sábado, 28 de dezembro de 2013

A Mônica é mesmo gorda?

11:41 20 Comentários



Pode parecer besteira, mas às vezes eu fico meio preocupada quando chamam a Mônica de gorda na revista.

O que me preocupa é dizerem que uma personagem com esse corpo é gorda. Então o que seria magra para eles? Corpo de faquir indiano?

Sei que os outros personagens falam isso por implicância, porque ficou o estigma devido à infância dela. Mas ainda assim me preocupa como deve ficar a cabeça de uma garota que lê essas histórias e vê uma personagem com o corpo da Mônica ser alvo de piadinhas por causa do peso.

Acho que o pessoal da MSP deveria ter um pouco mais de cuidado com isso. Já chega as cobranças que sofremos todos os dias para sermos lindas e perfeitas, não precisamos de mais.

Muitos dizem que basta não ligar e seguir em frente. Quem dera fosse fácil. Não, nem todo mundo consegue. Não é apenas questão de autoestima. É segurança, estrutura emocional para não se importar com as opiniões e julgamentos dos outros. Infelizmente, as mulheres em geral não são criadas para terem essa estrutura. Somos educadas para dar grande importância as opiniões dos outros, especialmente dos homens.

Afinal, mulher solteirona que não arruma ninguém sempre cai no ridículo. Na nossa sociedade, mulher sem homem não é gente. Aquela garota que nunca arruma namorado é sempre vista como esquisitona. Ninguém quer passar por esse tipo de situação. 

É por isso que muitas se desdobram para ter a atenção e aprovação dos homens, porque foram condicionadas para serem assim desde pequenas.

Então lembrando aquela parte em que o Cebola confronta Carmem e Denise, ele pergunta qual é o problema em se achar. O problema é que as mulheres não são educadas para “se achar”. As que “se acham” são vistas como arrogantes, difíceis, chatas, vão ficar solteiras, etc.

Ele também pergunta por que as garotas não se gostam como os rapazes gostam delas. A resposta também é simples: porque os rapazes, em sua maioria, gostam das garotas dentro dos padrões, submissas, que se desdobram para agradá-los. Poucos aguentam uma que seja independente, dona de si mesma e não importa com suas opiniões. Eles ficam totalmente perdidos quando não conseguem dominar a garota.

Muitos até dizem que elas deveriam pelo menos fingir que o homem tem controle da situação, porque massageia o ego deles, é sua natureza, etc. Não estou generalizando, claro, mas em geral eles não suportam um relacionamento igualitário, onde os dois têm a mesma importância.

Nós vivemos numa sociedade machista e contraditória, onde a mulher é criticada por cuidar da aparência e igualmente criticada por não cuidar. Um exemplo bem simples é a depilação. Quando uma mulher reclama disso, falam que ela faz porque quer, ninguém obriga a nada. Mas quando ela resolve não fazer, é taxada de porca, peluda, macaca, etc.

Voltando ao assunto, eu sei que toda mulher é ao menos um pouco encucada com a própria aparência, mas os roteiristas da MSP deveriam ter um certo cuidado ao falar da “gordura” da Mônica. É muito estranho falarem que ela é gorda ou com tendência a engordar e ao mesmo tempo desenhá-la com um corpo dentro dos padrões.

 

Presentes de Ano Novo

10:26 12 Comentários
Um feliz ano novo para todo mundo que vem acompanhando o blog! Obrigada pelo apoio e desejo que esse blog dure mais um ano inteiro, e quem sabe vários!


Então hoje tem várias coisas. Além de um quebra-cabeça com a imagem acima, tem png's também:

sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

TMJ#65 - A Brigada dos Ossos Cruzados: palpites

21:15 21 Comentários


Ah, finalmente uma aventura que preste! Uau, estava demorando mesmo uma boa saga com vilões, lutas, viagens espaciais, etc. Caramba, eu não estava mais agüentando o eterno mimimi adolescente de sempre!

Bom, a sinopse diz que a Cabeleira Negra vai voltar e tentar roubar o tesouro mais valioso do universo e a turma vai ter que se virar para impedi-la. Aí é só imaginar o que vai rolar nessa história. Bem... eu imagino que se vai ter Cabeleira Negra, é bem provável que tenha o Astronauta também.

Dei uma olhada no preview da edição e... surpresa! A história começa com Mônica e Cebola. Bem... pelo menos não estão brigando feito cão e gato.

Minha curiosidade é saber qual é o tal tesouro e para que serve. Tem alguma utilidade ou apenas vale muito dinheiro? Será algo material ou no fim vão descobrir que é mais abstrato, tipo um conceito ou uma idéia? É algo que dá a pessoa grandes poderes para dominar o universo? Caso seja, será que o Cebola vai ficar com olho grande?

Sabe, foi prometido que teria uma edição de natal e a primeira vista não tem nada natalino nessa história. Só se aparecer depois, mas considerando que a Mônica e o Cebola começam a história fazendo um trabalho escolar, acho pouco provável. Isso significa que nem é dezembro.

Ao que parece, a aventura será mais centrada nos dois (novamente), tipo eles tendo que trabalhar juntos para resolver os problemas. Se for assim, então Magali e Cascão serão meros enfeites. Bem... ainda há esperança, né? De repente eles terão uma participação mais ativa na história.

De qualquer forma, não vou ficar reclamando porque estava mesmo querendo uma aventura assim para sair da mesmice de sempre. Então tenho mais é que agradecer e acredito que a história será muito boa.

Será que vão cortar os cabelos da Cabeleira novamente que nem a Magali fez no passado? Até que ela ficou bonita com os cabelos curtos. Pelo menos é mais fácil de cuidar. Ah, também notei que ela usa a mesma roupa que no filme Uma Aventura no Tempo. Confesso que prefiro o visual da Ed. 3, é mais pirata.

Quem sabe não vai rolar algum lance entre ela e o Astronauta? Ela tem uma quedinha por ele, embora eu não saiba se a recíproca é verdadeira. Até que seria interessante.

Dessa vez é meio difícil prever o que vai acontecer na história porque não é igual as outras. Então qualquer coisa pode acontecer e acho que vamos ter boas surpresas.

Antes que me esqueça, eu até que gostei da capa. Claro que não vou com a cara do Cebola e preferia que qualquer outro personagem tivesse aparecido em primeiro plano, mas admito que quando bem desenhado, ele fica bonito.

Competição Feminina

20:52 10 Comentários
Há uma parte onde o Cebola fica “chocado” ao ver como as mulheres podem ser cruéis umas com as outras. É muito comum a gente ouvir que mulher não tem amizade pela outra, estão sempre competindo, querendo se apunhalar pelas costas. E falam como se isso fosse natural, biológico, embutido nos genes das mulheres. Não. Não é. Isso é construído social e culturalmente.

Desde cedo somos educadas para nos vermos como inimigas, a julgar, rotular, ridicularizar, etc. Dividir e conquistar, é assim que o machismo consegue sobreviver. Enquanto as mulheres se voltam umas contra as outras, não combatem o machismo. Conveniente, não?

Durante muitos séculos, a única forma de uma mulher conseguir projeção social era agarrando o melhor partido do pedaço, porque estudar, trabalhar e progredir com o próprio esforço era coisa só de homem. Então era obvio que para uma mulher, as outras eram sempre concorrentes, rivais. Era preciso fazer qualquer coisa para derrotar a concorrência. Ainda hoje somos educadas para ver a outra mulher como rival. Isso vem de todos os lados, de onde menos esperamos. Aprendemos vendo na televisão, vendo as amigas, pessoas mais velhas, comentários machistas sobre a “incapacidade feminina de sentir amizade por outra mulher”, etc.

Sabe quando uma menina taxa a outra de galinha só porque ela beija os meninos? Ou de vadia por causa da roupa? Pois é. Isso gera a desunião e a competição desleal. Não somos educadas para sermos unidas porque isso acabaria com o sistema machista em que vivemos. Se as mulheres passassem a apoiar umas as outras ao invés de julgar e criticar, seria o fim do patriarcado porque estaríamos unidas.

Fiz essa explicação para dizer por que as mulheres aparentam ser desunidas. Na revista, eles colocaram isso como se fosse natural, mas é algo construído socialmente. Não caiam nessa armadilha. Toda vez que vocês julgam as outras meninas e mulheres, estarão apenas reforçando um sistema cruel e dominador que nos ferra cada vez mais.

TMJ#64: Eu sou você - Críticas

20:50 23 Comentários
Gente, eu sei que a crítica está super-mega atrasada. Não costumo demorar tanto assim para falar da Ed. do mês. Acontece que geralmente gosto de ler a história umas duas ou três vezes antes de falar sobre ela. O problema é que a Ed. desse mês me deu um mal estar tão grande, uma sensação tão ruim ao terminar a leitura que não consegui reler novamente por vários dias. Quando pensava em fazer a critica, me sentia mal. Mas acho que agora dá para escrever algo sem sentir aquela coisa ruim na boca do estômago.

