segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Cascão jovem - O monstro do mar: críticas

17:19 3 Comentários


Vou ser sincera. Eu esperava que fosse uma história cheia de clichês e que o tal monstro fosse mesmo um fóssil vivo habitando os oceanos. Por isso acabei dando um monte de bola fora nos meus palpites sobre essa edição, acho que nunca errei tanto. Se bem que na parte em que o monstro ia ser caçado eu acertei.

Devo dizer que a história surpreendeu bastante por causa da ausência de clichês. Quem ia imaginar que esse monstro seria algo saído de uma tela construída para olhar o passado? Está aí uma coisa que seria bem interessante: poder ver o passado e saber como a história aconteceu de verdade. Mas acho que se alguém inventasse esse tipo de coisa, acabaria morto antes de poder divulgar essa invenção.

Quer dizer, a história é escrita pelos vencedores e sobreviventes e esse grupo escreve do seu jeito e de acordo com seus interesses. Muitos não iam gostar nem um pouco se a verdade viesse à tona e ela fosse diferente daquilo que eles vêm pregando a vida inteira. Muitos paradigmas seriam quebrados e se tem uma coisa que o ser humano odeia mortalmente é descobrir que aquilo em que ele acreditou a vida inteira está errado e por causa disso ter que mudar seus paradigmas.

Voltando a história, eles também deram destaque a aversão inexplicável que o Cascão tem de água a ponto de impedir que ele consiga apreciar um passeio e se divertir como as outras pessoas. Quer dizer, tudo o que estava sendo mostrado era uma tela com paisagens do fundo do mar. Não havia perigo real e mesmo assim ele não conseguia relaxar e apreciar como o resto da turma.

Na vida real existem mesmo pessoas com fobias que as impedem de viver como gostariam porque o medo paralisa. É impressionante como o Cascão exagera em sua aversão a ponto de achar que uma vasilha d'água dentro do seu quarto seja algo perigoso.

Mas tem uma frase que eu ouvi no filme O diário da princesa: “Coragem não é ausência de medo, e sim, o julgamento de que algo é mais importante do que o medo”. Foi essa a atitude do Cascão ao pular na água apesar de toda sua fobia, porque havia algo mais importante em jogo.


Foi bem interessante ele tendo que aprender a aceitar o Adamastor mesmo sabendo que ele era um animal aquático. Tanto que ele nem queria soltá-lo no mar porque tinha se apegado ao bicho apesar das diferenças.
  

E para falar a verdade, achei a história bem educativa. Foi legal o Franja explicar por que não se pode soltar um animal fora do seu ambiente, porque pode prejudicar as espécies nativas. Isso já foi muito feito no passado e até hoje há lugares com problemas por causa disso. E para quem gosta de bichos pré-históricos, eles falaram um pouco sobre os animais do pré-cambriano.

O final também foi bom, resolveu o problema de todos e espero que o Franja tenha consertado sua máquina para que não aconteça de outros bichos mais perigosos saírem de lá. é... Eu fiquei com dó de o pessoal zoar com ele por causa das suas invenções darem defeito mas infelizmente parece que não tem jeito. As coisas que ele inventa sempre acabam dando xabú.

Fora isso... bem... acho que não tem mais nada. quer dizer, eu achei a história boa sim e gostei de terem dado bastante foco ao Cascão. Afinal, é a edição dele. Só não entendo porque ele tem essa fobia de água. Já vi documentários de pessoas com fobias e na maior parte dos casos, acho que em todos, essa fobia sempre tinha uma origem na infância ou um evento traumático e isso não acontece com o Cascão.

Antes ele convivia com essa aversão a água numa boa e não sentia a menor falta de ir a praia ou piscina com os outros, mas parece que com o tempo isso está se complicando porque ele mesmo já está se sentindo mal por ter medo de água e não poder se divertir como os outros. É nessa hora, quando a coisa já começa a trazer sofrimento, que a pessoa precisaria procurar ajuda.

No resto, eu diria que a história foi boa mas não excepcional, aquela coisa acima da média que deixa a gente de queixo caído. E quanto ao desenho... é que eu não fiquei lá muito inspirada dessa vez. Se no futuro vier a inspiração... talvez eu faça algo.

sábado, 22 de dezembro de 2012

Deus ex machina

21:02 4 Comentários


Quando estava lendo a Ed. 52 eu realmente fiquei surpresa quando o Ângelo apareceu. Foi tipo um... Booom! E olha ele lá com aquela roupa toda incrementada. Então eu decidi refazer o desenho e colorir do meu jeito. Na hora de refazer as asas eu pensei bem e me deu a idéia de fazer com quatro ao invés de duas. Sempre achei legal ver anjos e afins com quatro asas, fica tão incomum!



Como sempre, eu editei e coloquei algumas coisas diferentes, como os detalhes da armadura e o design da espada. Também coloquei os olhos dele porque achei que ficaria melhor do que colocar tudo brilhando.
 
E eu achei que com essa roupa tão legal, quatro asas combinariam melhor, mas para quem quiser, também tem uma versão com duas asas. As imagens estão na página de png’s.



quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Cena romantica do farol

20:28 5 Comentários


Finalmente, cá está um dos desenhos da Ed. 53. Eu estava pensando em fazer uma cena romântica da Mônica com o Cebola. Aí eu olhei a cena onde eles se beijavam perto do farol e pensei com meus botões que dificilmente ia conseguir fazer algo mais fofo e romântico do que aquilo, então tive a idéia de refazer o desenho. Na revista, eles puseram só a silhueta dos dois, então eu completei com o que faltava usando como referencia para o beijo o desenho da capa da Ed. 34.

Aí eu fiz o céu, o mar, a lua, a luz do farol, etc. e tá aí o resultado. A imagem com fundo transparente está na página de png’s. Como vocês podem ver, os pés da Mônica e do Cebola estão escondidos sob a grama, então eu tentei completar também. 


TMJ#53 - Tem gato no meu café: palpites.

20:14 10 Comentários

É isso aí, saiu a capa da Ed. 53 e agora está na hora dos meus chutes. Bom... Diferente da ed. 52, confesso que também não tenho muitos palpites para essa história. E nem expectativas também, o que vai ser um problema. Acho que antes de ler essa edição, vou precisar de um ataque de amnésia e esquecer tudo o que li na Ed. 51 e 52. Do contrário, vou ficar comparando as histórias e isso não será bom.

Parece que Magali vai abrir um negocio que mistura gatos e café. É bem a cara dela, não nego. Vai misturar as duas coisas que ela mais gosta: gatos e comida. E parece que ela vai contar com a ajuda das amigas e até do DC. Mas confesso que a minha mente chata e excessivamente lógica ficou cheia de perguntas.

A primeira delas é: onde ela vai conseguir o capital para iniciar o negócio? A cafeteria não vai surgir misteriosamente do nada, né? De algum lugar ela vai ter que tirar o material necessário para começar o negócio. Sem falar da documentação, burocracia e todo o trabalho que é para abrir uma empresa aqui no Brasil.

Equilibrar receitas e despesas não é mole não! Ela vai ter que pagar conta de água, luz, telefone, gás, impostos, comida, bebida, funcionários (com direitos trabalhistas e tudo), mais impostos, fornecedores, material de limpeza, uniforme, alimentação dos gatos, mais impostos ainda... E ainda pode ter o aluguel do estabelecimento. Além do mais, eu nem sei se aqui no Brasil a vigilância sanitária permitiria esse tipo de negócio. Gatos fazem caquinha, soltam pelos, etc. Por mais que eles sejam limpos e bem cuidados, a Magali teria que ter um cuidado redobrado para que os clientes não encontrem pelo de gato na comida. Afinal, a expressão “tem gato no meu café” não precisa ser levada ao pé da letra, né?

Ainda bem que é uma história em quadrinhos e por isso não precisa seguir qualquer lógica! Quem dera o mundo real fosse a mesma coisa...

Mesmo assim aposto que vai ter muita confusão e a gente poderá dar umas boas risadas enquanto ela tenta equilibrar as duas coisas. Ainda bem que as amigas vão ajudar e eu fiquei bem curiosa para saber como o DC vai contribuir com o negócio dela com aquele ornitorrinco na mão.

Aliás, vocês sabiam que no Japão já existem cafés que tem gatos? Eles chamam de “Cat Cafés” e são bem populares. Acontece que lá está cada vez mais difícil as pessoas terem bichos de estimação porque o custo de vida é muito alto, as jornadas de trabalho são longas e os apartamentos são umas caixinhas de fósforos e geralmente proíbem ter animais. Só que esses cafés não são muito voltados para comida e bebida, eles cobram para os clientes acariciarem os gatos por uma hora. Alguns também têm TV, internet e vídeo-game. 

Imagino que o da Magali vai ser diferente desses porque ela irá servir comida enquanto os clientes afagam os gatinhos. Vamos ver se vai funcionar, né...

Eu gostei da capa, ficou alegre e colorida. Mas estou estranhando um pouco o jeito que a Mônica está abraçando o gato. Sei lá, o abraço parece apertado demais para ter um gato no colo dela. E eu achei que os olhos do DC fossem pretos e na imagem estão castanhos. Os uniformes ficaram bonitos e lembram um pouquinho aquela roupa que a Mônica usa na capa da Ed. 21 (no país das maravilhas).

No mais, parece que vamos ter uma história leve e divertida e acho que estamos precisando disso para descansar um pouco do dramalhão de novela mexicana que está virando o relacionamento da Mônica e do Cebola. Tomara que não façam histórias focadas nesses dois tão cedo. As Ed. 51 e 52 foram maravilhosas, mas eu enjoei um pouco deles.


sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Penha a Temida

22:07 7 Comentários


Bom, estou fazendo alguns desenhos da Ed. 52 e consegui terminar esse. Meu Photoshop ultimamente anda muito parecido com um carro velho: tem que dar partida várias vezes para poder pegar. Eu inicio o Photoshop uma vez, ele trava. Duas vezes, a mesma coisa e ele só funciona na terceira ou quarta vez.

