Como a história se passa na praia e vai ter uma mega-festa, então só pode ser nas férias de fim de ano. Sei não, viu... o tempo está só passando na TMJ. Se não tomarem cuidado, daqui a pouco vão estar entrando na faculdade.

Eu estou bem ansiosa para essa ed. sair logo, isso sim! Ah, mas o tempo costuma passar meio devagar quando tem edição boa chegando. O jeito é esperar.

Como vocês devem ter reparado, eu fiz desenhos da Denise, Mônica e Magali de biquíni divando na praia. Tem quebra-cabeça e png. Povo andou choramingando por causa do rosto da Magali, então eu consertei para não agüentar ninguém chorando no meu ouvido. Também tem png da Denise do futuro.

Vocês devem ter reparado que elas estão com tatuagem. Calma, crianças, são de rena. Menores de 18 anos não podem fazer tatuagens. 

domingo, 18 de janeiro de 2015

A casa sem retorno

Hoje postei mais uma história na minha série Contos de Halloeen. É, já sei que esse feriado passou, mas ainda estou mantendo essa fanfic em aberto caso queira escrever contos de terror que só tenham um ou dois capítulos. O de hoje foi inspirado num episódio da série Goosebumps e se chama "A Casa sem Retorno".

Espero que gostem!

A casa sem retorno


sábado, 17 de janeiro de 2015

TMJ#77: Academia de Ninjas - Críticas



E aí, gente? Hora da crítica da ed. 77: academia de ninjas. Só um aviso: minhas críticas tem spoilers, então quem não leu melhor esperar um pouco antes de ler minha crítica.

Sabe, vou contar um segredinho: antes de ler essa história, eu meio que precisei dar um “reset” no meu cérebro, esquecer a saga de Umbra e começar do zero sem expectativas. Achei melhor fazer assim porque não seria justo comparar uma história com a outra.

Bem... não foi exatamente a minha história preferida, mas também não foi ruim. Pelo menos colocaram os quatro protagonizando uma história juntos e de quebra adicionaram o DC. O que eu não gostei foi o mimimi Mônica-Cebola. Mas aí é porque eu fiquei muito sensível com o drama desses dois mesmo, meio que deu alergia.

Mas sei que muitos fãs estavam esperando o momento em que a Mônica ia voltar a falar com o Cebola e saber como ele ia lidar com ela namorando com o DC. Mônica e Cebola? Treta como sempre. E como sempre, a implicância é por parte dele.

Ela mal tirou a touca ninja lá na academia e ele veio enchendo o saco como se o fato de ela ser forte devesse ser uma proibição para aprender artes marciais. Depois, quando ela falou das razões de estar ali, mais encheção de saco. Entendo que ele fez aquilo porque estava com ciúmes, mas acho que alguém devia avisá-lo que não é com treta e implicância que ele vai tê-la de volta. Fica a dica.

Pelo menos parece que estão tentando reunir a turma novamente, que andou meio quebrada após o rompimento da Mônica e do Cebola. Está difícil, já que o Cebola ainda tem sentimentos por ela. O que eu achei estranho foi a Mônica ter terminado Umbra sem falar com o Cebola e depois voltar a falar com ele de novo na ed. 77. Parece que eles estão meio que sem saber o que fazer com esses dois.

Ao que parece, cada um tinha lá sua motivação para ser ninja. No caso da Magali, eu até achei graça. Os uniformes que cada um bolou foram legais também. O do Cascão imediatamente me lembrou das tartarugas ninjas mutantes. Já os outros eu não fiz nenhuma associação. Dizem que tiraram um pouco de Naruto, só que eu não assisto esse anime. Para falar a verdade, eu acho que só assisti por uns 30 segundos, quando um moleque estava seguindo o Naruto pela vila. O garoto tentou se camuflar numa cerca, só que a camuflagem dele saiu com as tábuas na horizontal e uma parte dos cabelos dele apareceu. Quando o Naruto falou que sabia dele, o garoto ainda ficou impressionado por ter sido tão descoberto tão facilmente. Foi só isso que assisti.