Primeiro, gostaria de falar um pouco sobre o pássaro bacurau, aquele passarinho trolão que roubou o colar da Mônica. Pelo que pesquisei, ele participa de umas três lendas diferentes. A do arco-íris é uma delas.

A lenda diz que o pássaro carrega o arco-íris no bico e qualquer um que passar debaixo dele troca de sexo. Existe até uma história de um rapaz que era delicado demais e na tribo eles matavam rapazes assim. Então ele fugiu para evitar a morte. Sua mãe, que conhecia o poder do pássaro bacurau, fez uma oração pedindo que a ave transformasse seu filho num “homem de verdade” (dentro dos padrões determinados pela sociedade machista onde viviam e sem nenhum respeito pela individualidade da pessoa). Então o pássaro atendeu o desejo dela e transformou seu filho num homem dentro dos padrões e a vida dele foi poupada.

Bom... eu até entendo que tenha sido necessário fazer essa pequena alteração para adaptar a história, talvez o roteirista tenha lido isso em algum livro. Mas pesquisando na internet achei uma versão diferente. Fala-se em mudança de sexo, não mudança de corpos.

A história por si só e seu tema até que não é ruim, admito isso. Claro que as situações não foram tão engraçadas quanto eu esperava, mas foi interessante um viver a vida do outro ainda que por algumas horas.

O que me deixou meio bolada é ter visto tanto sexismo, coisa que eu não consigo tolerar muito bem. Gostaria de saber qual foi a intenção da Petra ao escrever a história. Foi para mostrar que cada um tem seus problemas particulares ou dizer que existem “problemas de homens” e “problemas de mulheres” como se fossem coisas basicamente iguais e equivalentes?

Acho que foi dessa falsa simetria que eu não gostei. Sim, homens também têm problemas de gênero, mas não chega nem perto dos problemas das mulheres. No Brasil, uma mulher é morta a cada duas horas e estuprada a cada 12 segundos. Então, sinto muito, mas os problemas dos gêneros não são iguais.

Agora vamos fazer as contas: quantos problemas a Mônica enfrentou no corpo do Cebola? Unicamente o julgamento dos amigos ao vê-la brincar de boneca com a Maria Cebolinha.

Quantos problemas o Cebola enfrentou no corpo da Mônica? Primeiro as roupas, os olhares dos homens na rua (vocês nem fazem idéia do que as mulheres têm que agüentar), a cobrança por ser sempre certinha e educada... Quer dizer, Luiza ficou irritada quando a filha soltou um “falaí” porque foi desrespeitoso ou porque veio de uma garota?

O Cebola deve falar assim com a mãe dele o tempo inteiro e nem por isso ela fica ofendida. Mas por que as coisas mudaram? Resposta: estava no corpo de uma garota.
Se bem que foi engraçada a surpresa dele ao ver que garotas também fazem bagunça. Ou foi apenas fruto do machismo? Afinal, todos esperam que garotas sejam arrumadinhas, limpas e organizadas, né?

Outro problema enfrentado é ser julgado constantemente por causa da roupa e da aparência, coisa que pareceu ter maior peso na história. E na vida real, tem um peso maior ainda, podem acreditar. Assim ele pode experimentar um pouco como é ser tratado como um objeto que só tem valor pelo que é por fora, não por dentro.

Pelo menos ele pode ver como é ser criticado a todo instante por causa da aparência e não pelo que é por dentro. É esse tipo de coisa que as mulheres enfrentam todos os dias. Ele disse que as meninas não deveriam ligar. Bem... há meninas que não ligam mesmo e elas são taxadas de esquisitas, arrogantes, são marginalizadas, etc. Se a mulher cuida da aparência é criticada. Se não cuida, é criticada do mesmo jeito. Sim, a sociedade patriarcal onde vivemos é muito contraditória.

O que eu achei horrível foi a Mônica ter brigado com a Irene. Caramba, ela se entende com a Irene em uma edição e em outra volta tudo a estaca zero? Se era para ser ridículo, parabéns! Conseguiram!

Mas a parte do Cebola na casa da Maria Melo foi muito boa. E quando ele enfrentou as alfinetadas da Carmem e da Denise foi melhor ainda. Bom para ele ver como a Mônica se sente quando um chato fica toda hora falando do peso dela.

A passagem onde eles enfrentam o Toni também foi boa e a Mônica viu como era enfrentar alguém sem a força física enquanto o Cebola sentiu o gostinho de ter a força monumental dela. A minha surpresa foi ele tê-la defendido, ainda que fosse só para ter o gosto de defendê-la ao menos uma vez. Pelo menos ele se importou ao invés de deixá-la apanhar.

E as coisas que ele falou da Mônica até que foram legais. Milagre ele ter reconhecido que ela tem qualidades e não só defeitos!

O final foi como nos filmes do mesmo gênero. Os dois se entendem, as brigas acabam e cada um volta para seu corpo. Achei legal o Cebola ter compreendido como era viver no corpo da Mônica e suas dificuldades em controlar sua força. Ele sempre achou que ela era impulsiva e viu que na verdade é uma pessoa com grande autocontrole. Afinal, não é nada fácil ter uma força como aquela e não usá-la.

Agora, não gostei foi de terem colocado as coisas como se um fosse a força e o outro o cérebro. Como assim? Então a Mônica resolveu o caso do Toni na Ed. 62 usando somente a força bruta? Ela bateu no juiz? Acho que não, né? A Mônica já mostrou muito bem que tem inteligência e sabe pensar em várias outras edições. Ela pode até não ter o mesmo desempenho escolar que o Cebola, mas burra também não é.

Ninguém é metade de ninguém. Todos somos seres humanos completos. As pessoas podem acrescentar coisas boas as nossas vidas, complementar, mas de forma alguma podem ser consideradas partes de nós como se não pudéssemos viver sem elas. Isso é perigoso.

Muitos vão discordar dizendo que ser inteligente é a função do Cebola. Acontece que eles vêm com esse papo de que a Mônica mudou, não usa mais a força bruta para resolver as coisas, etc. Tá. Agora ela não usa a força bruta porque não resolve mais os problemas com pancada. Mas também não pode usar a inteligência porque isso é tarefa do Cebola. Então me respondam: ela vai usar o quê? Pois é.

Sabe, tem outras coisas que me chamaram a atenção na história, mas vou falar delas em outro tópico para não ficar comprido demais. sei que essa não é minha melhor crítica, foi mal gente. Mas eu custei a escrever isso. Não foi nada fácil.

Pode parecer bobagem minha criticar tanto os mimimis da Mônica com o Cebola, mas acontece que tem andado meio demais ultimamente. Pensem no seguinte: se TMJ fosse comida, Monica e Cebola seriam o sal.

Se tirar tudo, fica sem graça e sem gosto. Mas se carregar demais, ninguém aguenta comer. Tem que ser na medida certa. Sem falar que quando a gente coloca muito sal, não sente o sabor dos outros temperos (demais personagens).

É basicamente isso que vem acontecendo na TMJ ultimamente. Está ficando cansativo abrir a revista e deparar com os dois brigando na primeira página. Tá salgado demais. E tudo que é demais, enjoa mesmo.

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Uma prévia da minha nova fanfic

21:35 27 Comentários
Estou escrevendo uma nova fanfic e pretendo publicar por esses dias se tudo der certo. Eu queria escrever essa história há bastante tempo, mas as idéias não saíam. Agora parece que dessa vez vai ter história.

Aqui tem um preview da capa:






Pois é, né? Parece que a Carmem vai passar por maus bocados dessa vez! O que será que vai acontecer com ela? Daqui a uns dias vocês vão saber. Para dar um gostinho, eu vou colocar aqui o primeiro capítulo. Ele ainda pode sofrer algumas alterações, pois a história ainda não está pronta. É só para dar uma idéia mesmo de como vai ser. Eu tenho a ligeira impressão de que vocês vão odiar a Carmem!


Primeiro capítulo:

- Oh, céus! Que dúvida terrível! Por que a vida é tão cruel comigo?
- Cruel? Tá falando do que, criatura? – Denise perguntou sem entender por que Carmem choramingava daquele jeito.
- Eu preciso escolher entre Prada ou Gucci! Mas os dois são tão lindos, buáaaaa!

Ela começou a chorar segurando um sapato de cada marca nas mãos e Denise virou os olhos com impaciência.