Acho que pra resolver, só mesmo formatando meu computador e instalando tudo de novo, mas não dá para fazer isso agora. Vou ter que ir levando do jeito que der, aos trancos e barrancos.

O primeiro desenho é o da Penha. Tentei fazer tipo “mulher fatal”, não sei se consegui o efeito desejado. Só tomem cuidado com aquele olhar de desprezo, heim?

Agora, para falar a verdade, confesso que achei meio nada a ver ela ter voltado para se vingar da Mônica. Quer dizer, quando Madame Creuzodete disse que tudo era uma vingança por tudo o que a Mônica tinha feito, eu pensei que tinha sido algo feito repetidas vezes, sei lá.

Além do mais, quem leu a história sabe que o Cebola não largou a Penha por causa da Mônica e sim porque ela era uma tremenda chata de galocha e ele não tinha agüentado. Ele só ficou interessado na Mônica no fim da história, depois de pensar que gostaria de encontrar uma garota independente.

Sem falar, que o namoro deles durou tão pouco que nem faz sentido a Penha achar que o bairro inteiro sabia que o Cebola a tinha deixado por causa da Mônica. Nesse ponto em particular eu fiquei um pouquinho decepcionada porque pensei que a Mônica tivesse feito algo de muito grave a alguém e no entanto, ela nem tinha feito nada!

Ainda assim achei interessante ver como as duas histórias se relacionam, como se uma fosse continuação da outra. Tudo a ver. Nas duas, foi Denise quem esteve ao lado da Mônica lhe ajudando. Pensando bem, acho que não dava para ser de outro jeito, senão ia ficar algo sem nada a ver.

Bom, tá aí o desenho. A imagem com o fundo transparente está na página de png’s. estou fazendo mais dois que devo publicar nos próximos dias, mas só para dar um gostinho, aqui vai um preview de cada um:









sábado, 8 de dezembro de 2012

Cascão Jovem a cores - Palpites

19:11 9 Comentários























Pois é, finalmente o Cascão teve a sua vez! E sabem o que é melhor? É ter duas edições da TMJ em um único mês. Bem que podia ser assim, nem precisa ser a cores, me contento com o mangá preto e branco. Quem sabe algum dia...

Quanto à história, eu não tenho lá muitos palpites. O Cascão vai ter que encarar um monstro do mar, que deve ser o seu pior pesadelo. Não tanto por ser um monstro e sim porque vive dentro d’água. E se tem uma coisa que poucos esperam ver é o Cascão nadando e mergulhando por causa da sua aversão inexplicável por água.

Vou ver se arrisco alguma coisa. Primeiro, imagino que a turma vai fazer alguma viagem ou passeio até a praia. Quer dizer, para o Cascão encarar o monstro, ele vai ter que ir até o litoral. Aí eu não sei se ele irá sozinho ou se irão os quatro. Talvez eles fiquem sabendo dos boatos sobre uma criatura pré-histórica rondando o lugar, não sei. Pode ser que ninguém acredite, mas pode ser que resolvam investigar.

Mas pelo visto, acho que será o Cascão quem irá encontrar o monstro primeiro. Olhando a quarta capa, a criatura não parece ameaçadora e até tem uns olhinhos fofos. Então eu imagino que o Cascão vai acabar fazendo amizade com ele enquanto que as outras pessoas terão medo da criatura e a verão como perigosa. Talvez até haja algum “caçador” maluco obcecado em pegar o monstro, ou algum cientista ou arqueólogo querendo fama e fortuna. Geralmente é o que acontece em histórias assim.

Então, depois de muita luta para proteger a criatura, ela é finalmente deixada livre para partir e o caçador vai preso ou então se comove e fica bonzinho. Sei lá, não estou muito criativa hoje. De repente não é nada disso, pode ser que o roteirista tenha escrito a história de forma a evitar esses clichês.

Quando eu era criança e me divertia lendo as historias do Cascão e todo seu esforço para não se molhar, jamais teria imaginado que um dia ele estaria vestindo uma roupa de mergulho para encarar um monstro marinho. Era marca registrada dele se manter longe de qualquer coisa molhada.

E confesso que estou feliz por terem feito uma historia focada nele. No mês que vem, a próxima edição vai ser da Magali, o que também é bom. Sei lá, depois de uma saga focada na Mônica e no Cebola, confesso que fiquei enjoada com esse dramalhão de novela mexicana que estão fazendo ao redor dos dois, então ficaria bem feliz se as próximas histórias não fossem focadas em nenhum deles.

Afinal, tem tantos personagens na turma que poderiam dar histórias interessantes, por que limitar tudo somente aos quatro? Se bem que no fim das contas eu entendo que o fato de o mangá só sair uma vez por mês limita muito as coisas. Os gibis saem com mais freqüência, aí dá para fazer uma revistinha para cada um, almanaques, etc. No momento, não dá para fazer isso com o mangá. Uma pena...

Agora, eu gostei muito da capa e dos peixinhos nadando em volta dele. Ficou bonita e adorei os peixinhos em volta do rosto dele. Só não entendo ainda por que eles colocam aquelas falhas na sobrancelha dele. Parece que passou gilete, ficou um pouco estranho.

Bom... Muitos devem estar perguntando pelos desenhos da Ed. 52. Confesso que dessa vez vai ficar difícil porque por algum mistério inexplicável, o Photoshop deu pane. Antes eu usava o CS4 e ele parou de funcionar. Não abria mais e dava mensagem de erro. Aí eu desinstalei e instalei o CS6. Detestei, mas estava quebrando o galho. Só que esse também resolveu me deixar na mão. Agora não consigo instalar o CS6 e nem voltar para o CS4 e não sei quando vou conseguir resolver esse problema.

Para desenhar e colorir eu dependo da pen tool do photoshop e não encontro esse mesmo recurso em outros programas. Tentei o Gimp e não consegui o mesmo efeito. Enquanto não conseguir resolver esse problema, não vou poder desenhar nada. Foi maus...

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Ed. #52 - Sombras do Passado, parte 2: Críticas

20:18 45 Comentários


Ufa, que maratona! Depois da última página da Ed. 51, todo mundo ficou alvoroçado por causa do beijo da Penha e do Cebola. Até eu.

Bom, agora chegou a hora do meu review. Antes de mais nada, vou logo avisando que tem spoiler. Quem ainda não leu, melhor parar por aqui porque eu não quero estragar a diversão de ninguém. Para quem não leu e se tiver um pouquinho de paciência, sugiro ler os posts que eu fiz sobre essa edição. Leiam e depois me falem se eu acertei alguma coisa, tá?

O que eu posso dizer sobre a Ed. desse mês? Simplesmente adorei a história e se eu tivesse que dar uma nota, daria um belo de um dez. Realmente eu fiquei surpresa em vários sentidos. Claro que não teve a profundidade e nem o drama que eu esperava, mas ainda assim fiquei bastante satisfeita.

O roteirista falou que a Mônica ia chegar ao fundo do poço e realmente chegou. Er... Digamos que minha cabeça não funciona igual a cabeça da maioria das pessoas. Não quero prolongar isso mais ainda com muitas explicações, mas confesso que não consegui sentir pena da Mônica e nem chorar com o sofrimento dela. Ainda assim entendo que cada pessoa é diferente e o que parece insignificante para mim pode ser algo imenso e doloroso para os outros. Para alguém tão sensível e emotiva como a Mônica, que nunca passou pela dor de ter um coração partido e pela decepção (e que ainda não tem estrutura emocional para lidar com isso), foi algo realmente terrível. E talvez até uma lição para ela aprender a não colocar sua felicidade nas mãos de outra pessoa.  

O sofrimento dela, a saudade que ela sentia do Cebola e o seu desejo de tê-lo de volta foram bem ilustrados. Aquela cena do banheiro onde ela chora no ombro da Magali foi tocante mesmo. Até a Denise demonstrou tristeza!

Imagino que quando alguém sofre, deve ser bem por aí. Ah, e é claro, teve aquele sonho com o Cebola. Geralmente eu leio os previews das edições, mas dessa vez nem isso eu fiz porque preferi só ler a história completa. Tudo em nome do suspense!

Mas quem leu o preview deve ter ficado com o coração na mão quando chegou aquela parte em que o Cebola aparece no quarto dela o preview acaba ali. Aí no mangá vem a parte onde ele fala que tudo era só um plano para derrotá-la. Nossa! Muita gente deve ter chegado perto de um piripaque! Até eu fiquei com os olhos arregalados. Depois veio o alívio de saber que era tudo um sonho. Ufa!

Agora, engraçado mesmo foi quando a Mônica resolveu ir buscar apoio com a Denise porque ela também era uma “solteirona e solitária”. Nessa parte eu ri. Bem... Depois de trolar a Mônica durante toda a ed. 51, acho que a Denise mereceu um pouco disso. Agora, será mesmo que assistir comédia romântica é boa opção? Sei lá, ver toda aquela melação açucarada, o casal todo feliz no final do filme... Acho que isso só piora, não? Até a Denise ficou deprê com o final do filme porque não tinha namorado!

Acho que em situações assim um bom remédio seria um daqueles filmes de comédia no-sense, com muito besteirol. Ou talvez um filme de ação, com muita pancadaria e pouca conversa fiada.

Voltando no frigir dos ovos, o Emerson disse que a gente ia amar a Denise e eu realmente gostei dela, que se mostrou mais solidária e disposta a ajudar a Mônica. Ela foi mais atuante do que a própria Magali porque até convocar uma reunião para ajudar a Mônica ela convocou.

