CBM#17 - O desaparecimento das abelhas: críticas ~ TMJ do meu jeitoTMJ do Meu Jeito

domingo, 8 de fevereiro de 2015

CBM#17 - O desaparecimento das abelhas: críticas

Sabe... faz um tempo que eu li a CBM 17 mas não fiquei assim muito animada para fazer a crítica. A história foi boa, mas não a minha preferida.

Não é que eu não goste das edições educativas, mas acho que exageraram um pouco dessa vez. Ficou muito, sei lá, aula de ciências. Se bem que foi legal tocarem no assunto do desaparecimento das abelhas, que é um problema real que vem mesmo acontecendo nos EUA e Europa. As abelhas somem e ninguém sabe explicar direito o por que. Uns dizem que é doença, outros falam em agrotóxicos, pesticidas, transgênicos...

Pode parecer implicância minha, mas achei o Chico meio afetado nessa edição. A parte dele com dor de barriga quase fazendo o nº 2 nas calças até que foi engraçado, mas ele gritando toda hora por causa do abelhão e também do apicultor de uniforme foi um tanto chata. Mas o resto foi tranquilo.

Ah, claro, a cena em que Melinda encontra o Chico e o Vespa fica cheio de recalque porque o Chico chama a atenção das garotas foi engraçada mesmo. Só que a Fran ficou um tremendo porre de chata. Aliás, ela tem andado um tanto antipática ultimamente. Aquele ataque de ciúme por causa do Chico e da Melinda foi bastante ridículo e infantil a meu ver. Tipo assim, será que ela ainda não percebeu que o Chico tem namorada e não pretende deixá-la para ficar com ela? Alguém precisa dar um desconfiômetro para ela.

Quanto a Melinda, eu até que gostei da personagem, mas nunca a vi nos gibis do Chico bento. É alguém que gosta do que faz, é feliz, realizada e tem vontade de fazer algo bom para o mundo. E cá entre nós: alguém precisava mesmo falar para o Vespa que o zumbido dele é totalmente chato. Não somente chato como também desnecessário. Na boa, quem é que conversa zumbindo? Se fosse nos gibis ainda vá lá, os personagens eram crianças. Só que agora estão crescidos.

Basicamente, a maior parte da revista foi falando sobre a importância das abelhas, como elas polinizam as flores, o mistério do seu desaparecimento, blábláblá, papo Discovery Channel... apesar de gostar do lance educativo, achei um tanto arrastado.

E a tecnologia de realidade aumentada me pareceu bastante... aumentada também. exagerada, devo dizer. Foi necessário a história, mas um tanto forçada. E o lance de alienígenas levando as abelhas embora... não sei o que dizer. Por um lado, até gostei porque é uma explicação original. Por outro me parecei mais fantasioso do que deveria. Estou oscilando entre uma opção e outra.

Se bem que eu até achei engraçado o encontro do Chico com o Abelhão chefe. “Não senhor, meu nome é Chico bento. Não conheço nenhuma Ana Maria”. Eu ri nessa parte.

Se o começo foi meio arrastado, admito que a parte final teve lá sua dose de emoção quando percebemos que a as coisas eram bem mais reais do que pareciam, já que o Abelhão podia ver e falar com o Chico, embora isso não tenha sido muito bem explicado. Tá, a realidade ampliada era em duas vias, mas isso não ficou assim muito claro. E acho que nem precisa, é só uma história em quadrinhos.

Foi uma surpresa saber que o Abelhão não era ruim no fim das contas e as abelhas estavam indo embora porque queriam. Para falar a verdade, tem hora que dá vontade de ir embora da Terra mesmo. Ô raça miserenta de ruim a nossa!

E o toquezinho de romance no final entre Melinda e o Abelhão? Tá, de repente foi só impressão minha, mas meio que rolou um clima entre eles. Ela desapareceu, foi viver na colmeia e o Chico ficou para trás. Um final estranho se querem saber, porque ela deve ter deixado parentes, família, amigos, um trabalho no apiário, muita coisa. Uma decisão bem idealista, mas não sei se foi sensata.