- Escolhe logo, Cacá! Eu gosto de passear no shopping, não de ficar o dia todo preso numa loja só! 
- Sua bruxa sem coração! Eu tô em conflito existencial e você só pensa em si mesma? Pois não saio daqui enquanto não conseguir escolher!
- Hã... posso ajudar em alguma coisa? – a vendedora perguntou se aproximando das duas já estranhando toda aquela demora.
- Pode sim, querida. Troca essa cara horrorosa por outra melhor e vista umas roupinhas decentes porque tá parecendo um espantalho!

A vendedora arregalou os olhos, chocada com toda aquela grosseria.

- Agora sai logo daqui antes que eu morra com esse perfuminho barato! Argh, parece desinfetante!
- Credo, tá de TPM hoje? – Denise perguntou também assustada. Aquilo foi grosseiro demais até mesmo para a própria Carmem.
- Sim, Tô Pronta pra Matar se não conseguir escolher logo! E todo mundo fica me distraindo toda hora!

Cansada de tudo aquilo, Denise resolveu contornar a situação.

- Ué, por que você tem que escolher? Tá sem dinheiro?
- Sem dinheiro? SEM DINHEIRO???? Claro que não! Minha família é a mais rica da cidade, meu pai sempre me dá tudo o que eu quero e...
- Tá, tá. Então por que não compra os dois de uma vez?

Foi como uma luz se acendesse sobre sua cabeça.

- É mesmo! Eu posso pagar, não posso? Ai, que idéia brilhante a minha!
- Como é?

Carmem levou os dois pares sem pestanejar, deixando Denise aliviada por ter acabado aquele pesadelo. Sua alegria não durou muito porque na próxima loja, tudo se repetiu como antes. Dava para ver que Carmem não estava num bom dia.

Após muita peleja, as duas foram até a praça de alimentação. Normalmente eram seus pés que doíam de tanto andar, mas daquela vez ela estava com dor de cabeça de tanto passar raiva com Carmem e seus conflitos existenciais por causa de roupas, sapatos e acessórios.

- Ah, olha as meninas! Vamos lá! – ela convidou e Carmem torceu o nariz.
- Eu heim! Elas vão é botar olho gordo nas coisas que eu comprei!
- Deixa disso, Cacá! A gente sempre sentou com elas e você nunca deu chilique!
- Pode ser, mas a chata da Cascuda tá lá e você sabe que eu não dou bem com ela!
- Aff, deixa de drama e vamos logo. As outras mesas estão ocupadas. 

As duas foram até onde as amigas estavam sentadas, com Carmem resmungando um pouco.

- E aí, meninas?
- Oi, Denise! Oi Carmem! Senta aí! – Mônica convidou e Denise não se fez de rogada. Já Carmem procurou se sentar o mais longe possível de Cascuda. Por que alguém como ela tinha que ser vista andando com a ralé?
- Tem alguma novidade pra nós? – Magali perguntou comendo seu sanduíche natural.
- Menina, eu nem te conto o babado que eu vi hoje de manhã!

As outras fizeram silêncio para ouvir a mais recente fofoca. Não era tanto o que Denise falava e sim a maneira como falava que prendia a atenção de todas elas. Aquela ruiva tinha o dom de transformar coisas simples em grandes eventos tamanho era o entusiasmo com que ela relatava suas fofocas.

- Então ela pegou a vassoura e quebrou nas costas dele sem dó! O coitado teve que ser levado de maca e ela ainda queria entrar na ambulância pra bater nele mais ainda!
- Credo!
- Que horror!
- Nem a Mônica é assim! – Carmem falou venenosamente.
- Como é? Claro que eu não sou assim! Não resolvo mais as coisas na pancadaria!
- Mas continua sem classe como sempre, não é mesmo? Agora ninguém pode falar nada!
- Ué, foi você quem provocou! Quem fala o que quer, ouve o que não quer! – Cascuda falou em defesa da amiga. Não foi boa idéia.
- Meu bem, a conversa não chegou até a cozinha! Ninguém te pediu pra falar nada!
- Eu falo quando quiser, se não quer ouvir, então cai fora!

O clima ficou tenso de repente e Marina tentou acalmar os ânimos.

- Meninas, calma! Hoje é domingo, não vamos brigar por besteira!
- Então fala pra essa cafona aí parar de se meter onde não deve! Que coisa, por que eu tenho que aturar esse tipo de gente?
- Porque ela é nossa amiga! – Mônica falou já cansada de tanta chatice da Carmem.
- Talvez eu devesse selecionar melhor minhas amizades!
- Então vai selecionar em outro lugar, porque daqui eu não saio!
- É, eu vou mesmo! Parece que não sou bem vinda aqui, bando de invejosas!
- Como é que é? – as outras falaram ao mesmo tempo.
- Isso mesmo! Vocês morrem de inveja de mim! Eu sou a garota mais linda dessa turma, tenho os cabelos mais longos e também sou rica! Olha só quanta coisa eu comprei!

As meninas tiveram que segurar a Mônica para que ela não pegasse tudo aquilo e atirasse na fonte do shopping. Ela só procurou se acalmar porque lembrou que aquela atitude ia lhe custar cinco anos de mesada.

Carmem pegou suas coisas e falou com impertinência.

- Querem saber? Tenho mais o que fazer do que perder tempo com quem não me defende! Vamos, Denise!
- Pra onde?
- Vamos embora! Eu quero provar as coisas lindas que comprei e preciso de alguém pra me ver!
- Então usa o espelho, porque eu vou ficar aqui mesmo!
- Como é?
- Fófis, não é que eu não te ame, mas você tem andado muito chata ultimamente. Vai se acalmar, migz. Amanhã a gente se vê na escola.
- Então é assim? Prefere ficar com essas... essas... pobres do que ficar comigo?
- Pois é. A vida é assim mesmo.
- Então fica com elas, sua traidora!

A loira saiu dali rebolando e com o nariz empinado. Aquelas pobretonas mortas de fome não iam estragar seu dia.

- Credo, o que deu na Carmem? Ela tem andado terrível ultimamente! – Marina falou ao ver a outra se afastando.
- Vai saber... o melhor é deixar quieto que depois passa. Agora, vocês não sabem o que eu ouvi ontem de tarde no banheiro da escola!

As outras logo esqueceram do episódio de momentos antes

__________________________________________________________

Ao chegar em seu quarto, Carmem jogou as sacolas sobre a cama e olhou sua imagem no espelho, examinando cuidadosamente a área dos olhos e a testa.

- Ninguém merece, viu? Eu ainda vou acabar cheia de rugas por causa daquelas chatas! Por que ninguém me defendeu? Claro, todo mundo tem que pagar pau pra Mônica!

Após constatar que nenhuma linha tinha aparecido em seu rosto, ela decidiu tomar um banho para relaxar e chamou a empregada.

- Arrume o meu banho agora mesmo e coloque aqueles sais que minha mãe trouxe de Paris!

Enquanto a empregada arrumava seu banho, ela tirou a roupa e colocou um roupão. Um cheiro perfumado e muito agradável encheu o ambiente, fazendo com que Carmem gritasse furiosa.

- Sua tonta! Eu falei pra colocar os sais de Paris! PARIS!
- Mas... mas... – a mulher mostrou o frasco que tinha o desenho da torre Eiffel no rótulo.
- Isso é só a marca, imbecil! Olha só o que você fez! Estragou tudo! Agora vou ter que tomar banho nessa coisa fedorenta porque tô cercada de gente burra e ignorante que não faz nada direito! Anda, sai logo daqui sua anta!

A mulher saiu dali aos prantos, quase esbarrando na senhora Frufru que vinha na direção oposta.

- Carmem, o que está acontecendo aqui?
- Ah, mamy! Essa criadagem de hoje tá cada vez mais incompetente, viu? Não servem pra nada!
- Não fale assim dos nossos empregados! Você não tem esse direito!
- Claro que tenho! Eles trabalham na minha casa!
- Na minha casa e a do seu pai, você quer dizer. Só será sua quando nós dois morrermos.
- Credo, que coisa mais fúnebre! Vai encher meus olhos com pés de galinha!

Ela olhou para a cama e viu muitas sacolas de compras.

- Escuta, você já não tinha feito compras recentemente?
- Isso foi há séculos, mamy!
- Foi na semana passada!
- Então? Muito tempo! Precisava de roupas novas!
- Você já tem toneladas de roupas novas!
- Novas? Mas eu já usei todas!
- Usou uma vez só!
- E você quer que eu use a mesma roupa duas vezes? Cruz credo, isso é coisa de pobre!

Sua mãe colocou as mãos na cintura e falou com a voz enérgica.

- Carmem Frufru! Você sabe que sempre te damos tudo, mas isso é exagero! Você não vai gastar toda nossa fortuna só porque não quer usar a mesma roupa duas vezes, então pare de fazer essas compras malucas toda semana! Você não precisa disso e...