O treino de cada um também foi engraçado, especialmente o Cascão desviando das shurikens. Ué, qual é a surpresa? Para quem desviou de pingos de chuva durante anos, umas estrelinhas aqui e ali não são nada. Ninja mesmo foi a defesa da Magali. Quem consegue bater em alguém com aquela carinha tão meiga?

Uma coisa interessante foi tentarem colocar os ninjas de um jeito mais realista, sem floreios e fantasias que vemos nos filmes. Era por essa mesma razão que o dojo estava meio fraquinho, porque as pessoas pensavam que ninjas são uma coisa e descobriram outra diferente. É nessa hora que o Cebola tem a idéia de ajudar propondo um show de exibição para atrair clientes. A idéia foi bem recebida, mas Cascão logo desconfiou que era um plano dele para ficar bem com a Mônica.

Confesso que deu até um pouco de pena dele. Poxa, será que tudo vindo dele agora é plano infalível? Bem... considerando seu passado, acho que era de se esperar. Mas parece que o que dói mais nele é ver a Mônica tão feliz com outro. E isso não é brincadeira não, gente. Acontece na vida real. Se tem uma coisa que deixa qualquer um arrasado é saber que o(a) ex é mais feliz com outro(a) do que com ele(a).

E no Cebola isso dói porque faz com que ele se sinta dispensável, tipo não era tão essencial assim na vida da Mônica e que ela pode perfeitamente ser feliz sem ele. Lembrem que durante muito tempo, o Cebola foi muito seguro de si, achando que ela nunca ia desistir dele. Na ed. 48 ele mesmo admitiu que pensou que fosse ficar com a Mônica de qualquer jeito, então era só deixar rolar. Então um dia ele aprende que nada nessa vida é certo a não ser a morte e o imposto de renda.

Então vem a pergunta: ele não deveria estar feliz ao vê-la feliz? Sejamos justos: nem todo mundo tem esse nível de maturidade e desapego. Ainda somos meio egoístas, queremos sentir que fomos e ainda somos importantes na vida daquela pessoa. Então vê-la feliz joga essa ilusão por terra. Agora, vocês repararam no que ele disse ao afirmar que algo dentro dele diz que a Mônica com o DC é errado? Não seria uma forma de ir preparando os fãs para o rompimento no futuro?

Outra coisa que eu gostaria de comentar é sobre a Magali tentando “empurrar” a Mônica para o Cebola outra vez sendo que na ed. 69 armou todo aquele esquema para ela ficar com o DC. E na ed. 73 ela falou ao Cebola que a atitude mais correta seria deixar a Mônica em paz para que ela pudesse ser feliz com outra pessoa. Aí ela vem tentando fazer com que os dois se acertem? Confesso que achei bem estranho isso.

Mas eu achei a resposta da Mônica muito boa. Sim, ela sabe que o Cebola ainda gosta dela. E nós sabemos que ela ainda gosta dele, embora não fale nada. Mas acontece que ela está farta de tanta confusão na sua vida amorosa, de todo aquele drama que não ata e nem desata. O DC também tem suas complicações, manias e defeitos, mas pelo menos sempre se mostrou sincero e verdadeiro.

Uma coisa que pode parecer difícil de entender é que uma pessoa pode trocar outra que ama por outra de quem apenas gosta muito e ainda assim estar feliz com essa troca. Quando um relacionamento é problemático demais, traz mais dor do que alegria, então chega uma hora em que precisamos abrir mão desse amor para ter paz de espírito. Sim, pessoal, eu sei que isso não é nada romântico, não é o que os filmes e novelas ensinam. Amor por si só não segura relacionamento. É preciso muito mais do que isso.