Como muita gente já esperava, a Sofia logo se mostrou ser a amiga traíra quando ela apareceu na casa da Penha contando o que estava acontecendo com a Mônica. É nessa hora que a gente começa a perceber que o Cebola não está fazendo tudo de espontânea vontade e que ele não tinha a intenção de magoar a Mônica. E também é quando a Penha aparece pela primeira vez depois do beijo e logo de cara já mostra seu caráter de vilã e usa o clássico olhar de desprezo.

Sabe... Madame Creuzodete falou em amigo que vira inimigo e inimigo que vira amigo. Confesso que isso ficou meio confuso... Primeiro porque eu pensei que a amiga traíra fosse traíra mesmo. E em certa parte, a Sofia mostrou isso ao ficar do lado da Penha. Só que depois, ela acabou ficando a favor da Mônica e ajudando-a a entrar na casa da Penha. Quer dizer, a mesma pessoa se encaixou na pele de amiga-traíra e a de inimiga que ajuda no fim. Surpreendente, devo dizer.

A Denise também se encaixou nas duas partes. Primeiro pareceu ter se voltado contra a Mônica quando lhe deu aquela bronca e virou as costas para ela. Depois acabou ajudando no final também. Aliás, a ajuda dela foi fundamental.

Agora, será que eu sou a única alma viva desse planeta que ficou surpresa ao ver Denise de cabelo solto? Quando Paulete apareceu pela primeira vez, nem me passou pela cabeça a mais remota possibilidade de ser a Denise disfarçada. Eu nunca teria adivinhado. Para ser sincera, cheguei até a pensar que ela fosse a verdadeira vilã da história. Hahaha, me pegaram direitinho!

Ela ficou mesmo bonita de cabelo solto, heim? Ficou tipo uma mulher fatal, mais adulta e até sexy. As Maria-chiquinhas dão a ela um ar meio infantil. E quem falar que não ficou boquiaberto quando a Denise se revelou está mentindo. Eu fiquei com aquela cara de pastel. Mais uma vez, ela acabou roubando a cena e também surpreendeu bastante mostrando que pode ser boa amiga. Se bem que eu fico na duvida se Denise ajudou por solidariedade ou se foi só porque ela também aparece no vídeo junto com a Mônica e com isso poderia ser presa como cúmplice. Talvez um pouco de cada, vai saber.

Surpresa também foi a aparição do Ângelo e usando a roupa mais legal de todo o mangá. Quando ele apareceu, a Penha falou algo tipo “Deus ex machina”. Pesquisando no Google, li na Wikipédia que isso é uma expressão em latim usada para descrever uma pessoa ou uma coisa que de repente aparece e resolve uma dificuldade aparentemente insolúvel. Encaixou perfeitamente na aparição dele para lutar contra a Agnes, não é mesmo?

Outra coisa que eu achei interessante foi quando Sofia decide contar a verdade para a Mônica. Eles usaram nesse capítulo o título “a escolha de Sofia”, que é um filme que se passa no tempo do nazismo. Nesse filme, ela tem que fazer a escolha mais triste e dolorosa que uma mãe poderia fazer. E o que ela escolheu? Quem quiser saber vai ter que ver o filme porque esse spoiler eu não vou dar. Mas vou logo avisando que esse filme não é para os fracos!

Agora vamos falar da Penha, que como vilã se saiu muito bem. Parece que ela manteve a mesma personalidade arrogante e egocêntrica de quando era criança, mas aumentou bastante o nível de crueldade e sadismo.

Aprofundando um pouco mais em sua personalidade, ela mostrou alguns sintomas de psicopatia. Um deles é a capacidade de manipular as pessoas, coisa que ela fazia muito bem com aquele olhar do desprezo.

Psicopatas também mostram falta de sentimentos não são capazes de sentir afeto. Vemos isso na forma como ela trata as amigas, especialmente a Sofia. E também vemos sua total falta de sensibilidade e empatia ao armar aquele plano para destruir a Mônica emocionalmente. É como a Mônica disse: ela se acha no direito de brincar com a vida das pessoas a seu bel prazer.

Outro sintoma clássico é a grande falta de moral. Ela não mostrou nenhum peso na consciência de armar aquela mentira para a Mônica ir presa e até tentou matar a Mônica e o Cebola no final. Psicopatas são totalmente amorais e não ligam para regras de conduta.

Ela é tão esnobe e se coloca tão acima dos outros que chegou a chamar os convidados da sua festa de “bandos de mortos de fome” pouco depois de se mostrar uma anfitriã calorosa e de chamar a todos de amigos próximos e estimados. Algo típico de um psicopata também. Quando mostram algum tipo de afeto, é superficial e totalmente fingido. No fundo, eles sempre desprezam a todos. Mesmo tendo dito que Paulete era sua melhor amiga anteriormente, no fim ela a via apenas como uma empregada que tinha de obedecer suas ordens.

E, claro, ela mostrou um grande egoísmo e egocentrismo. Quando ela fez sua entrada triunfal na festa, os telões instalados no local mostraram o rosto dela num belo close, o que mostra bem sua tendência a se achar o centro do universo.Um psicopata enxerga somente a si mesmo, suas vontades e necessidades. Eles não são capazes de enxergar os outros como seres humanos com necessidades próprias e sim como coisas a serem usadas e depois descartadas. E junto com esse egocentrismo, vem também a dificuldade de aceitar a rejeição. Foi por isso que a Penha endoidou o cabeção quando o Cebola terminou o namoro na infância.  

Em relacionamentos, psicopatas tem grande sentimento de posse e vêem o outro como sua propriedade. Para ela deve ter sido muito difícil ver o Cebola indo embora. E saber que ele gostava da Mônica, alguém que ela via como inferior, foi outro golpe para o seu ego. Embora fizesse mais sentido ela querer se vingar do Cebola, quem lhe deu o fora, Penha armou aquela vingança contra a Mônica porque precisava mostrar que era superior a ela, mais forte e poderosa. O Cebola já estava dominado mesmo, então faltava a Mônica.

E por último, psicopatas também não assumem a responsabilidade pelos seus atos. Eles sempre culpam as outras pessoas. Foi por isso que a Penha culpou a Mônica pelo seu comportamento ao citar aquele ditado sobre a árvore e o machado.

Não sei se foi a intenção do roteirista desenhá-la como uma psicopata, mas muitos sintomas se encaixaram bem na personalidade dela. Até que seria interessante se a Penha aparecesse mais vezes no futuro. Uma personagem desajustada como ela daria um tempero especial às histórias. Eu particularmente gostei da forma como a personalidade dela foi desenhada.


Também gostei da roupa dela, tipo fatal female. Combinou com a personalidade dela.

Ah, claro! Eu não posso deixar de falar da minha surpresa ao ver que era ela a vilã por detrás de tudo. Quer dizer, muita gente já desconfiava, mas eu não via como possibilidade. Sabem quando a gente vê um filme de mistério e descarta um suspeito de assassinato por achar que ele é obvio demais? Aí no final descobrimos que ele era mesmo o culpado e ficamos com aquela cara de pastel porque pensamos em mil teorias para cada um dos outros personagens ter cometido o crime e no final não era nada do que pensamos.

Com a Penha foi a mesma coisa. Eu não acreditei que fosse ela a pessoa por trás de tudo isso porque achei muito obvio, muito na cara. Por isso fiquei surpresa ao saber que ela não só tinha chantageado o Cebola com também invocado o fantasma da Agnes. Quem ia imaginar que ela era capaz de invocar um espírito e usá-lo como seu comparsa?

E confesso que fiquei feliz com o final. Depois de xingar bastante o Cebola, eu pensei com mais calma e imaginei que devia haver algum motivo muito grande para ele ter feito aquilo e tinha mesmo. Claro que da parte dele faltou ter um pouco de confiança na Mônica. Na cabeça dele, ela é apenas uma brucutu que resolve tudo só na força bruta e isso não é verdade. Ela é capaz de bolar planos bem inteligentes e que funcionam até melhor que os planos dele. Trabalhando juntos, eles teriam conseguido resolver aquela pendenga com menos sofrimento para ambos (especialmente para a Mônica).

Foi a união dos planos dos dois que conseguiu dar uma excelente solução a algo que parecia um tremendo angu de caroço. Graças a ele, todos puderam ver a farsa que a Penha tinha montado. E graças a Mônica, Agnes foi levada embora para não ferir mais ninguém.

Talvez esteja na hora de o Cebola parar de subestimar a inteligência da Mônica. Ela é esquentada, cabeça quente, impulsiva e muitas vezes agressiva, mas burra com certeza não é.

Num relacionamento não se pode abalar a confiança do outro. Isso realmente deixou a Mônica magoada a ponto de pensar em desistir de tudo, mostrando que tinha sido mesmo algo grave. Mesmo com as melhores intenções, o Cebola agiu errado ao mentir para ela. Confesso que adorei ver o Cebola passando um bocado de aperto. Ele bem que mereceu.

Mas... Foi como eu disse antes... Era de se esperar que os dois iam se entender no final e foi o que aconteceu. E como eu pensei, o motivo foi realmente bom. Ainda bem. Para ser sincera, eu tive medo de que esse motivo fosse apenas uma desculpa esfarrapada e estava até preparada para uma porcaria de final. Ainda bem que eu estava errada e o final foi excelente.

Confesso que até me deu um pesinho na consciência por ter sido tão má com o Cebola. Eu até tinha feito um desenho dele para ser usado com a frase “Suas atitudes falam tão alto que eu não consigo ouvir o que você diz”. Depois disso, não vou publicar porque não faz sentido (por enquanto). Mesmo assim fica a imagem com fundo transparente para quem quiser usar. Eu refiz um desenho que apareceu na Ed. 34 onde ele diz a Mônica que a ama. Não é um desenho de corpo inteiro, mas acho que pode servir para alguma coisa.