Carmem apenas olhava sua mãe enquanto pensava no desfile que ia acontecer na próxima semana anunciando a nova coleção de verão daquele ano. Estava mesmo na hora de renovar seu guarda-roupa.

- ... e por isso mesmo, procure ser mais responsável e não saia por aí comprando feito maluca, entendeu?
- Sim, mamy, entendi. Agora eu posso tomar meu banho? Senão a água vai esfriar.

Ela deu um suspiro e respondeu.

- Sim, pode tomar seu banho. O jantar será servido no horário de sempre. Não se atrase.
- Pode deixar.

Depois que sua mãe saiu, ela tirou o roupão e mergulhou na banheira prazerosamente. Apesar de não ser os sais de banho que ela queria, o aroma agradável acabou lhe seduzindo, tirando parcialmente o mal humor.

- Mal posso esperar o desfile! Vou comprar tudo novo, bem novinho!




terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Feliz natal a todos

21:37 13 Comentários
Esse é meu layout de natal. E aí? Gostaram? Eu precisei fazer algumas mudanças para que o blog se ajuste a diferentes resoluções, então em alguns casos as coisas podem não aparecer direito. Se acontecer, por favor avisa e me diga também a resolução do seu monitor para que eu possa fazer as adaptações.

Também tem png's novos, mas vou postar amanhã porque hoje não vai dar, estou exausta.

Quanto a crítica da ed. 54, vou confessar que irá levar um tempo. A história me deixou com uma coisa ruim no estômago e enquanto eu estiver assim, melhor não escrever ou vou acabar sendo severa demais.

Só mais uma coisinha: a quem postou pedindo parceria, aguenta só mais um pouquinho que amanhã vou atender a todos, certo? Eu não estou fazendo pouco caso não, só estava meio apertada nesses dias.

Espero que tenham gostado das mudanças!

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Prévia do natal

19:56 8 Comentários
Estou preparando a decoração de natal para o blog. Vamos ver se consigo terminar a tempo. Aqui vai a primeira imagem que consegui fazer:



Assuntos que faltam na TMJ

10:05 26 Comentários
Um texto muito bom que peguei na página Feminismo sem Demagogia, no facebook. Às vezes acho que a TMJ vive excessivamente no mundo da fantasia e ignora os problemas reais. Eu sei que por ser uma revista para crianças, não é possível abordar esses problemas de forma completa e profunda. Tem que se adequar a idade de quem está lendo para que todos compreendam.

Mas a meu ver eles pecam por não tratarem desses assuntos de forma alguma, nem mesmo de leve. Para falar de ecologia eles são ótimos, não vou negar. Mas acho que falta abordar outros assuntos também. Aliás, acho até que a TMJ regrediu um pouco em relação a TM. Pelo menos nos gibis eles falavam sobre síndrome de down, autismo, personagens como Luca e Dorinha apareciam mais... 

Por que eles não tentam fazer histórias que se aproximam mais do leitor? Será que uma criança quer mesmo um mundo perfeito de fantasias ou um personagem com quem pode se identificar?

Eis o texto:

O que significa quando as crianças não estão autorizadas a saber sobre coisas ruins ?

Há uma variedade de assuntos que as crianças são muitas vezes consideradas jovens demais para saber. Por exemplo:

Estupro
Violência
Racismo
Sexismo

O problema é que considerá-las jovens demais para lidar com assuntos que são tidos como "coisas ruins" as impede de compreender o que acontece com outras crianças.

A regra de que as crianças devem ser protegidas dessas coisas tem alguns efeitos muito negativos sobre as crianças que são mais vulneráveis.

Crianças que foram abusadas, passam a ser consideradas, pelos adultos, perigosas para outras crianças se em algum momento falarem sobre isso. Seus colegas não devem saber sobre isso, então eles deveriam simplesmente nunca falar sobre isso, nunca. Isso cria muita vergonha, e viver com esse tipo de vergonha torna ainda mais difícil a vida e a denuncia de abuso por parte das crianças vitimadas. Elas recebem a mensagem esmagadora de todos que as crianças não estão autorizadas a falar sobre estas coisas. Isso faz com que seja difícil dizer aos adultos o que está acontecendo, especialmente se eles não sabem muito bem as palavras certas. Se elas tentarem dizer indiretamente, elas podem até serem silenciadas e ouvirem que ainda é muito jovem para estar pensando neste tipo de coisa.

Crianças negras são muitas vezes obrigadas a aturar racismo ao invés de termos as crianças brancas descobrindo sobre racismo. Porque eles têm idade suficiente para ter que lidar com o racismo, mas seus pares brancos não são considerados com idade suficiente para ouvir falar sobre isso.

Há também os pais que não querem que seus filhos brinquem com as crianças deficientes, porque eles acham que seus filhos são jovens demais para saber sobre deficiências ou doenças graves...

Prevenir crianças de pensar em coisas ruins causa dor a todos os tipos de crianças, todos os tipos de crianças particularmente vulneráveis.

O Bullying torna se apenas uma "brincadeira" quando as crianças não são minimante conscientizadas das diferenças e apoiadas a conviver e respeitá-las.

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Adivinhem quem vai voltar?

18:26 20 Comentários


Eu fui dar uma olhara no preview da ed. 64 que eles colocaram no site da Turma da Mônica Jovem. Logo de cara, uma coisa super-mega-original: Mônica e Cebola brigando. Bem... nem me dei o trabalho de olhar o resto do preview porque fiquei com o estômago embrulhando.

Estou começando ao tomar nojo desses dois, sério! Será que eles não tem mais nada para colocar nas histórias?

Como não estava com nenhuma vontade de olhar o preview, fui direto na parte onde falava da próxima edição na esperança de talvez ser uma história decente. Pelo menos nisso eu não me decepcionei. Adivinhem quem vai voltar? A Cabeleira Negra! Sim, crianças, fiquei de queixo caído.

Sabe, eu achava que ela fosse a vilã da ed. a cores. Acho que muita gente deve ter achado isso também. Mas e agora? Quer dizer, ainda pode ser ela na ed. a cores, nada está definido. Só que seria meio estranho ela aparecer nas duas histórias, então é bem provável que a vilã que tentará tirar as memórias da Mônica seja outra pessoa.


Ai ai... agora assim fiquei curiosa! Parece que a ed. a cores será uma bela história. Já a ed. 64 nem espero mais nada. O que vier é lucro. Meu consolo é saber que pelo menos a ed. 65 vai ter uma boa história, mais no estilo antigo da TMJ. E pela imagem, ela está com cara de que veio pra causar mesmo! Mas uma coisa me deixou meio bolada... por que ainda a chamam de Cabeleira Negra ela tem mechas brancas no cabelo?

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Escolham uma carta!

20:08 5 Comentários
Arre! Finalmente terminei o desenho da Denise. Tenho andado ocupada com algumas coisas e fiquei uns dias sem poder mexer no desenho. Está aí o resultado. Tem png e quebra-cabeça. Divirtam-se!


Aproveitando o tópico, vocês já devem ter visto a quarta capa da Ed. a cores, mostrando a vilã. Bem que eu imaginava que seria uma mulher e aposto na Cabeleira Negra. Ela participou no filme “uma aventura no tempo”, que também faz parte do passado da Mônica. se essa história vai mesmo ser tipo ficção cientifica e se passar em outro mundo, então é bem provável que seja ela mesma.

Aliás, parece que essa história fará várias referencias a filmes da turma. Quem assistiu vai acabar reconhecendo.

O que me chamou a atenção nessa capa foi que olhando de relance eu pensei que alguém tinha pego a 4 capa da Ed. 63 e feito alguma montagem, coisa assim. Na mesma hora eu lembrei da Magali com seu capuz de feiticeira. Olhando melhor é que eu vi se tratar de outro desenho.

Ainda assim ficou bonito e o capuz faz bastante sentido, já que esconde o cabelo da vilã.

domingo, 24 de novembro de 2013

Resolução do monitor

15:48 10 Comentários
Não sei se notaram, eu coloquei no blog uma pesquisa para saber a resolução de tela dos leitores. Tem muitos valores ali. Se alguém não conseguir responder a enquete ou usar uma resolução diferente, pode comentar aqui.

Só queria mesmo saber quais as resoluções mais usadas. Quem não sabe de cabeça, pode fazer o seguinte. Minimizem todas as telas e dêem um clique na área de trabalho com o botão direito do mouse. Depois cliquem em propriedades.

A tela que aparecer tem várias abas. Selecionem a que está escrito "Configurações" e verão escrito ali a resolução do monitor. Depois cliquem no botão cancelar para que nada seja alterado.

Se não conseguiram votar no pop-up, podem votar aqui: http://polldaddy.com/poll/7578247/

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

TMJ#64: Eu sou você - Palpites

21:10 17 Comentários
Quando vi a sinopse da ed. 64, confesso que tive sentimentos conflitantes. Por um lado, achei bacana a idéia de fazer com que Mônica e Cebola trocassem de corpos. Vai ser uma história muito interessante e estou curiosa para ver como os dois vão lidar com essa troca. Mas por outro lado...