A Mônica não ama o DC como ama o Cebola. E para falar a verdade, um amor nunca é igual ao outro. Mas ela se sente bem com ele, se sente segura, respeitada e valorizada. No fim, é o que acaba importando mais do que o sentimento que ela tinha pelo Cebola. É, eu sei que as pessoas tem a crença de que mulher só gosta de cafajeste. Aí quando acontece de alguma escolher o cara bacana, povo surta geral com isso e fica todo mundo sem entender.

Ah, e vocês viram como a Magali ficou sem jeito quando a Mônica perguntou dela e do Cascão? Haha, isso é para ela ver como é chato uma pessoa ficar insistindo num assunto sobre o qual não queremos falar.

Não vamos esquecer do tal inimigo que resolveu perseguir e atacar a turma no show de exibição. Após muita peleja, o DC deu um jeito nele com o seu pensamento virado do avesso: venceu perdendo. Meio doido, não? Mas funcionou, impressionou o público e atraiu mais clientes para o dojo. Agora vem a parte mais tensa.

É quando a Mônica pensa que tudo foi um plano do Cebola para impressioná-la e fala todas aquelas coisas horríveis. É, foi uma parte bem desagradável. Mas acho que faltou um bocado de raciocínio da parte dela. Primeiro, onde o Cebola iria arrumar um robô tão sofisticado como aquele? Tudo bem que naquela realidade eles vendem gênios sofisticados, mas onde o Cebola ia arrumar grana para comprar um desses?

Segundo, se o Cebola programou o robô para perder para ele, então porque não conseguiu derrotá-lo de primeira? Por que no fim o DC é que conseguiu dar conta dele de um jeito inusitado? Será que ele é tão burro a ponto de cometer esse tipo de erro? Pois é. Não estou defendendo o Cebola, mas acho que forçaram um pouco nessa parte só pra fazer a Mônica brigar com ele e falar aquelas coisas.

E no fim, quando ela viu que ele era inocente, ficou toda chorosa e arrependida. Como falei antes, não fiquei com pena do Cebola porque na ed. 54 ele agiu mais ou menos da mesma forma que ela. Ao ver Amanda chorando, ele foi logo colocando a culpa nela sem nem ao menos deixá-la explicar e ainda foi atrás da outra para levar flores. Isso foi tão cruel quanto.

Só que essa história parece ter deixado um ponto de interrogação no final. O Cebola fez ou não fez o robô atacar a todos? Há quem diga que sim, pois ele é bom com computadores e vídeo-games, então não seria impossível ter criado um vírus. Mas vou ser sincera: tudo me leva a acreditar que ele não fez esse vírus. Vamos lá:

1 - Muito antes de ele ter a idéia da apresentação ninja para salvar o dojo, o robô já estava andando a solta por aí.
2 – Se ele tivesse mesmo a intenção de derrotar o robô e impressionar a Mônica, teria conseguido dar um jeito nele na primeira tentativa.
3 – O diálogo dele com o DC é bem revelador. Quando DC fala que qualquer pessoa pode ter invadido o sistema do robô pela internet, o Cebola apenas diz que ele estava certo, pois não entendia nada dessas coisas.

Acontece que invadir sistemas não é algo tão simples quanto mostram nos filmes. Leva tempo, dá trabalho e exige muito conhecimento. A não ser que o Franja não tivesse colocado segurança nenhuma no robô, mas isso seria meio estranho vindo dele. De qualquer forma, não seria assim uma coisa simples e fácil porque o Cebola também teria que conhecer a programação do robô, saber como funciona e assim poder programá-lo para fazer o que ele queria. Foi por isso que o Cebola disse aquela frase, porque invadir sistemas é bem mais difícil do que parece.

4 – Quando DC fala que o Cebola não vai conseguir a Mônica de volta agindo desse jeito, ele apenas responde “Eu sei DC.” Ou seja: ele não vai perder tempo fazendo planos sabendo que não irão funcionar. Se ele sabe que esse tipo de coisa não vai trazer a Mônica de volta, então por que se arriscar tanto? No fim, as coisas ficaram ainda piores.