Como disse antes, a história foi muito boa, mas acho que tenho umas observações para fazer.

A que distância o bairro do limoeiro fica do litoral? A Mônica chegou a casa da Penha de barco, o que eu achei meio estranho. Quer dizer, entendo que foi importante para a trama, mas ainda assim fiquei pensando em como ela conseguiu sair de casa durante a noite, ir para o litoral, pegar um barco e remar até a encosta do farol atrás da casa da Penha.

Outra coisa que eu estranhei também foi o Cebola ter reclamado com a Mônica por ela ter dito que Romeu e Julieta morreram no final porque ele não tinha lido o livro. Quer dizer, não ficou claro se ele estava só zoando ou falando sério. Se foi só zoação, tranqüilo. Idiota da parte dele por ter estragado um momento romântico, não nego, mas enfim...

Se ele estava falando sério, confesso que ficou meio sem sentido já que no passado a escola tinha organizado uma peça de teatro sobre a história de Romeu e Julieta. Ele assistiu a peça e deve ter visto muito bem o que acontecia no final.

Tá bom, agora vocês vão me achar uma chata de galocha por dizer isso, mas acho que seria interessante fazer essa observação. A Penha chantageou o Cebola usando um vídeo da Mônica invadindo e quebrando coisas na casa da Agnes dizendo que ela poderia ser presa por invasão e depredação de propriedade privada.

Acontece que a Mônica é menor de idade e de acordo com o Código Penal, artigo 27, “os menores de 18 anos são penalmente inimputáveis, ficando sujeitos às normas estabelecidas na legislação especial”. Ou seja: mesmo que a Penha publicasse o vídeo, a Mônica nunca iria para a cadeia porque ela é menor de idade. O pior que poderia acontecer a ela seria acabar em uma instituição educacional durante o período estipulado pelo juiz ou até completar dezoito anos.

Eu não entendo de direito e não sou advogada, mas acho que alguém teria de prestar queixa na polícia, fazer boletim de ocorrência, essas coisas e eu não sei se a Penha poderia fazer isso porque aparentemente a casa não tinha dono, estava abandonada e pelas filmagens, daria para ver que a Mônica não tinha roubado nada. Sem falar que ela não tem antecedentes, então o mais provável ela era levar uma tremenda bronca do juiz ou talvez prestar serviços comunitários, não sei como isso funciona. Só sei que para a cadeia ela não teria ido de jeito nenhum.

Pelos mesmo motivo também não teria dado nenhuma cadeia ela ter entrado de penetra na casa da Penha. E convenhamos, né gente? Se aqui no Brasil menor de idade não vai preso nem quando mata, acreditam mesmo que a Mônica teria ido para a cadeia só porque invadiu uma casa velha?

Se bem que publicar aquele vídeo poderia difamar a Mônica, colocá-la como desordeira, mas acho que isso não teria assim grandes conseqüências a longo prazo. As pessoas esquecem rápido das coisas.

Imagino que vocês devem estar me achando uma chata por falar isso. Afinal, em se tratando de HQ, desenho animado, filme, etc., nem sempre as coisas precisam ter lógica. O que vale é a diversão. Por isso não estou recriminando a história por causa desse detalhe e nem falando que deveria ser diferente. Ainda assim a chantagem foi válida porque o Cebola pode ser inteligente, mas ainda é um moleque de 15 anos e não podemos esperar que ele saiba de todas essas coisas, então ele ter ficado com medo foi natural.

Concluindo, eu achei que a história ficou bem acima da média, talvez a melhor de todas. Realmente surpreendeu, teve suspense, deixou todo mundo roendo as unhas e arrancando os cabelos. E o fato de ser dividida em dois só fez com que a gente sofresse mais ainda por ter que esperar um mês inteiro para saber o fim da história. Bem que as próximas edições poderiam ser assim também.

Se você leu até aqui, valeu pela paciência porque dessa vez eu escrevi um monte!E aqui o png daquela imagem que eu tinha feito do Cebola:



quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Babado quente!

18:21 4 Comentários
Gente, vocês têm que saber! Ai meldels! Eu tô tendo um treco aqui! Enquanto digito esse post, minhas mãos estão tremendo! Eu não acreditoooo! O Emerson Abreu falou de mim no blog dele, citou minhas análises da história! E ele gostou! Ai gsuis!

A postagem completa está aqui: http://emersonabreu.blogspot.com.br/2012/11/sombras-do-passado-parte-1.html

Agora eu vou ficar rindo a toa por uma semana inteira, sério!
Ah, falando nisso, já saíram os teasers. Da edição. Bem... ainda prefiro esperar para ler e depois opinar. Afinal, nem tudo é o que parece. No blog do Emerson vocês vão ver os comentários dele sobre a Ed. 52, não deixem de conferir.
 
 

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

TMJ #52 - Sombras do passado, parte 2: Palpites

16:09 45 Comentários



Quando lançam a capa da edição do mês, eu gosto de dar meus “chutes” (pfff!) sobre o que vai acontecer na história. Só que dessa vez acho que acabei falando tudo em outros textos e não sei se sobrou alguma coisa para falar nesse. Vê se pode?

Sabe... ver o Cebola e a Penha se beijando acabou despertando o instinto assassino de muitas fãs, xingos, insultos, reações extremadas... até eu fui na onda, apesar de ter sido por outras razões. Mas quando a poeira abaixa, a gente se acalma, pensa melhor e começa ter alguns lampejos de lucidez.

Eu ainda não faço a menor idéia do que pode ter acontecido com o Cebola para ele beijar a Penha na frente da Mônica. Só vamos saber quando sair a Ed. 52. Mas... só para não falarem que estou sendo injusta com o carequinha, resolvi dar uma chance para ele. E no fundo eu também não acredito que ele tenha feito aquilo só para magoar a Mônica. Deve ter algo mais ali que a gente ainda não sabe.

Quando vi a cena pela primeira vez, pensei que fosse uma ilusão, uma continuação do pesadelo da Mônica ou então que o Cebola estivesse sendo controlado, por isso nem dei idéia porque nesse caso ele não teria culpa de nada. Só que em seu Twitter, o roteirista da história disse que não era nenhuma ilusão e que o Cebola estava agindo de forma espontânea consciente.

Acho que foi aí que eu comecei a malhar o carequinha.

Então tá. Vamos partir do princípio de que ele NÃO fez aquilo para sacanear, magoar, ferir, dar uma “lição” e nem se vingar da Mônica. Então por que seria? Não creio que ele tenha feito aquilo sem motivo algum só porque achou a Penha bonita. Do contrário, que graça ia ter para o enredo? E o próprio roteirista falou que existe uma razão.

Não sabemos o que acontece depois que a Penha apareceu na porta da casa dele, o que eles conversaram e nem o que ela disse para ele. Muita coisa pode ter acontecido. Ele pode ter sido chantageado. Tipo, ou colaborava com ela, ou algo de muito ruim poderia acontecer a Mônica. Então, para protegê-la, ele acaba aceitando namorar com a Penha para evitar um mal maior.

Partindo do mesmo raciocínio de que não sabemos o que aconteceu entre os dois, pode-se imaginar também que a Penha tenha feito alguma fofoca, intriga ou dito qualquer coisa grave o bastante para fazer o Cebola aceitar ficar com ela.

Mas também existe uma possibilidade, e acho que essa é bem maluca, de o Cebola estar fazendo aquilo para ajudar a Mônica. Quer dizer, ele pode ter percebido que algo de errado estava acontecendo com ela. Ele pode ter sonhado, ter tido visões, sei lá. Afinal, só vimos o lado da Mônica, não o dele. Com isso, para buscar uma forma de ajudá-la, ele deve ter resolvido se infiltrar na área inimiga namorando com a Penha. Isso, claro, supondo que ela também esteja envolvida com o grande vilão que quer se vingar da Mônica.

Pode parecer meio sem sentido, mas considerando a forma como a cabeça do Cebola funciona, ele pode ter seguido a idéia de que para enganar o inimigo, é preciso enganar os amigos também. Se ele fosse muito bonzinho e cheio de dedos com a Mônica, ele não ia conseguir a confiança de quem está por detrás disso tudo. Pode ser que o tal vilão tenha tentado conseguir a ajuda dele para esse plano de vingança contra a Mônica por achar que ele também tinha razoes para querer se vingar dela. Ele pode ter aceitado isso não porque quer se vingar e sim para ajudá-la.

Por que isso não seria um plano dele para se vingar da Mônica? Além de ser meio óbvio, isso poderia prejudicar o entendimento deles no fim da história. E é quase certo que eles vão se entender e fazer as pazes quando tudo isso acabar. Para que isso possa acontecer, ele vai precisar de um motivo muito bom para ter aparecido beijando a Penha na frente da Mônica.

Agora, se ele fez tudo isso unicamente por vingança, aí vai ficar até esquisito ela perdoá-lo assim muito fácil. Sei que é apenas uma história em quadrinhos, mas acho que alguma coerência deveria ter. Se bem que eu não duvido nada de no fim das contas ele apenas ter feito aquilo para sacanear e ainda acabar por cima, como aquele que “deu uma lição na dentuça marrenta”. É uma possibilidade também, sei lá. Sem falar que ele pode acabar sendo aquele que no início parece ser o inimigo mas que no fim acaba ajudando a Mônica. Quer dizer, ao namorar a Penha o Cebola vai se voltar contra a Mônica, tratá-la mal, etc. então aparentemente se tornará um “inimigo”.