Troca de corpos é um tema bastante recorrente nos filmes. Eu mesma já assisti vários. “Se eu fosse você”, com Glória Pires e Tony Ramos foi o último deles. E ao que parece, a Ed. 64 deve ter sido inspirada nesse filme.

Já me falaram que poderia ter saído da série com o mesmo nome, mas é pouco provável porque na série o casal toma umas e outras e dorme junto. Sem chance disso acontecer na TMJ. Então sobra o filme e vou falar uma coisa: quando o casal brigou, tirando poucos detalhes eu vi a Mônica e o Cebola.

Esses filmes de troca de corpos costumam ser basicamente iguais: duas pessoas se desentendem, brigam e uma sempre diz que a vida da outra é fácil. Não generalizando, claro, mas é basicamente um clichê.

Logo, as chances de ter briga da Mônica com o Cebola são grandes. E nessa briga, será o mesmo mimimi de sempre:

- Você não me entende.
- Você não me dá valor!
- Sua vida é mais fácil que a minha!
- Você só pensa em si mesmo(a)!
- Eu queria ver você no meu lugar!
- Não, eu é que queria ver você no meu lugar.

Então, alguma coisa acontece. No caso do “se eu fosse você”, não foi explicado com clareza. Mas naquele filme “sexta feira muito louca” com Lindsay Lohan, foi um biscoito da sorte. Em outros foram poções indígenas ingeridas por engano, caveiras mágicas, discussões ao pé de uma estátua maia... coisas assim. Então no caso da Mônica com o Cebola também haverá algum tipo de intervenção sobrenatural. Ou talvez uma máquina do Franja, vai saber.

Por que eles vão brigar? Certamente ciúmes da Mônica com a Irene ou com outra garota. Ultimamente, nove entre dez brigas entre eles tem sido por ciúme. Também pode ser que ela brigue com o Cebola por achar que ele não está lhe dando atenção e ele, talvez ocupado com outras coisas, diga que sua vida é mais difícil que a dela. Aí começa a discussão.

Uma coisa interessante no “se eu fosse você”, horas antes da troca o casal começou a falar ao mesmo tempo. Era como se tivessem virado um só. De repente, pode acontecer com a Mônica e o Cebola também.

O que virá depois? Até descobrirem como destrocar, um terá que viver a vida do outro e suas dificuldades. Falar mais o quê? Que os dois vão se meter em confusões e situações embaraçosas porque um não está acostumado com a vida do outro? Podem esperar que deve ser isso mesmo.

A curiosidade é saber quais serão essas situações embaraçosas. Por exemplo, o Cebola pode ter que sair com as amigas da Mônica, talvez ir para a casa dela e viver com seus pais e quem sabe ser xavecado pelo Toni ou DC. Ia ser muito sinistro o DC chegar perto dele e falar algo tipo "Gata, esquece aquele careca ceboludo e namora comigo!". Rapaz, essa eu ia querer ver com certeza!

Como ele vai se arranjar ao usar as roupas dela e tentar fazer maquiagem? Outra coisa que eu ia A-DO-RAR ver é a Mônica ser zoada, ou ter alguém (como sempre) jogando na sua cara as coisas que ela fazia na infância, ser chamada de gorda, dentuça, esquentada, etc. Por quê? Porque dessa vez será o Cebola no corpo dela agüentando tudo isso. Será que ele vai gostar?

Olhando na capa, vejo que o Cebola segura o diário dela. Será que ele vai ler? Por mais que eu reprove esse tipo de invasão, talvez até seja bom que ele leia e acabe descobrindo algo que não goste nem um pouco. Mesmo que fique chateado, não terá o direito de falar nada para não ter que admitir que andou xeretando onde não devia.

Ah, sim... e parece que ele não vai resistir ao ter o Sansão tão vulnerável, né? Pode parecer chatice minha, mas minha mãe me ensinou a não mexer em coisas que não me pertencem. Pelo visto, ele não teve a mesma educação.

Da parte da Mônica, ela poderá ter dificuldades porque o Cebola se sai melhor na escola do que ela. Na hora de fazer alguma prova, ela vai passar aperto. Também não saberá mexer no computador como ele, nem jogar vídeo-game com os amigos e se tiver que jogar futebol, também será problemático. Já pensou se ela dá um chute na bola e faz um buraco no teto do da quadra?

Pelo menos parece que ela vai se dar bem com a Maria Cebolinha e ser legal com ela. Aliás, é a primeira vez que a menina aparece na capa. Ponto a favor dessa edição.

Sabe, uma coisa que poderia acontecer é a Mônica, no corpo do Cebola, sair com a Irene. Seria tipo um teste para ver se tem ou não alguma coisa entre ela e o Cebola. Assim poderia tirar de vez as neuras da cabeça e parar com toda essa implicância. De repente, a Irene pode até fazer um monte de elogios, dizer que admira, gostaria de ser amiga dela e tal. Então a Mônica ouviria tudo e saberia que é sincero. Claro que é só um chute, né gente? Mas até que seria interessante se acontecesse.

Também pode acontecer de ambos terem um evento ou compromisso importante. Aí um vai ter que ficar no lugar do outro e se virar do jeito que puder. Já vi isso acontecer em pelo menos três filmes de troca de corpos.

E os amigos? Vão saber de alguma coisa ou eles tentarão manter segredo sabendo que ninguém vai acreditar?

Uma das bases desse tipo de filme é fazer com que um se coloque no lugar do outro para que sintam mais empatia e haja mais compreensão. No início, as duas pessoas não se entendem e costumam achar que os próprios problemas são maiores e mais importante que os do outro. Então trocam de corpos para entender que cada um também tem seus problemas e dificuldades.

Sendo assim, a troca se desfaz quando um consegue compreender o outro e enxergar suas dificuldades. Fim. Ou não? Porque em muitos casos, acontece de outras duas pessoas discutirem no mesmo filme e deixar um espaço para que tudo comece outra vez. Será que vai acontecer na história? Com quem? Magali e Quim? Cascão e Cascuda? Marina e Franja? Só lendo para saber.

Podem falar que tenho mente poluída, porque tenho mesmo. Mas fico pensando... como seria se eles mudassem de roupa estando de corpos trocados? Ou na hora de tomar banho? Será que o Cebola vai apalpar o corpo da Mônica? E será que vai levar uns petelecos por isso? Será que a Mônica vai ter coragem de bater em si mesma?

Outra curiosidade: e a força da Mônica? Vai ficar no corpo original dela ou será transferida também? Caso fique no corpo original, como o Cebola vai se arranjar tendo a força dela ainda que por pouco tempo? Será que vai abusar? Falando em tempo, é bem provável que essa troca só dure um único dia. Se durasse vários dias, poderia haver o inconveniente de um tomar banho estando no corpo do outro. Nem pensar, né? Tem crianças lendo essa revista!

Eu fiz algumas coisinhas para hoje também. Primeiro, separei as imagens da capa e completei a da Mônica. Não ficou perfeito, mas quebra o galho. Também tem os png's das imagens que fiz para o blog, mais o plano de fundo. Bastante coisa hoje, viu?


terça-feira, 19 de novembro de 2013

TMJ em cores: Lembranças

19:14 16 Comentários


Pois é, gente! O mistério foi resolvido! A tal edição em cores realmente existe e se chama "Lembranças". Demais, né? Quem acompanha meu blog e os posts no facebook, viu a nova capa antes mesmo de ela ser anunciada! Graças a Mariana, que me deu o toque, nós somos os pioneiros!

Infelizmente minha internet está uma caca hoje. Tudo lento, devagar quase parando e as páginas não carregam. Porcaria, viu? Assim fica difícil fazer as atualizações.

Agora vocês podem ver a capa ampliada e com mais detalhes. Realmente não era montagem. A gente só se confundiu porque não tinha o título. Quem será que soltou essa capa antes? Ainda não entendi como essa capa foi parar em outro site, mas beleza. Pelo menos sabemos que é verdadeira e que será uma boa história.

Bom, vamos aos palpites. Parece que essa história vai fazer referencias a acontecimentos da turma dos gibis. Uma delas, como falei no post anterior, deve ser daquele filme “As Aventuras da Turma da Mônica”. No site da Wikipédia tem mais informações a respeito desse filme, que é composto de quatro histórias: As aventuras da Turma da Mônica

Eu assisti quando era criança e realmente as lembranças são muito boas. Quanto ao que vai acontecer nessa história, não sei. Parece que é centrada na Mônica e querem roubar as memórias dela. Falta saber quem seria o vilão. Acho até que vou assistir esse filme para ver se tem mais alguma pista. Tem para ver no Youtube, se não me engano.