E confesso que foi meio estranho o DC ter dado essa dica, como se de alguma forma quisesse ajudar o Cebola a ter a Mônica de volta. Ou só estava sendo sincero, não sei. Talvez no fim ele apenas queira que o Cebola tenha uma chance real de lutar pela Mônica. Lembrem-se de que desde a ed. 34, ele só fez uma única tentativa de derrotá-la e mesmo assim foi mais pra satisfazer o próprio ego do que para reatar o namoro. Então pode ser que o DC queira que ele tente fazer algo de verdade. Seria também uma forma de saber que a Mônica está com ele porque quer, não porque o Cebola falhou em reatar com ela.

A história, no geral, foi... tipo assim, boa. Nem a melhor, nem a pior. Por ser uma história de ninjas, confesso que achei meio parada. A ação ficou mais para o final mesmo. O começo foi um tanto arrastado a meu ver.

Outra coisa que eu estranhei foi a sinopse dizer que o DC tinha convidado todo mundo para a academia e no fim ele convidou só a Mônica. Acho que deviam tomar mais cuidado com essas sinopses. Mas verdade seja dita: a cena da Mônica falando aquelas coisas com o Cebola vai garantir muitas outras edições de enrolação espera para que os dois reatem. Ao que parece, a via cruxis do Cebola ainda está longe de acabar.

Isso, claro, se estiver nos planos da MSP fazer com que os dois reatem na ed. 100. Caso contrário, esqueçam. Vai demorar mais ainda.

Mas na boa... a ed. 71 foi com o Cebola. Depois a ed. 73, 74, 75, 76 e agora a 77. Se ele não era o protagonista principal, pelo menos teve mais destaque do que os outros. PelamordeDeus, gente! Deixem um pouco para os outros personagens também! Tá, pelo menos nessa a Magali e o Cascão não ficaram só para enfeite. Mas tanto Cebola, Cebola, Cebola... argh, tem dó!

Teve gente que sentiu falta dele tendo atrito com o DC, mas até que achei melhor assim. Eles não têm que brigar por causa da Mônica porque ela não é objeto para ser disputado. A decisão sobre com quem ficar é dela. Mas parece que depois disso o Cebola meio que está vacilando na decisão de continuar lutando por ela e talvez tenha decidido se conformar. Bem... vamos ver se isso foi mesmo uma desistência ou algo temporário. Até que seria interessante dar uma namorada para ele. Contanto, é claro, que não seja pra fazer a Mônica se tocar de que o ama e sofrer, chorar e correr atrás dele como uma tonta. Aí não, tenham a santa paciência! Ninguém merece correr atrás de ninguém, nem mesmo o Cebola. Talvez esteja na hora de ele dar um tempo e deixar as coisas seguirem seu rumo. Às vezes insistir pode ser pior. O que tiver de ser, será.

Para outra opinião sobre a história, acesse:


sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

CBM#16 - Balada à fantasia: críticas



Finalmente a crítica da ed. 16 do Chico Moço. Sei que estou super atrasada, mas confesso que não estava lá com muita vontade de escrever.

A história não foi exatamente ruim, só achei um tanto maçante porque se passou num único ambiente e girou em torno de o Chico descobrir quem ele tinha beijado. Mas o roteirista se saiu bem em mostrar o deslocamento dele naquele ambiente sufocante e agitado de balada. Há quem goste, mas eu não sei se iria gostar de um lugar tão agitado, abafado, cheio de gente (e germes). Gosto de festa, não de bagunça.

Também foi bom terem tocado um pouco mais na questão da Fran, que ainda está apaixonada por ele e pelo visto vai tentar conquistá-lo, o que para ser sincera já estou achando errado. Ela ter se declarado para ele antes ainda vá lá porque tinha pensado que o namoro dele estava ruim e era preciso correr algum risco. Quanto a isso eu não achei errado. Mas agora ela está insistindo mesmo sabendo que ele tem namorada e a ama.