Se bem que algo também acaba de me ocorrer... será que esse é o Cebola verdadeiro? Tá, tá, sei que estou forçando a amizade, mas como a revista ainda não foi publicada, então creio que existem muitas possibilidades. Quem seria? Nem faço idéia. De repente aquele ali nem deve ser o Cebola. Pode ser alguém que entrou no lugar dele. Talvez ele tivesse recusado a ter qualquer coisa com a Penha e com isso tenha sido seqüestrado e colocaram outro em seu lugar. Uma teoria maluca, mas caso seja isso mesmo, irá aplacar a ira das fãs e no final todos ficarão felizes e contentes.

Claro, essas possibilidades só seriam possíveis no caso de o namoro dele com a Penha ter algo a ver com o tal inimigo da Mônica e sua vingança. Do contrário, se forem eventos distintos e sem relação entre si, nada do que eu falei fará sentido. Mas se alguma delas for verdadeira, vai explicar o fato de o Cebola ter sido tão legal com a Mônica durante a história (estava até gostando da participação dele) e no fim aprontar aquela palhaçada com ela.

Confesso que esse lance foi uma tacada de mestre. Quer dizer, acho que grande parte da ansiedade dos fãs em ler essa história se deve a esse namoro e eu não ficarei nem um pouco surpresa se edição vender mais do que a 50 (que foi uma história meio pão com ovo, diga-se de passagem).

Eu estava olhando novamente as falas da Madame Creuzodete, onde ela diz que nem tudo é o que parece. Ela poderia estar falando do (suposto) namoro entre Cebola e Penha, que no fim pode ser apenas um plano dele para conseguir alguma coisa, seja para ajudar ou para se vingar da Mônica.

As falas dela podem ser pistas para desvendar esse mistério, mas infelizmente tem muitas margens para interpretações. Não sabemos se os dois eventos (o namoro do Cebola e o inimigo da Mônica) estão relacionados ou se não tem nada a ver um com o outro.

Mas ainda assim não sei se acredito que aquele que quer se vingar da Mônica seja o Cebola pelos motivos que falei acima e também porque isso poderia influenciar edições futuras. Afinal, também ficaria estranho os dois terminarem a historia num clima ruim, cheio de mágoas e na próxima edição eles continuarem como se nada tivesse acontecido.

Quanto ao vilão por detrás disso tudo, não tem como saber porque só vai aparecer na próxima edição. Talvez seja aquele personagem novo de quem o roteirista falou e que nunca apareceu nem na TMJ e nem nos gibis. No momento eu não consigo imaginar quem poderia ser e nem por que ele quer se vingar da Mônica.

Quanto ao amigo que vai se tornar inimigo, também não acho que seja alguém da turma. Pode ser ou a Sofia ou alguém que só vai aparecer na Ed. 52. Muita gente fala na Denise, mas também acho que seria meio óbvio. Como falei antes, eu suspeito um pouco da Sofia por causa daquele interesse dela no relacionamento da Mônica com o Cebola e logo depois a penha aparece na porta da casa dele. Pode ser só uma coincidência, mas nunca se sabe, né...

Ah, e também já sabemos que vamos nos surpreender com a reaparição da Agnes. Bem... acho que a única forma de eu ficar surpresa seria se ela não tivesse morrido no fim das contas. Aí sim seria uma surpresa para me deixar de queixo caído.

“Ué, mas a Sofia disse que a Agnes morreu...”

Pois é, só que a gente ainda não sabe qual é a da Sofia, se ela está com a Mônica ou contra ela. Realmente tudo pode acontecer.

E não vamos esquecer da capa, que vai entrar para a história. Como assim Penha e Cebola se agarrando embaixo de uma árvore? Pois é. Como eu não sou fã de Mô x Cê, essa cena não me despertou reações fortes. Para falar a verdade, e só para esclarecer, eu não sou fã de Mônica com nenhum outro garoto, nem mesmo o DC. Acho que considerando as opções existentes, ela está melhor sozinha.

Voltando ao assunto da capa, bem... primeiro eu fiquei confusa com aquele coração escrito “Cascão e Cascuda”. Cara, acho que meu cérebro excessivamente lógico deu um nó por causa daquilo, que me pareceu fora de lugar e propósito. Talvez tenha sido colocado por acaso, ou então de repente aqueles dois são o Cascão e a Cascuda disfarçados. Doideira? Maluquice? Nada a ver? Concordo plenamente, mas também é uma possibilidade e explicaria aquele coração com o nome dos dois.

Voltando ao casal de... er... “pombinhos”, tenho a impressão de que o beijo é meio fingido. Eles não parecem estar com a boca aberta de verdade. Agora, confesso que eu não gostei muito da cara da Mônica aí não. Ela ficou com uma boca meio esquisita, um troço meio desproporcional ao rosto dela. parece que está prestes a morder um sanduíche tamanho família, não que está boquiaberta de susto ao ver os dois. Eu não vejo tristeza, mágoa e nem decepção no rosto dela. Não vejo nem mesmo surpresa. E o que é aquela coisa na mão esquerda dela? Parece um livro. Seria a tal bíblia que a Agnes sempre leva?

Uma coisa interessante é o relógio do Cebola marcando 18:26. Claro, por ser um relógio, tem que marcar as horas. Só fico pensando se isso também tem algo a ver com a trama ou se foi apenas um número aleatório que puseram para não deixar o relógio vazio.

Tirando isso, a capa ficou bonita. Torço apenas para que, caso seja mesmo um plano do Cebola para machucar a Mônica, que ele pelo menos não termine por cima enquanto a Mônica fica por baixo como a vilã perversa que batia no coitadinho sem razão nenhuma. Ah, tem dó né? Já está dando no saco ver a Mônica sempre correndo atrás, tentando fazer acontecer, se esforçando para ficar bem com o Cebola enquanto ele parece não estar nem aí. Senão, seria melhor que colocassem a Mônica no grupo MADA de uma vez.

E para terminar, eu fiz essa imagem usando uma das cenas da Ed. 51. Eu não diria que a frase é para o Cebola, é algo mais genérico, para os inimigos em geral. A imagem com fundo transparente está na página de png's e eu também fiz uma pequena alteração nos png's da Penha sozinha e dela com o Cebola me baseando nas cores que vi na capa.


sábado, 10 de novembro de 2012

O amor é... é... sei lá!

18:58 13 Comentários


Eu sei que as fãs Mônica x Cebola vão me jurar de morte por causa disso, mas eu não resisti e acabei colorindo a imagem do Cebola beijando a Penha. E na boa, antes do fim da revista, esse lance já terá acabado e o Cebola vai estar numa boa com a Mônica novamente, então para que se preocupar?



E colorir os desenhos da Penha me ajudou a arrumar um jeito melhor de colorir os cabelos. Ela não é tão má quanto a gente pensa, né?

Antes que eu me esqueça, minha fanfic 2012 foi atualizada: http://fanfiction.com.br/historia/279654/2012/capitulo/19
 
A imagem transparente está na página de png’s. Só mais uma coisa... repararam que as roupas do Cebola são iguais as que aparecem na capa da Ed. 34? Pois é. Estranho, não


quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Elas voltaram!

21:40 3 Comentários


É isso aí, pessoal! Fujam para as montanhas que as garotas do bairro das Pitangueiras estão de volta.
Eu me animei um pouco e resolvi colorir o desenho da Penha que aparece na Ed. 51. Foi o mesmo esquema de sempre: refiz as linhas e depois adicionei as cores. As imagens com fundo transparente estão na página de png’s. no desenho da Agnes eu fiz uma pequena alteração para tirar a gaiola da mão dela.  Tem o desenho da Agnes e da Penha separadas e tem as tres juntas para quem quiser usar. O da Sofia eu peguei "emprestado" lá no site TMJ Wallpapers, assim como a imagem das três quando crianças.


quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Agnes, a Tenebrosa

19:25 9 Comentários


Fiz um desenho da Agnes, a Tenebrosa. Bem... a primeira vista, ela não tem nada de tenebrosa, mas por detrás dessa aparência doce e meiga se esconde uma figura realmente... tenebrosa! A imagem com fundo transparente está na página de png’s. Divirtam-se!


domingo, 4 de novembro de 2012

Ed. #51: Qual a trama da história? - mais uns detalhes

19:36 34 Comentários


Tem mais umas coisas que eu fui pensando depois e resolvi abrir outro post que é para o outro não ficar longo demais.

É que também temos outro problema... quando a Penha foi bater a porta do Cebola, ele ficou surpreso ao vê-la. Então fica a dúvida se esse “inimigo” secreto que está bolando planos para derrotar a Mônica é mesmo ele. De repente, ele pode estar sendo manipulado, usado como um peão no plano de alguém que pode estar por detrás de tudo isso. Talvez a Penha também esteja sendo manipulada ou pode ser que ela também saiba do plano, não sei.


Ou de repente os dois eventos não tem nada a ver mesmo e eu tô viajando.E pensando bem, o roteirista da história apontou para essa possibilidade. Então é capaz de não ser nada disso, senão ele não teria falado. Afinal, isso seria um spoiler. Se ele falou, é porque o Cebola pode não estar por detrás de plano nenhum.


Porém, manipulado ou não, ele aceitou namorar com a Penha por livre e espontânea vontade mesmo sabendo que isso vai magoar a Mônica. Então culpa no cartório ele tem também. Ele pode até não ser o cérebro por detrás de tudo, mas ainda assim está mostrando ter pouco caráter ao aceitar fazer parte disso.


Só espero que ele quebre bastante a cara, que receba uma merecida lição. A não ser, é claro, que a Penha tenha dito alguma coisa para o Cebola, algo de muito grave que o fez aceitar engatar o namoro assim tão rápido.


Pode ser uma intriga, uma fofoca ou mentira. Ainda assim, o Cebola não agiu certo porque foi logo acreditando sem nem ao menos dar a Mônica uma chance de defesa. Ou então, como falei, ele pode ter sido chantageado. Aí só lendo para saber.