Estava reparando a outra figura e vejo que é uma mulher. Pode ser umaa vilã ou uma aliada. Se for vilã, aposto na Cabeleira Negra.

Por que será que a Mônica está de vestido? Será que vão roubar as memórias dela e transformá-la em uma garota tipo... delicadinha e cheia de frufru? Ou será que ela vai pensar que é um rato? Hahaha! Fico pensando se vão mesmo conseguir deixá-la sem memória ou se será só uma tentativa. Até que seria legal se conseguissem roubar as memórias dela. Como seria se ela não conseguisse reconhecer os amigos e o Cebola?

Por que esse vilão ou vilã iria querer roubar as memórias da Mônica? Talvez para que ela não atrapalhe mais seus planos e não lidere a turma? Não nego que é um bom plano.

Outra coisa que estou adorando é que pelo menos essa história é no estilo da TMJ que a gente conhece: aventuras épicas, vilões e coisas do gênero. Pode ser que essa seja no estilo "Brilho de um pulsar". Ah, como sinto saudade dessas histórias de antigamente! 

Para qual planeta eles irão dessa vez? O cenário na capa mostra que estão em outro planeta. Será que vai ter a participação do Astronauta? Ai... tantas perguntas! O melhor é que serão duas edições da TMJ em um único mês. E ainda teremos o especial de natal no mês que vem. Vai ser um fim de ano bem movimentado!
 



TMJ em cores - Edição desconhecida

16:22 9 Comentários

Estava olhando os comentários do blog e a leitora Mariana me mostrou o link com essa imagem:


A imagem foi encontrada nesse endereço: Turma da Mônica Jovem em cores

Então eu fui pesquisar e vi que essa imagem é de um site chamado Liga HQ, que vende revistas de historias em quadrinhos. Também nunca tinha ouvido falar desse site antes. Bem... o site oferece essa revista como sendo a TMJ especial em cores volume 1.  

Por um lado, essa capa não tem cara de montagem. Confesso que não sou muito boa para avaliar isso. Mas é bem incomum. Tem duas imagens da Mônica. Uma é ela vestida de rato que com o rosto parecido com aquele que apareceu na Ed. 60, só que com cara assustada ao invés de zangada. A outra não se parece com nenhuma que já tenha visto.

Quando vi a Mônica vestida de rato, logo lembrei daquele filme “As Aventuras da Turma da Mônica”, que assisti quando era criança. Na verdade, esse filme tem quatro histórias diferentes e uma delas se chama “Um Amor de Ratinho”. A fantasia que a Mônica usa na capa da suposta edição em cores me lembrou esse filme, mas não sei sei teria alguma coisa a ver.
 
A sinopse da história é o seguinte:

"Toda a galera do Limoeiro foi capturada por vilões espaciais. Para piorar a situação, eles querem apagar todas as memórias da Mônica! Quem será que está por trás desse plano cruel?"

Não vou negar que essa história parece ser muito boa, bem a cara da TMJ mesmo.

Por outro lado... eu olhei no site oficial e não encontrei nada parecido. Pesquisei pela imagem no Google e também não achei nada. Não tem em lugar nenhum, o que é bem estranho. Aliás, olhando essa imagem a gente não vê o título da história, coisa que não acontece nas capas das outras edições.

A não ser que essa seja uma edição a cores futura, mas é bem estranho essa imagem aparecer somente nesse site e em lugar nenhum. Duvido que a MSP ia deixar algo assim vazar. Talvez seja só uma montagem.

Aí eu não sei. Vou ver se entro em contato com alguém para saber se essa história realmente existe ou não.

Atualização:

A Petra Leão já disse que não conhece essa capa. Há quem diga que deve ser algum estudo de capa do Zazo que vazou, mas não há certeza nenhuma. Sei que existem muitas montagens de capas pela net afora, mas a gente pode ver que não são de verdade porque usam imagens que já conhecemos. Já essa é diferente porque são imagens novas e não parecem montagem.

Eu tentei olhar bem para ver se não andaram colocando a cabeça da Mônica no corpo de algum outro personagem, mas não parece ser esse o caso. De qualquer forma, não tentem comprar nesse site porque se ninguém na MSP conhece essa edição, é porque deve ser falsa.

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

CBM #3: Consciência & amizade! - Críticas

20:52 9 Comentários
Ontem eu li o Chico Moço e vejo que essa história foi um pouco mais movimentada que a anterior. Mostrou sem dificuldades dele no emprego tendo que agüentar um velho rabugento e o preconceito dos outros por ele preferir trabalhar em um parque.

Foi uma história legal, mostrando o pessimismo do Pereira com a juventude de hoje. E para ser sincera, de vez em quando eu também fico pessimista quando vejo o comportamento de certos jovens por aí.

Não sou moralista, longe disso. Estou falando da falta de educação e civilidade mesmo. E, não raro, demonstrações de machismo que nem minha bisavó concordaria.

A história mostra a tentativa do Chico de dar mais visibilidade ao parque e talvez acabar com a solidão do seu chefe, mas as coisas acabaram não dando muito certo por causa da falta de educação de muita gente que parece não saber conviver em sociedade.

Pode parecer caretice minha, mas desde criança minha mãe me ensinou a não jogar lixo no chão, respeitar as coisas dos outros, etc. por isso nunca me acostumei com o hábito que as pessoas têm de saírem emporcalhando por onde passam. Imagino como deve ser a casa delas. Aliás, uma pessoa que não sabe se comportar em sociedade e depreda tudo ao seu redor deve ser um lixo por dentro. Afinal, a gente só dá aquilo que tem.

Mas pelo menos os colegas do Chico souberam mostrar que nem todos os jovens são iguais, dando um pouco de esperança ao Pereira.

Foi bem tenso quando ele brigou com o Chico por ter tido aquela idéia do show e fiquei com pena dele por ter sido mandado embora sendo que ele tinha boas intenções. Por outro lado, achei o primo dele muito antipático, meio que centrado somente no próprio umbigo. Nos gibis ele até que era engraçadinho. Agora ficou um pé no saco.

Surpresa mesmo foi o Chico cantar tão bem e fazer sucesso. Se não me engano, nos gibis ele cantava mal. Tem até a capa de uma revistinha onde ele canta para a Rosinha enquanto ela ouve música com fone de ouvido para não escutar o canto desafinado dele. Bom que ele deu uma melhorada a ponto de um empresário querer investir nele como cantor. Será que agora ele vai ser cantor sertanejo nas horas vagas? Talvez meio... clichê, mas tudo bem. Vamos ver como a Rosinha vai lidar com a legião de fãs que vai ficar atrás dele.

Acho que não tenho muito a dizer sobre a história, apesar de ter gostado bastante. Ela mostra consciência ecológica, a necessidade de preservar o meio ambiente ao invés de sair emporcalhando tudo e também sobre civilidade, coisa que o mundo anda precisando bastante.

Agora falta mostrarem o dia a dia dele na faculdade também, a relação com os colegas, professores e sua carreira como cantor sertanejo. Como ele vai conciliar tudo isso?

Enquanto a gente espera, hoje eu tenho um png novinho para vocês, mais um quebra-cabeças. É aquela imagem da Magali vestida de feiticeira. Espero que gostem.

domingo, 17 de novembro de 2013

Recomendo: Travessura de Halloween

08:54 16 Comentários
Travessura de Halloween 

História: Travessura de Halloween
Autora: Hiklaus
Classificação: +13
Gêneros: Ação, Horror, Mistério, Suspense, Terror


Sinopse: Começava mais um dia no bairro do Limoeiro que tinha tudo para ser um dia tranquilo. Bem, isso é o que Mônica pensava...

É Halloween, e neste dia, coisas estranhas acontecem. "Ela se levantou da cama e percebeu que o clima estava escuro para ser hora de acordar. Andou até a janela de seu quarto. Abriu as cortinas. O céu estava tampado, escuro, um pouco triste."
Vamos lá, Mônica. A escola nem é tão longe da sua casa. Dizia consigo mesma tentando não se mostrar com medo.

Mônica vai perceber que o caminho para a escola nem é sempre tão tranquilo como todos os dias.

Esta é a minha primeira fanfic oficialmente postada completa no site. É uma One-shot em homenagem ao Halloween. Espero que gostem!


Eu sei que o dia das bruxas já passou, mas só ontem fiquei sabendo dessa história e acho que vale a pena recomendar aqui.

O clima começa bem tenso, coisa de filme de terror mesmo. Tem uma atmosfera assim meio sobrenatural e a gente fica pensando que a personagem está dentro de um sonho, ilusão ou foi transportada para algum tipo de realidade maluca.