Isso não é só chato como também é uma grande falta de respeito. Ele disse não, disse que ama a Rosinha e quer continuar com ela. Insistir nisso, a meu ver, é desrespeitar a decisão dele, seus sentimentos e direito de escolha. Se continuar assim, ele deveria cortar relações com ela de vez. Eu já tive problemas com esse tipo de pessoa insistente e é totalmente desagradável mesmo.

Por outro lado, eu até fiquei com pena do Vespa, que gosta dela e não é correspondido. Sei bem como é gostar de uma pessoa e ser praticamente ignorada. Ele é zé ruela e sem noção, mas parece gostar realmente dela e até demonstrou que não é má pessoa. E a fantasia dele para a festa? Para quem não conhece, é a fantasia dos Super Gêmeos, personagens criados nos anos 80 para o desenho Superamigos. Quando eles juntam as mãos, ganham poderes para se transformarem em outra coisa. O rapaz pode se transformar em qualquer coisa feita de água e a moça em qualquer tipo de animal. O Vespa fez o papel do rapaz e levou a boneca como sua irmã gêmea.

Também gostei das fantasias que cada um inventou e achei graça da fantasia de Barbie da Ferrugem. Se bem que nenhuma supera a fantasia de múmia do Zé da Rússia, apesar de ter causado um grande desfalque no papel higiênico do banheiro. Antes que eu me esqueça, parece que até o Violinista resolveu dar um tempo nas tretas de Umbra e apareceu na festa também.

Ah, claro, também teve o Genesinho pé-no-saco. E com ele, foi abordado um assunto muito importante: o boa noite cinderela. Vocês já devem ter entendido como funciona. A maior parte das vítimas são mulheres, que acabam sendo estupradas depois que apagam. Como evitar isso? Primeiro, evitem receber bebidas das mãos de outra pessoa, especialmente de estranhos. Mesmo de amigos, não é bom arriscar. Vocês sabiam que a maior parte dos crimes de estupros acontecem com amigos, parentes e conhecidos? Pois é. 

E mesmo que vocês peguem a própria bebida, não a deixe em cima da mesa ou em qualquer outro lugar. Se tiverem que levantar da mesa, levem o copo junto ou então beba tudo porque existe o risco de colocarem algo na bebida quando vocês não estiverem olhando.

Eu sei que a maioria dos leitores ainda são crianças e adolescentes, mas um dia vocês vão crescer e avisar nunca é demais. Pensando bem, mesmo vocês ainda sendo jovens não é aconselhável aceitar bebida de ninguém, mesmo suco ou refrigerante. Nesse caso, os conselhos que eu dei acima também valem. Todo cuidado é pouco.

Só mais uma coisa que deveriam ter falado na revista: batizar a bebida de uma pessoa para depois abusar dela é errado. Sempre. E a culpa é do agressor, NUNCA da vítima, entenderam? NUNCA, JAMAIS, NEVER. Não interessa se a pessoa cometeu um descuido. Ninguém é perfeito, sempre vamos cometer erros. Em um ambiente com muita distração, nem sempre vamos ter em mente todas as medidas de segurança. Tudo bem que devemos ter cuidado, mas se algo der errado, a culpa nunca vai ser de vocês. Vai ser de quem agrediu e abusou.

Estou falando isso porque infelizmente vivemos num país onde sempre culpam a vítima pelo que acontece e isso é um erro porque faz a pessoa se sentir um lixo e muitas vezes ela acaba não denunciando por medo das críticas e condenações. Vocês não fazem idéia de como isso é difícil e doloroso. Sem denúncia, o agressor não é preso e fica livre para fazer tudo de novo. Daí vem a importância de sempre acolhermos a vítima para ajudar não condenar e ficar falando que ela podia ter feito isso e aquilo.