É bem provável que eu vá ficar na vontade mesmo, que no final a Mônica dê uma de tonta e acabe perdoando tudo numa boa enquanto o Cebola seguirá sem o menor peso na consciência e achando que não fez nada de errado. Bem, sonhar não custa nada, né?


Eu só fico pensando em quem seria a pessoa que parece ser inimiga mas acaba se mostrando amiga e ajudando no final. Na capa da Ed. 51, Sofia aparece junto com a Mônica em posição de luta. Pode ser ela quem irá ajudar a Mônica. Ainda assim, há outras possibilidades como a Agnes ou, sei lá, a Penha. A Madame Creuzodete falou inimiga, então temos que focar nos antagonistas da história. De repente, essa pessoa só vai aparecer na Ed. 52, então não dá para saber quem é. Aliás, outros personagens irão aparecer na ed. 52, então pode ser também que o grande inimigo não tenha aparecido ainda e só vai aparecer depois. Apesar das minhas especulações, pode acontecer de o Cebola não ter nada a ver com a trama.


A vidente também falou que para derrotar esse inimigo, a Mônica vai ter que lutar com as mesmas armas que ele. Que armas seriam essas? Manipulação? Jogar os erros na cara da pessoa? Fiquei bem curiosa com isso.


No Twitter, Emerson Abreu disse que iremos amar a Denise, nos emocionar com a Mônica, odiar o Cebola e querer matar a Penha. Bom, eu já odeio o Cebola, então ¼ do caminho já foi percorrido. Quanto a matar a Penha, eu não sei. Por pior que ela seja, o Cebola aceitou namorar com ela porque quis. A não ser que ele tenha sido gravemente chantageado, ele entrou nessa por livre e espontânea vontade.


Agora, tem uma coisa aqui que eu não estou gostando nem um pouco. O Cebola beijou a Monique na Ed. 48 e agora beijou a Penha (e eles já foram namorados na infância). E a Mônica? será que vai ficar eternamente pura e casta só esperando pelo Cebola? será que agora ele vai poder sair namorando todo mundo, beijando quem aparecer na frente enquanto ela fica sem ficar com mais ninguém? Por que isso? hum... estou sentindo cheiro de machismo rançoso. Será por causa do “homem pode, mas mulher não porque é ‘diferente’”?


Hellowww! Século 21 chamando! Não estou falando que é para a Mônica rodar na mão de todo mundo, mas por que o Cebola pode experimentar outras alternativas e ela não? Por que ele pode fazer o que quiser, mas ela tem que ficar eternamente esperando por ele sem nem ao menos se interessar por ninguém?

 

Ed. #51: Qual a trama da história?

17:31 14 Comentários


Todo mundo deve estar de cabelo em pé por causa do namoro da Penha com o Cebola que vai rolar na Ed. 52. Mas heim? Como? Por que? O que tá pegando? Pois é. Agora o povo quer saber, mas vai ter que esperar até o mês que vem para entender tudo.

Sabe, nessa história tem dois mistérios: quem está perseguindo a Mônica e por que o Cebola está namorando a Penha. E agora, um terceiro mistério: as duas coisas estão relacionadas ou são eventos distintos? Quer dizer, pode ser que a pessoa por detrás de tudo não tenha nada a ver com o Cebola namorando a Penha. Ou tem? Eis a grande questão. É por isso que eu estou tocando nos dois assuntos ao mesmo tempo, já que uma coisa pode até acabar levando a outra.

Gostaria de começar a divagação com uma coisa que, acho eu, poucos prestam atenção porque fica no fim da revista. É aquela parte do “Fala Maurício”. Quando lançaram o preview da edição, eu resolvi dar uma olhada nessa parte e não sei porque, mas a primeira coisa que me veio a cabeça foi o Cebola. Afinal, é ele quem tem problemas emocionais porque não consegue esquecer o passado e as brigas com a Mônica. E parece que essa mágoa é tão grande que até influenciou o termino do namoro dos dois e agora dificulta a reconciliação (mas ainda insistem em dizer que o problema é a Mônica, aff!)

A medida que fui lendo a história, eu acabei imaginando que estavam falando de outra pessoa ou talvez da própria Mônica. Mas pensando bem...

Analisando a consulta da Mônica com a Madame Creuzodete, tem algumas coisas interessantes na fala da vidente quando ela consulta sua bola de cristal.

“Eu vejo perigo... traição... decepção...”, “Um grande plano para te derrotar esse tempo todo... era tudo um plano!” peraí! Quando vocês lêem a palavra plano nas revistas da TMJ, qual é o primeiro personagem que vem a cabeça? O Cebola.

Aí a vidente continua: “É uma espécie de vingança por tudo o que você fez.” Eu não li todos os gibis lançados da turma da Mônica, mas acho que li o suficiente para saber que o personagem que mais se encaixa nisso é o Cebola. Quer dizer, pelo que a Creuzodete falou, Mônica deve ter feito algo a essa pessoa mais de uma vez, repetidas vezes. Mais uma vez, só consigo encaixar o Cebola nessa descrição.

E cá entre nós, o Cebola sempre fez planos contra a Mônica sem pensar se ia ou não magoá-la. Porque dessa vez seria diferente? Só porque ele cresceu? Pois existe um fato interessante sobre os seres humanos: Existem aqueles que crescem e viram adultos. Outros apenas aumentam de tamanho e ficam mais velhos, mas a mentalidade continua a mesma. Parece que o Cebola se encaixa no segundo grupo.

Só que agora temos uma intrigante e instigante pergunta: existe relação entre o Cebola e Agnes? Quando Mônica perguntou se o tal inimigo de quem Creuzodete estava falando era a sombra, ela disse que não sabia e tentou olhar mais fundo, mas não pode porque foi atacada pela sombra. Pode parecer uma passagem sem importância, mas ela deixou a dúvida sobre a relação entre os dois eventos.

E pensando bem... como o Cebola iria invocar o espírito da Agnes? Por que ele tentaria fazê-la perseguir a Mônica? Só se for para mostrá-la que ela não é tão forte quanto pensa, para vê-la fracassar e ficar arrasada. Mas ainda assim tem muitas lacunas não preenchidas. Acontece que mexer com esse tipo de coisa, invocar espíritos, não é o estilo dele. Tá, quando crianças ele e o Cascão fingiram de fantasmas, ETs, etc. mas não me lembro de ele ter tentado ir para o lado negro da força e invocar um espírito de verdade. Se bem que o roteirista que escreveu essa história está seguindo um estilo diferente da TMJ. O fato de ele ter colocado a Agnes como morta prova que o estilo dele é diferente, então tudo pode acontecer.

Quer dizer, se a Mônica for derrotada pelo fantasma de Agnes e ainda sofrer ao ver Cebola namorando a Penha, isso certamente a destruiria por dentro. Talvez seja isso que ele quer, vê-la não somente derrotada, como totalmente arrasada e destruída. Faz sentido.

Como vocês sabem, ele tem problemas emocionais. Nunca conseguiu aceitar o fato de ter apanhado da Mônica na infância e seus planos nunca terem funcionados. Então essa necessidade que ele tem de derrotá-la não é somente para fazê-lo se sentir a altura dela, é também uma forma de vingança, de compensação emocional pelos anos de planos frustrados que ele teve. Bem típico das pessoas medíocres e insignificantes. Como não conseguem se elevar, acham que precisam rebaixar e humilhar o outro para se sentirem melhores. Então é bem capaz de, no mínimo, o namoro dele com a Penha seja apenas um plano para derrotar a Mônica.

Mas tem algo interessante também quando a Mônica confronta o fantasma de Agnes. É na parte em que ela ironiza o comportamento dela, de sempre querer salvar todo mundo. Ela até debocha dela falando sobre “complexo de messias” e sua disposição para se sacrificar pelos outros.

É esse pedaço que me deixa na duvida se os dois eventos estão ou não relacionados. A princípio eu penso que não, mas quando releio essa parte, aí fico balançando. Pensando bem, acho que não houve exatamente muita interação da Agnes com a Mônica. Na revista onde ela e Magali vão para o bairro das pitangueiras, chega um ponto em que Penha manda Agnes e Sofia colocarem as duas para correr. Mas Agnes confronta a Magali, não a Mônica. Ela até foge apavorada quando vê que tem pelo de gato nas roupas da Magali.

Também tem a história o sumiço dos passarinhos, que eu não pude ler mas pela capa, ela aparece na revista da Magali também. Quer dizer, se Agnes fosse ter alguma treta com alguém da turma, seria com a Magali, não com a Mônica. Para rival da Mônica, a Penha faria mais sentido. Mas o atrito entre elas foi tão pouco que eu não sei se realmente faria sentido ela guardar tanta mágoa a ponto de tramar toda aquela vingança.

Só que o monstro vai é atrás da Mônica a ponto de fazê-la ter pesadelos e também deixar um dos porcos fugir só para levá-la até a casa dele. Relembrando a história do sumiço dos passarinhos, foi a Magali quem foi até a casa da Agnes para libertar os pássaros que ela tinha prendido, não a Mônica. É aí que a coisa tá ficando confusa.

Mas também tem outra coisa que me deixou com a pulga atrás da orelha. Depois que as meninas passearam com a Sofia e ela foi embora, Magali falou para a Mônica que Sofia a adorava tanto que parecia até sua fã número um. Ela tinha se mostrado tão interessada que queria até saber sobre a vida dela e o seu relacionamento com o Cebola. Hã... pode ser paranóia minha, mas tô achando que tem gato nessa tumba! Quer dizer, a Sofia se interessar pela vida da Mônica, seus gostos, etc. ainda vá lá, mas por que ela iria querer saber do relacionamento dela com o Cebola?