A medida que a gente vai lendo, o suspense aumenta e dá até uma coisinha no estômago imaginando o que vai acontecer logo em seguida e por que tudo ao redor dela está tão estranho. Então chega finalmente a conclusão, que vai pegar todo mundo de surpresa.

Como termina? Claro que não vou falar, né? Só lendo para saber. A história é de um capítulo só, recomendada para +13 e não tem nenhum aviso. Então vai ser bem tranqüila de ler.

Sem mais delongas, aqui está a história: Travessura de Halloween

sábado, 16 de novembro de 2013

Duas super-divas

17:22 5 Comentários
E aí, gente? Não pensem vocês que eu estou sem fazer nada. Estou fazendo, ou melhor, refazendo dois desenhos da Ed. 63. Tem tanta coisa boa ali para redesenhar! Um deles é o da Magali como feiticeira. O outro é o da Denise fantasiada de Harley Quinn. As duas ficaram ou não ficaram muito divas?

Sabe, a idéia de colocar a Magali tendo poderes mágicos foi muito boa mesmo. Essa coisa mística parece cominar mais com a personalidade dela. Tanto que na minha fanfic “amor de gato”, eu até dei poderes especiais para ela. Quem leu a história deve se lembrar dos olhos de gato.

Espero que explorem mais esse lado dela no futuro. Quer dizer, o Emerson falou sobre ética entre roteiristas e tal, mas não vejo nenhum problema em outro roteirista fazer histórias onde ela apareça com poderes, desde que não prejudique a saga dele, claro.

Outra coincidência interessante é que numa das minhas fanfics, a Denise se fantasia de Harley Quinn também. É a “Universo em desequilíbrio”.

No desenho da Magali, eu bem que tentei colocar de cabelos compridos, mas não ficou nada parecido com ela. Acho que a gente se acostumou demais com ele preso tendo aqueles fios enrolados, tipo quando ela era criança. É mais a cara dela.

Os desenhos devem ficar prontos por esses dias, aí eu disponibilizo os png’s também.

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

TMJ#63: O dia das Bruxas - Críticas

18:18 34 Comentários
Ah, sim... finalmente pude ler a tão esperada continuação de sombras do passado. Confesso que precisei de um tempinho para poder fazer a crítica porque... digamos... fiquei sem saber o que falar.

Quer dizer, eu adorei a história, sério! Foi a melhor do ano. Mas para ser sincera, confesso que esperava um pouquinho mais. Enfim, acho que sou meio reclamona mesmo.

Pois é. O clima já começou com um pouco de suspense ao aparecer a Madame Creuzodete para contar a história. E ela começou cheia de mistério, dando margem a mais revelações futuras ao dizer que esse não era o verdadeiro nome dela.

O Emerson disse que na verdade ela é negra, mas o desenhista a colocou parecendo ser branca. Vamos ver como irão resolver isso mais tarde. Pra mim não faz diferença, mas acho que os outros leitores vão estranhar um pouco se o desenho dela mudar demais.

A primeira história foi bem assustadora e uma coisa que eu achei legal foi que capricharam nas cenas de terror. O Cascão vestido de zumbi com um machado na cabeça e correntes pelo corpo arrasou, ficou bem melhor que a fantasia da Ed. 39.

E quem não levou um susto quando a Penha apareceu montada nas costas da Mônica com o cabelo estilo Samara? Viram como ficou agarradinha nela? Ah, é muito amor não acham?

Sem falar que Magali começa a desenvolver sua sensibilidade e percebe coisas estranhas ao seu redor. Parece que ela tem lá seu lado místico. Deve ser muito assustador ver coisas que ninguém mais vê porque a gente tenta falar e ninguém acredita.

Denise, como sempre, trolando geral e eu gostei da fantasia dela também. Já o desenho da Sofia ficou meio desleixado no início da história. Depois é que a desenharam direito.

E o terror não para aí. A janela se quebra, a luz apaga, todo mundo fica apavorado e é aí que a Penha começa a tocar o terror. Quando cada um se separa e os cucos vão para cima do Cascão, eu nem imaginava que eles podiam ser a Mônica e o Cebola transformados. História boa é assim: pega a gente de surpresa.

Especialmente quando a Penha ganha habilidade de possuir corpos e vai controlando um a um. Somente Magali podia vê-la em sua forma verdadeira. A cena em que ela usa o corpo da Sofia para jogar o Cascão pela janela foi um pouco forte e violenta, mas eu gostei mesmo assim. Bem dramática, cheia de ação e movimento.

Sem falar que o lance ficou mais doido ainda quando Magali viu que Penha tinha dominado o corpo do cascão. Num instante ele estava desmaiado. Em outro olha para ela com um olhar e sorriso perverso. Aí o fantasma aparece. Dá para imaginar o susto?

Depois outra surpresa: vemos Magali de cabelos soltos, coisa muito rara de se ver. E os cabelos dela ficaram iguais aos da Penha, até o olhar mudou já que estava possuída. Engraçado que brinquei com isso quando comentei sobre a quarta capa onde Magali aparecia, mas nem imaginei que podia ser verdade.

A segunda história, e a minha preferida, foi a da casa maluca. Essa foi genial. Os eventos aconteciam e se repetiam sob outro ponto de vista, se entrelaçando um com o outro. Quando na capa apareceu outra Mônica dentro da casa, a gente nem imaginava que podia ser uma loucura dessas.

Deve ser enlouquecedor ver os eventos indo e vindo, com o passado e futuro se misturando com o presente e acontecendo simultaneamente. Afinal, essa casa ficava fora do tempo. Einstein dizia que o tempo é na verdade uma ilusão. Em muitos momentos pode depender de como o percebemos. Quando nos divertimos, passa depressa. Quando estamos morrendo de tédio, passa devagar.

Essa passagem foi bem engraçada, com o Cebola passando o maior aperto ao ver que a Mônica estava em apuros, a confusão com os eventos estranhos da casa e finalmente os dois se transformando em cucos e depois saindo em debandada se encontrando novamente com eles entrando dentro da casa sem saber que os cucos eram eles transformados. Confuso, né?

Agora, apesar de ter gostado muito dessa parte, confesso que eu achei meio... deslocado. Quer dizer, como essa história se encaixa com o resto? Teria sido somente para transformar Mônica e Cebola em cucos para depois reverter o feitiço quando eles trombaram com a Magali?   

Mais uma coisa... quantas casas mal-assombradas tem no bairro do Limoeiro? Primeiro tinha a da Bianca, agora essa... bairro mais estranho esse.

Por fim temos a conclusão, quando a brincadeira fica mais interessante e a Penha se revela ao descobrir que ficou forte e poderosa supostamente graças ao medalhão. Imaginem como deve ficar uma pessoa como a Penha diante de tanto poder. Só que sua alegria dura pouco quando ela é expulsa do corpo da Magali em outra cena muito bacana.

As cenas da Penha se decompondo foi bem filme de terror mesmo. É a primeira vez que vemos isso na TMJ, pelo que eu me lembro. Carne morta se soltando, ossos, etc. E de quebra, zumbis atacando a todos. A cena da Penha com cara de caveira naquela parte em que eles lutam contra os zumbis respondeu a pergunta sobre quem era o caveirão que aparecia na capa. Realmente não era a D. Morte.

Nessa história, o destaque maior foi dado a Magali que parece ter poderes mágicos, já que sua tia mexia com bruxaria e tal. Já a Mônica apanhou um bocado. Primeiro da Penha, depois da Sofia. Dessa vez ela não foi a heroína, o que ajudou a variar um pouco.

Muita gente fala que o destaque é todo dado a ela, agora não podem reclamar porque deram poderes mágicos a Magali. E poderes de verdade, com direito a sortilégios, efeitos luminosos e tudo! Depois de tanto suspense, luta e magia, eu rachei de rir da Denise dizendo que ficou com mais medo da Magali que da Penha. Hahaha, sempre a Denise!

Por fim vemos a explicação de toda aquela loucura quando descobrimos que a Penha estava em coma no hospital. até aí tranqüilo porque o próprio Emerson falou sobre isso.

O que me causou um pouco de confusão foi saber que um ano se passou desde o dia da queda. Como assim um ano? Quer dizer que agora eles têm 16? É a primeira vez que vejo o tempo passar dessa forma. Geralmente as histórias eram meio que atemporais.  

Isso pode ser meio que complicado. Quer dizer, se o tempo passar dessa forma, daqui a pouco estarão todos com dezessete anos e prontos para entrar na faculdade.

Bom, depois dessa história vamos ter outras nove até completar a saga. Ano que vem teremos mais quatro edições. Legal, né? Como vai ficar a Penha depois que sair do coma? Vai continuar com essa fixação de vingança ou finalmente deixar a Mônica em paz? Será que a Magali vai enfrentar a Agnes? E qual é o mistério por detrás da madame Creuzodete? Só esperando para saber.


domingo, 10 de novembro de 2013

LT#54: P9 x Loki – A batalha das bandas! - Críticas

20:39 11 Comentários


Outro dia li a LT 54 e hoje estou com vontade de comentar, apesar de não ter assim muita coisa para dizer. A história desse mês foi tranqüila e tirando o lance da Rosa com o Vicente, não vi nada de mais.

Parece que dessa vez eles fizeram a história com a banda P9. Vou confessar uma coisa: antes dessa história, não fazia a menor idéia da existência dessa banda. Pode parecer alienação, mas eu não ligo muito para esse tipo de coisa.

Voltando a história, parece que a banda Loki já ganhou fama de zicada, tanto que o cara que contratou o show deles acabou chamando outra banda para garantir. Então acabou virando tipo uma batalha entre bandas.

Enquanto isso, o pobre Careca tenta se dar bem com alguma garota e no fim até consegue. Quem sabe agora ele desencalha?

Foi engraçado ver a rivalidade que Bola e os outros criaram contra a P9, enquanto eles não estavam nem se importando. Eram bem profissionais. Tanto que nem se importaram com a espionagem do Alvinho, que foi uma passagem bem engraçada.

O que gostei foi de saber a história da Rosa. Quer dizer, já desconfiava que ela era filha adotiva. Não tinha novidade quanto a isso. Só não sabia dos detalhes. Parece que agora o mistério será saber quem é o pai dela. Pode ser que no futuro eles retomem o assunto. É algo bem interessante. Pelo menos ela fez as pazes com o Vicente ao ver que não estava sendo justa ao maltratá-lo tanto.

Dizer a uma criança que é adotada é algo muito difícil e doloroso, por isso os pais hesitam muito em dizer a verdade. Não é descaso ou falta de respeito com os sentimentos da criança. É uma forma de tentar preservá-la, embora talvez não seja a mais correta. É bem complicado.

Outra coisa que gostei foi a mini-campanha sobre o câncer de mama. Talvez ainda seja meio cedo para a maioria das leitoras, mas é sempre bom ficar alerta para não sofrer depois. A prevenção é o melhor remédio.

Confesso que a LT é um pouco mais realista que a TMJ. Primeiro, os alunos do colégio de Liberta usam uniformes enquanto que no Limoeiro vai todo mundo com roupa de passeio. Posso até estar mal informada, mas nunca ouvi falar de nenhuma escola aqui no Brasil onde os alunos possam vestir roupas comuns o ano inteiro. Nas escolas onde estudei, eles até permitiam nos primeiros e últimos dias de aula, e só.

O caso da Rosa e da Glorinha, por exemplo, mostra a realidade de muitas famílias: que nem todas são como nos comerciais de margarina. Eu não sei sobre a mãe da Glorinha, mas suponho que seja divorciada e casou de novo. O Vicente se tornou pai solteiro quando adotou Rosa. A mãe dela, aliás, deve ter sido mãe solteira também, já que ela nunca quis falar sobre o pai da sua filha.

Já na TMJ, todas as famílias parecem perfeitas, funcionais, sem nenhum problema. Somente os pais do Xaveco são divorciados, mas nunca falaram neles na TMJ. Acho que em parte é por causa da hipocrisia de pessoas que vivem em um mundo de fantasia, achando que todas as famílias são iguais as dos comerciais de margarina e não conseguem aceitar a diversidade.

Outra coisa que gosto na LT e já comentei antes é o fato de ter um personagem assumidamente homossexual, com namorado e tudo. E nem por isso tivemos notícia de uma multidão de pais raivosos em frente a editora da LT exigindo a retirada do personagem.  

Fora isso, acho que não tem muita coisa para falar. A batalha entre as bandas foi bem legal, com cada um dando o seu melhor e a banda Loki se saiu muito bem apesar da insegurança. Claro que era esperado a P9 ganhar a disputa, já que eram profissionais com mais experiência e tudo. Mas pelo menos a vitória foi apertada, mostrando que a Loki tem potencial para se tornar uma grande banda. Vamos ver como eles irão evoluir.

Amanhã ou depois eu posto a crítica da TMJ 63, prometo.

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Labirinto: Capítulos 15 e 16

20:22 4 Comentários
Eu estava esperando que o Nyah voltasse ao normal para publicar os dois últimos capítulos, mas pelo visto vai demorar mais um tempo, então resolvi postar só no AnimeSpirit mesmo. Aqui vão os dois últimos capítulos da história. Confesso que ficou maior do que eu esperava, mas pelo menos não chegou aos 50, 60 capítulos igual acontece normalmente. Espero que tenham gostado da história!

Capítulo 15 - Vitória
Capítulo 16 - Fim

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Labirinto: Capítulos 12, 13 e 14

21:25 9 Comentários
Oi, gente! Foi mal a demora. Esses dias foram bem difíceis para mim porque perdi minha afilhada. Foi doloroso e fiquei meio deprê. Mas vou seguir em frente aos poucos, é o jeito né?

Para compensar a demora, postei três capítulos hoje. Amanhã posto os dois últimos. A história não ficou tão boa quanto gostaria porque acabei perdendo a inspiração com tudo o que aconteceu. Mas espero que gostem desse especial de Halloween. Ano que vem tentarei fazer uma história assustadora de verdade.

Capítulo 12 - Adormecendo
Capítulo 13 - Traição
Capítulo 14 - Despertando

sábado, 2 de novembro de 2013

Sobre minhas fanfics

16:12 28 Comentários
Normalmente eu não dou assim tanto destaque a comentários feitos no meu blog, mas esse me chamou a atenção e acho que merece ser respondido aqui. Vale para a pessoa e para quaisquer outros que tenha reação igual.

O comentário é esse:

Suas fanfic's são muito pesadas, "tortura, linguagem imprópria, terror". Não gosto de nada disso, até porque não perco meu tempo lendo essas porcarias mundanas que não tem infantilidade alguma, você sabe muito bem que tem crianças como eu e até mais novas do que eu lendo isso né? Tenho 12 anos, já sou bem grandinha, mais confesso que fiquei assustada e apavorada quando li sua fanfic ‘Gostosuras ou travessuras’ nº 3, fala como são usados ferramentas de tortura da idade média, de onde você tirou isso? precisava mesmo ter colocado todas aquelas instruções? Poupe-me né? E olha que eu só li uma...
Não sei como tem gente que gosta disso, eu fico aterrorizada, por que TMJ é uma revista especial para crianças, adolescentes e até adultos, tratando de temas do nosso dia a dia, muito divertida, cultural e com muitos ensinamentos. Por isso não suje o nome dessa revista com suas fanfic’s idiotas. Quando encontrei seu blog, gostei logo de cara, mas quando li suas fanfic's meu mundo desabou!!

Minha resposta:

Se não gosta das minhas fanfics, então não leia. Simples assim. Até agora ninguém reclamou de nada, muito pelo contrário. As pessoas já criticaram, disseram do que não gostaram e isso eu respeito e incentivo. Mas nunca me pediram para mudar meu estilo. Logo, se você não gostou é apenas sua opinião.


De onde eu tirei as informações sobre os instrumentos da idade média? Estudando. Já ouviu falar disso? Deveria tentar qualquer dia desses.

Tem mais uma coisa: a classificação da história “gostosuras ou travessuras” é de 16 anos. DESESSEIS anos! Você leu uma história feita para pessoas quatro anos mais velhas! Aliás, a maioria das minhas histórias é pra treze anos ou mais. Uma pessoa de 11 ou 12 ler uma história +13 ainda vá lá, mas ler uma história +16 eu não aconselho de jeito nenhum, para ninguém. Cada um deve respeitar sua faixa etária.

Além do mais, eu sempre coloco avisos exatamente para dar aos leitores a chance de saber o que tem dentro delas e assim decidir se lêem ou não. A fanfic “gostosuras ou travessuras” tem avisos, não omiti nada e nunca falei que seria uma história sobre flores, borboletas e unicórnios encantados.

Se você resolve ler ou assistir algo acima da sua idade, então não tem o direito de reclamar do que aparecer porque não foi feito pra sua faixa etária.

Então, se você não gostou é apenas sua opinião que eu até respeito, mas não pretendo mudar meu estilo por causa dela. Aliás, essa sua opinião foi formada por causa de uma ÚNICA história que você nem deveria ter lido porque era para pessoas com 16 anos ou mais. Certamente você não deve ter lido nenhuma das outras histórias, né? E ainda vem chamá-las de “porcarias mundanas”?

Se quer criticar algo, critique. Fale, questione, diga o que gosta e o que não gosta. Liberdade de expressão é para isso mesmo. Mas conheça primeiro. Não se baseie em uma história (que você não deveria ter lido), para criticar as outras que você nem leu.