Voltando a história, o Genesinho deu a bebida para a Fran, mas quem bebeu foi o Chico. E como ele não estava acostumado com bebida alcoólica, acabou ficando bêbado e teve até alucinações. Numa delas ele pensou ter beijado a Rosinha e aí vem o maior aperto. Será que ele beijou outra garota de verdade? Será que traiu a namorada sem querer? E o sentimento de culpa? Deve ter doído bastante.

Só não sei se fez sentido ele ter achado que a Fran foi culpada, porque era para ele ter lembrado que o copo de suco foi dado pelo Genesinho para ela. Ele bebeu porque quis, achando que ela não ia importar. Se bem que a cabeça dele ainda podia estar confusa por causa da bebida e até que foi bom ele ter falado umas coisinhas para ela e mostrar que não estava interessado em nada. Vamos ver se depois dessa ela desconfia e cai na real.

Apesar de ele ter pensado que traiu a Rosinha, acho que nesse caso não contaria como traição porque ele estava totalmente fora de si e não sabia o que estava fazendo. E ele nunca quis tomar nada alcoólico, aconteceu sem ele querer.

Quanto ao Genesinho, achei que o castigo dele foi pouco. Para o que ele fez, acho que deviam até ter chamado a polícia (se bem que aqui no Brasil isso não vale de muita coisa). Um cara que batiza a bebida de uma garota só pode estar mal intencionado. E se ele fez uma vez, pode fazer de novo com outra garota desavisada. Acho que por ter tocado nesse assunto, a história valeu a pena.

Como era de se esperar, descobrimos que o Chico não tinha beijado ninguém na festa. Acho que todo mundo meio que esperava esse desfecho, apesar de ninguém imaginar que ia ser com uma boneca. Mas enfim... é muito difícil o Chico fazer algo assim de forma consciente.

Essa foi a ed. 16, agora teremos a 17 falando sobre o sumiço de abelhas, algo assim. Na verdade, isso acontece mesmo na vida real. Nos EUA, Canadá e China as abelhas andaram sumindo. Dizem que isso aconteceu por causa da grande quantidade de pesticidas que contaminavam as flores e também devido às grandes plantações de um item só (soja, milho, essas coisas), o que acaba com a variedade. Aí as abelhas foram enfraquecendo e ficando vulneráveis a vírus, fungos e predadores.

Lembro de ter visto um documentário onde na China eles tentavam polinizar as flores usando uma grande vara com algodão na ponta. Eles iam passando esse algodão nas flores tentando imitar o que as abelhas fazem. Dá para imaginar o trabalhão danado que isso dá, né? Além de ser muito trabalhoso, não tem nem de longe a mesma eficácia das abelhas. E também não produz mel. 

Agora, só não sei ainda se vai ter abelhas gigantes, se o Chico vai encolher ou se a imagem da capa é meramente ilustrativa. Mas é claro que no fim ele vai resolver esse problema e trazer as abelhinhas de volta. É o Chico, esqueceram?

Só uma observação: eu reparei que eles não estão mais colocando o preview da revista do Chico no site oficial da TMJ. Até hoje estão parados na ed. da assombração do laboratório. Na boa... isso chega a ser pouco caso com os fãs. Se não querem mais colocar previews, pelo menos tirem aquela edição dali porque já está velha e não coloquem nada.

Se quiserem ouvir outra opinião sobre a ed. 16, podem ver esse vídeo:

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

TMJ#77: Academia de Ninjas - Palpites




Ontem saiu a capa da ed. 77 e dessa vez parece que a história será centrada no DC. Uns gostaram, outros estão odiando e a vida segue.

Para começar, a capa saiu bem diferente do usual. Soube que o Zazo saiu da MSP (magoei, mimimi...). Daí o estilo diferente no traço e no desenho dos personagens. Acho que não existe assim uma padronização, sei lá.

A coloração também ficou diferente, como se fosse algo desenhado a lápis. Acho que quiseram dar um pouco o efeito daqueles pergaminhos antigos japoneses, se bem que eu já vi capas de alguns mangás com um estilo semelhante a esse. Acho que tentaram fazer algo mais ou menos parecido.

Bem, até que ficou bonito e diferente. Gostei das cores e dos traços dos personagens, que ficaram bonitos. O problema é que os cabelos da Mônica ficaram muito claros. Mesmo nas partes não iluminadas, dá para ver que o castanho é mais claro que o normal. Os cabelos do Cebola também.

Agora as roupas. Reparei que Cebola e DC vestem roupas semelhantes, com algumas variações. São uniformes de ninjutsu mais incrementados e bacanas. Ficou bom nos dois e pode ser que essa semelhança nos uniformes signifique que eles irão competir de alguma forma.

A roupa do Cascão logo de cara já vi que parece uma fantasia de tartaruga ninja. Assisti muito esse desenho na infância. A da Mônica lembrou um pouquinho só da Chun-Li de Street Fighter por causa da gola, ainda que aberta, e do detalhe na frente. Mas a semelhança é bem vaga mesmo. A gravatinha do Sansão ficou um charme e deram uma carinha mais mangá para ele.

Já roupa da Magali meio que me decepcionou um pouco. Para mim parece apenas uma garota de legging, top, meias e chinelos segurando dois leques. Essa roupa me parece mais adequada para academia ou caminhadas ao ar livre do que para uma academia de ninjas. Os leques me fizeram lembrar a Kitana, do Mortal Kombat. Mas só os leques.

E esse fundo branco? Meldels, custava colocar ao menos uma corzinha suave? Talvez algo como aquele sol japonês, porém mais suave e discreto. Pode parecer estranho, mas para mim esse fundo branco meio que ofusca o desenho dos quatro.  De qualquer forma, gostei da mudança de estilo.

Quanto a história, a primeira vista não me parece nada assim complicado. Quem leu a ed. 42 sabe que o DC pratica uma arte marcial chamada ninjutsu, que surgiu no Japão medieval quando se usavam espiões (ou ninjas). Os ninjas trabalhavam como mercenários e o governo japonês chegou a usá-los como espiões até a segunda guerra mundial. O ninjutsu é tipo um conjunto de técnicas que capacitavam os agentes a agir em todas as situações num campo de batalha.

Até que não deixa de ser legal uma história que explora e detalha esse lado do DC. Se não me engano, a mãe tem um nome japonês, só não lembro qual agora. Acho que é Keiko, mas cada lugar fala uma coisa. Talvez seja por isso que ele demonstre algum interesse por uma luta japonesa.

Então, basicamente, a turma vai entrar nessa academia de ninjas, tentar aprender a lutar e talvez haja algumas confusões devido as dificuldades de cada um. Não se aprende artes marciais da noite para o dia. Uma coisa que os leitores devem estar curiosos para saber é se vai rolar briga e rivalidade entre DC e Cebola por causa da Mônica. Se não me engano, é a primeira vez que os dois voltam a interagir depois da ed. 68 e acho que os fãs meio que estão esperando pelo “confronto”.

Se não me falha a memória, a Mônica nem está falando mais com o Cebola, então como vão resolver isso? Os dois vão continuar sem se falar? Vai ser bem esquisito. Talvez essa edição, em parte, seja para reiniciar uma aproximação entre Mônica e Cebola, para que pelo menos eles voltem a dar bom dia um para o outro. Sim, porque se eles continuarem desse jeito, vai ficar difícil fazer aventuras com os quatro e eu adoro ver aventuras centradas neles, tipo turma da Mônica clássica. Sem isso, a revista meio que perde o sentido de ser.

A sinopse também fala de um inimigo misterioso do qual eu nem faço idéia. Na ed. 76 mostraram um sujeito com aparência de robô, mas pode ser apenas uma roupa high-tech. O que ele quer e o que pretende fazer ainda é um mistério. Pode ser o básico, tipo dominar o mundo e escravizar as pessoas (coisas que todo vilão quer). Ou ele pode querer um objeto místico, talvez destruir a escola onde eles freqüentam...

Então, é claro que a turma vai ter que dar um jeito no cidadão aí, né? Para isso, terão que trabalhar juntos. E para trabalharem juntos, Mônica e Cebola terão que se comunicar. Mais do que isso, DC e Cebola também terão que deixar as picuinhas de lado e trabalhar juntos.

Ninguém toma uma pessoa de ninguém. A Mônica ficou com o DC porque quis, então o Cebola não pode odiá-lo nem vê-lo como inimigo. Pelo mesmo motivo, não faz sentido eles brigarem por causa dela, porque ela não é um objeto ou um prêmio a ser disputado. É uma pessoa com vontade própria e no fim das contas é ela quem escolhe com quem quer ficar.

Se formos pelo caminho convencional, pode ser que esse vilão seja mesmo um vilão, que no final será derrotado e preso (se bem que alguns costumam fugir). Agora, caso resolvam nos surpreender, pode acontecer de esse vilão ser alguém da turma tentando fazer com que eles reaprendam a trabalhar juntos apesar das diferenças. Talvez seja hora de Cebola aceitar que Mônica está com DC agora. Claro que isso não significa desistir, mas ele ainda precisa concluir o estágio da aceitação, de entender que agora ela está com outra pessoa e decidir o que fazer quanto a isso.

Eu falei, no passado, que o Cebola podia ao menos tentar lutar pela Mônica porque ele nunca tinha feito isso antes. Mas ele precisa ter em mente o que, exatamente, vai querer com ela. Afinal, ela está com outra pessoa agora e parece estar feliz. Então ele tem que entender que para convencê-la a terminar esse namoro (ou sei lá o que é isso), terá que oferecer alguma coisa mais sólida e concreta. Não dá para querer que ela termine o DC para voltar ao que era antes, eternamente esperando que ele tome uma atitude. Aí ela fica sem mel nem cabaça.

Claro que é só um palpite, certo? É que na ed. 42 tinha Predador Supremo 2602 que no fim das contas era o Quim. Até hoje acho que ninguém entendeu por que ele fez isso. uns dizem que ele agiu assim para ver se ajudava Cebola Cebola a superar seu medo da Mônica e dar mais um passo para se entender com ela. Mas certeza mesmo ninguém tem. De repente ele pode estar por detrás desse novo vilão. Muita gente acreditou que esse vilão era um robô. Caso seja mesmo, de repente pode estar sendo controlado pelo Quim. Isso, claro, se o interesse dele era mesmo aproximar e unir a turma. Caso contrário, essa teoria nem faz sentido algum. 

Bem, eles terão que trabalhar juntos para derrotar o vilão, mas não sabemos se depois disso a Mônica e o Cebola vão continuar se falando ou se o silêncio voltará novamente. Ainda assim estou curiosa para ler a história e acho que depois de tanto suspense e tensão com Umbra, seria bom uma história mais leve para relaxar e divertir. É bom que tenha variedade, temas diferentes a cada mês. Antes eu reclamava porque tinha muitas histórias do quotidiano e estava ficando enjoativo. Mas se alternarem os temas fica bom.

Eu não mudei o layout do meu blog para a ed. desse mês porque é natal, então o feriado prevalece. E também porque estou com preguiça de mudar de novo (huehuehue!). Agora falta a crítica do Chico ed. 16, que foi uma história bem legal. Vamos ver se publico amanhã ou depois.

Aqui também tem palpites sobre essa edição, se quiserem ouvir outras idéias. Vamos ver se alguém acerta.


Postagens mais antigas → Página inicial
Recommend on Google