A não ser que alguém mais estivesse interessado nessas informações e tivesse colocado a Sofia para saber de tudo. Madame Creuzodete fala de uma pessoa que se faz de amiga, mas que no final pode se tornar inimiga. Bem... Sofia se mostrava muito interessada em fazer amizade, então pode ser ela a pessoa que irá se voltar contra a Mônica. Claro, pode ser também que a Penha tenha só usado ela para alcançar seu objetivo, mas tudo leva a crer que, por trairagem ou não, Sofia pode ter contado a ela toda a conversa que teve com Magali sobre a Mônica, lhe falando tudo inclusive o seu relacionamento com o Cebola.

De certa forma foi coincidência Magali ter dado tantas informações a Sofia e logo depois a Penha aparecer na porta da casa do Cebola. Pode ser essa a amiga traíra de quem Creuzodete estava falando, apesar de o Cebola também estar na lista de suspeitos.

Afinal, ao fazer aquele plano, ele também se voltou contra a Mônica, dando-lhe uma facada nas costas. Sim, foi de certa forma traição porque apesar de os dois não estarem namorando, havia uma espécie de compromisso entre eles. Cebola pediu a Mônica que o esperasse a derrotá-la. E pediu também para ela confiar nele.

Então ele apronta uma dessas, traindo a confiança que ela tinha depositado nele. Eles podem não ser namorados, mas quando uma pessoa pede para você confiar nela e depois faz algo que quebra sua confiança, então foi traição do mesmo jeito.

O Cebola fez aquilo com o claro intuito de machucar a Mônica. Ora, ele pode ser o que for, mas burro com certeza não é. Ele é inteligente o suficiente para saber como a Mônica ficaria se o visse beijando outra garota. Então tudo aquilo foi armado exatamente para ela ver e ficar machucada. Não importa se foi ou não um plano para derrotá-la e no fim namorar com ela. Esse tipo de coisa não tem justificativa. Ele ficou tão obcecado em derrotá-la que acabou passando dos limites a ponto de ferir os sentimentos dela para conseguir seu objetivo.

E mesmo que não fosse um plano, mesmo que ele tivesse realmente apaixonado pela Penha, ainda assim foi muita sacanagem da parte dele fazer toda aquela palhaçada na frente de todos. Tudo bem que ele tem o direito de ficar com quem quiser, ninguém tem que ficar amarrado a ninguém, mas ele pelo menos deveria ter tido a decência de chegar perto da Mônica e ter uma conversa franca com ela, não deveria? Se não havia mais amor, pelo menos deveria haver ao menos um pingo de consideração, coisa que ele não teve.

Nesse caso, eu fiquei até com dó da Penha. Muita gente estranhou isso, mas vejam bem: se o Cebola fez o que fez com a Mônica, com quem ele tem uma longa história junto, então imaginem o que ele seria capaz de fazer com a Penha ou com qualquer outra garota! Cruzes! Não quero nem pensar! Se ele não teve respeito pela Mônica, não esperem que ele trate melhor outras garotas.

É por isso que a Mônica nem deveria ter ficado tão triste assim por causa da traição dele. Sendo ou não um plano, tudo isso apenas mostra a porcaria de caráter que ele tem e que ele não se importa nem um pouco em passar por cima dos sentimentos dela para conseguir o que quer. Na boa? Se uma pessoa assim sair da minha vida, eu sou capaz até de soltar foguete! E ainda jogo sal grosso que é para ela não voltar nunca mais!

Ficar livre de alguém assim é benção, não maldição. É motivo para comemorar. Sem falar que o amor que ele tem por ela não vale nada. Na mesma historia o Cebola falou que ama, mas em um único dia ele esqueceu dela para namorar outra garota? Um lixo de amor assim eu dispenso.

Meninas, aqui fica um aviso: falar “eu te amo” não significa nada se essa frase não vier acompanhada com atitudes. Falar até papagaio bem treinado fala, mas demonstrar isso já são outros quinhentos.

Que o relacionamento deles não sirva de exemplo para ninguém. Quem ama pode até pisar na bola e as vezes magoar o outro, mas nunca é proposital e a pessoa acaba pedindo desculpa. Quem ama não toma deliberadamente atitudes sabendo que irá machucar o outro como o Cebola fez. Gravem bem isso para não ficarem decepcionadas no futuro.

Bem, por hoje é só, pessoal. Acho que já escrevi demais. Agora só nos resta esperar a Ed. 52 para saber o que vai acontecer de verdade. O resto é mera especulação. Agora, eu realmente espero que não transformem a Mônica em mocinha de novela mexicana, aquela que é sacaneada pelo sujeito, pisada, humilhada, traída, maltratada mas que ainda continua rastejando atrás do cara, se humilhando e sempre perdoando suas sacanagens. Senão, talvez fosse melhor mandarem a Mônica para o grupo MADA. 

TMJ#51 - Sombras do passado: críticas

11:51 7 Comentários

Pois é, cá estou eu de novo para dar minhas opiniões da Ed. Desse mês. Eu demorei um pouco porque queria publicar a crítica junto com o desenho, mas se for esperar o desenho ficar pronto, vai demorar mais ainda. Depois eu publico o desenho então.

E também tem outra razão por eu ter demorado: quem leu, já deve ter visto a cena em que o Cebola aparece beijando a Penha. Isso deu o que falar, a repercussão foi imediata. Só que eu fiquei meio que cautelosa na hora porque ainda não sabia do que se tratava. Então, lendo aqui e ali e também fuçando o Twitter do roteirista da história acho que dá para ter uma opinião melhor.

Bom, a princípio a história não tinha me impressionado muito. Foi preciso ler uma segunda vez e com mais calma para poder apreciar melhor. Uma coisa estranha sobre mim: se eu ler uma vez só e escrever minha opinião, vou achar que a história foi, na melhor das hipóteses, mediana. A primeira impressão geralmente não é das boas, então preciso ler uma segunda vez.

A história já começa com um clima de suspense mostrando a Mônica fugindo de criaturas estranhas que aparecem em seus sonhos. A primeira impressão que todo mundo deve ter tido era a de que essas criaturas queriam ferir a Mônica. Pelo menos eu pensei assim e fiquei surpresa ao ver que eram apenas aqueles porcos alados pedindo ajuda.

Outra coisa interessante foi a Denise aparecer mais na história, mostrando melhor sua personalidade. Ficou engraçado, não nego, mas confesso que é meio chatinho conversar uma pessoa que te alfineta e debocha em quatro de cinco frases. Mas sabendo levar na brincadeira dá para ficar numa boa. E no momento certo, ela até soube demonstrar certo heroísmo tentando resgatar os porcos alados ao invés de sair correndo para salvar a própria pele. Isso mostra que coração pelo menos ela tem. Tirando isso, a participação dela não me chamou lá muita atenção.

Surpresa mesmo foi a hostilidade da Mônica contra a Sofia. Confesso que até fiquei com antipatia dela. Claro, apesar das picuinhas de infância, a Sofia não estava fazendo nada de errado para ser tratada daquele jeito. Se ela tivesse chegado brigando, tratando todo mundo mal e dando tapas, aí seria outra história. Mas com o tempo, a Mônica percebe que estava errada e se desculpa.

Sabe, não vou negar que às vezes a Mônica é pé no saco mesmo. Entre os 4 ela é minha personagem preferida, mas isso não quer dizer que eu não enxergue os defeitos dela. Só que uma coisa a gente não pode negar: quando reconhece que está errada, ela volta atrás e pede desculpa. Mesmo sendo birrenta, cabeça dura e orgulhosa, ela sabe dar o braço a torcer também. Está aí uma coisa que admiro nela porque eu mesma tenho dificuldade nisso de vez em quando.

Só que, engraçado... parece que os roteiristas da MSP gostam muito de focar nos defeitos da Mônica e no seu lado ruim. Toda hora ela tinha que repetir “meu passado me condena”. Sei lá, isso dá a impressão que entre os quatro, só ela tem defeitos enquanto os outros são exemplos e modelos de perfeição.

É aí que eu acho que eles estão sendo injustos com ela. A Mônica batia nos outros? Batia. Mas fazia isso a toa? Será que ela era do tipo de valentona que saia distribuindo tapas só por diversão? Em determinados momentos ela batia sim para se impor, para ter algo do seu jeito. Não vou negar isso.

Só que na maioria das vezes ela batia porque se sentia provocada, mesmo que essa provocação não fosse real. Ela mesma se pergunta na história o porquê de ter uma postura tão defensiva. Bem, qualquer pessoa que ouvia provocações o tempo inteiro, piadinhas e alfinetadas também teria essa mesma postura.

Não quero dar uma de traumatizada que não consegue lidar com os problemas do passado, nem vem! Mas vou falar um fato de quando era criança. Eu sofria provocações na escola e tinha até uns garotos que passavam a mão na bunda das meninas. E eu também sofria com essa brincadeira boba. Teve um dia que os alunos estavam descendo as escadas e um desses garotos passou a mão em mim. De raiva, eu dei um tapa nas costas do moleque e ele caiu na escada. Nada de grave aconteceu, eram poucos degraus e ele saiu andando numa boa.

Só que por causa disso eu levei uma tremenda bronca. Ninguém perguntou o que aconteceu, porque eu fiz aquilo e nem quis saber da minha versão da história. Eu fiquei como a bruta que sai batendo em todo mundo sem razão nenhuma.

E é basicamente isso que estão fazendo com a Mônica. Ninguém está levando em consideração que aquela atitude agressiva dela era apenas uma defesa por causa das provocações. Nenhum adulto interferia naquelas provocações e tudo corria solto. Os pais do Cebola não chamavam a atenção dele e os pais da Mônica não ensinaram a filha a lidar com aquilo de outro jeito. As crianças ficaram por conta própria e quando isso acontece, elas podem se machucar mutuamente.