Bem... foi isso. Também gostei dos sotaques caipiras do Chico, deviam colocar mais isso na história. Foi a primeira vez, se não me falha a memória, que o vimos fazendo uma besteirinha para variar. Certo, foi uma besteirinha que pelo menos resolveu o mistério das abelhas, mas ainda assim uma bela trapalhada ele soltar a abelha e depois correr atrás dela feito doido.

Na próxima ed. o vai passar um tempo na roça com a família e também com a Rosinha. É também aniversário da cidade e vai ter uma grande festa. Depois tem qualquer coisa sobre uma casa pegando fogo e um manto mágico salvando os personagens, algo assim que não entendi bem. Mas parece que dessa vez vai ter um pouco mais de agitação e mistério. Sem falar que estava demorando o Chico encontrar de novo com a rosinha e a família. Desde a ed. 1, os dois só se viram uma única vez e agora nem temos mais notícias da Rosinha. Tanta coisa ficou no ar desde a edição dela... pelo menos os dois vão curtir um momento juntos e aproveitar a festa. Isso, claro, se a chata da Fran não aparecer para encher a paciência. Do jeito que ela é atrevida, não duvido nada.

Quanto ao manto que protege o Chico, não sei por que mas acabei lembrando da Mariana, irmã dele. Será que ela vai ter alguma coisa com isso?

Essa foi minha critica da história. Quem quiser ouvir outra opinião, tem esse vídeo do Canal Opinião Turma da Monica Jovem. A crítica da TMJ 78 deve sair lá pelo dia dez. vocês sabem que eu costumo dar um tempo para que o pessoal leia a revista, porque minhas críticas tem spoiler.


8 comentários:

  1. Eu gostei bastante da edição, e achei bem divertida. A parte do zumbido do Vespa foi muito engraçada, ao meu ver... E a Fran? Sei lá, mas acho que essa edição era pra ser publicada antes da edição #13, porque aí, apesar de tudo, ela tem consciência que o Chico não quer nada com ela.

    Ah, e essa Melinda nunca apareceu nos gibis do Chico, mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eu esperava uma coisa mais realista sobre as abelhas, achei que a história teria mais potencial.

      Excluir
  2. Quanto aos comentários no facebook sobre os enormes quadros do Flávio... ok, eu acho que ele tinha que dar uma maneirada nisso sim. Mas o Emerson também faz isso, na turminha. Não são de duas páginas ou uma página inteira, claro, mas ele SEMPRE faz quadros de uma faixa (ficando 4 quadrinhos por página). Os outros roteiros ficam com uns 7 quadrinhos, com em média dois por faixa, mas o Emerson faz um por faixa e ficam 4 quadrinhos. Teve uma vez, na "Magali e Cascão namorando", que um gramado e uma árvore tomaram uma faixa de quadrinhos. No quadrinho seguinte, aparece o Cascão chamando "Magalizinha..." com o mesmo cenário e uma faixa. No quadrinho seguinte, o mesmo cenário e a Magali brava aparecendo - uma faixa.

    Mas é a vida. :v
    Os roteiristas ganham por página, é normal que façam isso, mas que irrita, irrita.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, no quadrinho do Cascão chamando "Magalizinha...", o Cascão não aparece, é só o cenário e o balão.

      E eu gosto bastante das histórias dos dois. Pra mim se só o Flávio roteirizasse a CBM, ia ser ótimo (apesar de os roteiros da Petra serem ótimos lá também).

      Excluir
    2. Acontece que gibis são mais frequentes do que TMJ ou CBM, por isso não dá pra ficar gastando muito espaço desse jeito. As vezes é preciso quadros maiores pra mostrar cenários que tem relevância, que não dão pra ser mostrados em um quadrinho só, mas precisam ser mostrados.

      Agora, gastar páginas e mais páginas pra mostrar um apiário ou uma nave alienígena?

      Excluir
    3. Isso é, mas algumas vezes incomoda mesmo. No CBM 18, mesmo, na HQ do Flávio, teve uma cena com um quadrinho de duas páginas que podia ser mostrado em meia página.

      Excluir
  3. Adorei sua crítica Mallagueta, não acompanho Cbm mas acho que vale a pena comprar !

    ResponderExcluir