O que eu quero dizer é que a Mônica fez aquilo que sabia, se defendeu do jeito que pode, mas nada disso é levado em consideração. Eles só mostram a garota estúpida e agressiva que saia distribuindo tapas para todo lado, mas não mostram as razões por trás desse comportamento. Só tem uma versão da história que condena, mas não tem a que defende. 

Bom, continuando, me chamou a atenção eles abordarem um tema que eu ainda não tinha visto nos mangás: a morte. É a primeira vez que um dos personagens morre de verdade. Meio sinistro considerando o mangá da TMJ.

Outra surpresa foi a aparição da Madame Creuzodete. E devo dizer que eles capricharam no look dela, viu? Ficou bem bonitona. É na tenda dela que a gente pode pescar a maior parte das dicas sobre a razão de toda aquele pesadelo que a Mônica tá sofrendo. Vou falar sobre isso mais tarde, senão fica longo demais.

Eles capricharam na atmosfera de mistério, mostrando que Creuzodete, apesar do nome tosco, tem poderes de verdade. Eu quase levei um susto quando o monstro saiu da bola de cristal dela. Só mesmo uma boa e velha coelhada para resolver esse problema.

Depois disso, a história segue bem, com a Mônica fazendo as pazes com a Sofia e acabando com sua picuinha com ela. Afinal, se a Mônica foi capaz de fazer as pazes com a Irene, por que não conseguiria a mesma coisa com a Sofia?

Depois disso não aconteceu muita coisa assim de surpreendente a não ser descobrir que aquelas coisas nos sonhos da Mônica eram os porcos alados pedindo ajuda e que um deles tinha ido parar no quarto dela. E, claro, descobrir que a tal sombra era a Agnes. Isso sim surpreendeu, mas o resto foi mais ou menos previsível.

Mônica arrastou Denise até a casa da Agnes para salvar os porcos alados e apesar do susto que levaram, tudo ficou bem e elas conseguiram salvar a todos. E devo dizer que adorei o visual da Agnes. Mesmo sendo um fantasma, ninguém ficaria com medo de uma garota com um visual tão meigo como aquele. Deve ter sido um choque para as duas quando ela se transformou naquele bicho horroroso.



Ainda sobre a Agnes, só uma pequena observação. Pelas histórias que eu tinha lido dela e também pela postura do monstro quando os porcos alados foram para cima dele, acho que ela não tem hipocondria e sim nosofobia, que é o medo mórbido de ficar doente.

Hipocondria é quando a pessoa acha que está sempre doente, ou tem mania de doenças. Ela fica sempre se examinando e qualquer sintoma como dor ou mal estar, ela já acha que está doente. Agora nosofobia é o medo de ficar doente. A pessoa tem medo de germes, micróbios, etc. pode até acontecer de a pessoa não querer mais cumprimentar apertando a mão, vive limpando a casa, as roupas, lavando as mãos toda hora... Acho que esse era mais o caso da Agnes pelo comportamento dela de estar sempre coberta e se protegendo.
 
Então, a bomba: Penha aparece na porta da casa do Cebola e no dia seguinte, os dois estão se agarrando na frente do colégio para todo mundo ver. É isso que deixou os fãs de cabelo em pé.

Na hora eu até que não senti nada. Primeiro porque eu não sou uma torcedora pró Mônica X Cebola. Eles ficarem juntos ou não ficar para mim dá no mesmo. E segundo porque eu imaginei que aquilo seria um pesadelo ou uma ilusão.

Já vi histórias onde o personagem tem um pesadelo horroroso, acorda e fica aliviado. Então ele descobre que ainda está no sonho e que o pesadelo não acabou. Mais ou menos isso, então pensei que era esse o caso. E, se era apenas uma ilusão, o Cebola verdadeiro não teria culpa de nada, certo?

E mesmo que não fosse sonho, também pensei na hipótese de ele estar hipnotizado, não podendo agir por si mesmo. Eu odeio o Cebola, não nego, mas resolvi ser um pouco mais justa com ele e só esculachá-lo depois de saber dos fatos.

Mas... pelo que o roteirista da historia diz no seu Twitter, aquilo não foi uma ilusão da cabeça da Mônica. Foi algo que aconteceu realmente e ele não estava hipnotizado. Ele fazia tudo de forma consciente e espontânea. Aí tudo muda de figura. Olha, se eu escrever aqui, vou acabar fazendo um livro, então vou deixar esse assunto para outro post, beleza?

No geral, a história foi muito boa e deixou todo mundo morrendo de curiosidade. E na boa, tô achando que a Ed. 52 vai vender até mais do que a 50 só por causa desse grande mistério. O pessoal da MSP sabe mesmo o que faz.

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Gostosuras ou Travessuras?

09:01 1 Comentários


Eu estava pensando em qual desenho ia fazer para celebrar o dia das bruxas e... ta-dah! Olhem só o que eu fiz. E aí, o que escolhem? Gostosuras ou travessuras? Vocês podem pegar uma minhoquinha da abobora ou brincar com os fantasminhas camaradas que estão atrás dela.Vamos lá, não se acanhem. Estão fresquinhas e foram tiradas das melhores tumbas do cemitério!

Há tempos queria fazer um desenho dela, só dela, e não tinha encontrado inspiração. Obrigada, dia das bruxas! Ah, e eu também fiz uma fanfic inspirada no desenho. Devo dizer que foi a história mais rápida que eu escrevi, foi de afogadilho mesmo. tanto que alguns erros devem ter passado porque não tive tempo de revisar os capítulos como sempre faço. Então, peguem uma minhoca, sentem-se confortavelmente e divirtam-se!

Espero que gostem da minha fanfic Gostosuras ou travessuras?


quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Novos desenhos

19:19 4 Comentários


Eu estou refazendo as linhas e colorindo alguns desenhos da Ed. 47, quando os quatro vão ao Japão. É aquela parte onde Mônica e Magali experimentam roupas diferentes e eu escolhi alguns para refazer. Aqui vai alguns que eu já fiz. Na página de .png’s tem as imagens transparentes.


A primeira que eu fiz foi a da Mônica vestida de colegial. Aí me pediram para fazer um da Magali e como era só mudar a cabeça e alguns detalhes, acabei fazendo o dela também.    
O da Cascuda eu colori de um jeito diferente porque estou fazendo algumas experiências com a coloração da pele, vamos ver se vai dar certo. Bom, pelo menos o Cascão aprovou, né...


Que fique bem claro: eu não fiz os desenhos e nem estou me apropriando deles. Mesmo eu tendo refeito a linha e colorido, eles continuam sendo propriedade da MSP. 




sábado, 13 de outubro de 2012

2012 - Agora a coisa ficou séria!

10:40 8 Comentários


Eu já terminei a fanfic “O Pacto”, quem quiser ler pode acessar aqui: http://fanfiction.com.br/historia/268551/O_Pacto
Eu terminei essa primeiro porque acho que não fez lá muito sucesso. Vai ver o povo se acostumou a ignorar tudo que se relacione com o Xaveco, sei lá. E segundo porque eu estava ansiosa para publicar essa outra fanfic.

Agora é hora de seguir em frente e aqui está a minha nova fanfic 2012: http://fanfiction.com.br/historia/279654/2012/

Comecei a escrever no início desse ano, lá pelo dia 28 de fevereiro. É, dá para ver que esse trabalho foi longo e essa história também será diferente das outras porque explora a proferia maia e a teoria de fim do mundo em dezembro de 2012.

Não estou falando que acredito nessas coisas, só estou publicando a história pra aproveitar o embalo mesmo. É bem capaz de acabar nem acontecendo nada de extraordinário.

A história é quase um crossover com o filme 2012. Existirá sim alguma interação entre os personagens mas será pequena. Haverá aqui e ali algumas passagens do filme e eu transcrevi muitos diálogos para aproveitar. Quem assistiu o filme vai saber identificar isso.

A capa, como podem ver, é bem dramática. Pelo menos eu tentei fazer assim, não sei se consegui o efeito desejado. Pode ter ficado muito fraquinho ou forte demais, aí vai depender de cada um. Apesar de a D. Morte ocupar lugar de destaque, a história não será centrada nela. Na verdade, não será centrada em personagem nenhum.

Ela é a minha personagem preferida entre todos. Quer dizer, entre os 4 principais, eu prefiro a Mônica, mas considerando o gibi como todo, eu gosto mais da D. Morte. Ela vem em primeiro e a Mônica em segundo. Pode ser meio esquisito gostar do personagem que representa a morte, mas do jeito que ela é apresentada, tudo fica mais leve. Então é claro que eu não podia deixar de desenhar minha personagem preferida, né?

Ainda não tinha feito nenhum desenho dela porque não tive inspiração. E também porque ela não faz parte da turma jovem, embora tenha aparecido umas poucas vezes. Agora, vou falar uma coisa: desenhá-la foi um pouco mais difícil do que eu pensei. Parece simples, mas quando eu tentei seguir o desenho que tinham feito quando ela apareceu na dimensão de Edom, o resultado não me agradou e eu precisei refazer várias vezes até conseguir algo satisfatório.

As roupas dela na versão mangá ficaram ótimas e eu adorei as mudanças que fizeram e tentei seguir a risca, mas o rosto realmente me pegou de jeito. Eu tentei dar feições um pouco mais humanas, apesar de não saber exatamente o que ela é. E procurei dar um ar mais sombrio também. Afinal, adivinhem quem será a responsável por administrar os milhões de mortes que ocorrerão pelo mundo inteiro? Pois é.

Quem quiser saber mais, só lendo a história. Espero que gostem! Aqui tem a capa da fanfic: