Dos anos 80, Jem e as Hologramas ~ TMJ do meu jeitoTMJ do Meu Jeito

quarta-feira, 13 de maio de 2015

Dos anos 80, Jem e as Hologramas



O post de hoje é um pouco diferente porque não tem nada a ver com TMJ ou LT. Vou falar de um desenho que quando criança, eu amava de paixão. Sério, hora de assistir era sagrado. Ai de quem tentasse atrapalhar!

Se alguém me perguntasse qual é o desenho mais anos 80 de todos os tempos, a resposta seria rápida e direta: Jem e as Hologramas. Acho que só mesmo quem passou a infância na década de 80 deve conhecer. O enredo é o seguinte:

Jerrica Bentom era uma jovem que, junto com suas três irmãs, cuidava de um abrigo para meninas órfãs e ia levando como podia no meio das dificuldades. Um dia ela descobre que seu falecido pai deixou uma herança bem inusitada: um computador de última geração bem no estilo dos anos 80( um trambolho enorme e cheio de luzes piscando mas que na época a gente achava o máximo).

Esse super computador se chamava Energia (Synergy no original), tinha inteligência própria e era capaz de criar hologramas com grande realismo, que podiam inclusive falar e se movimentar. Junto com esse super computador, ele também deixou muitas roupas e instrumentos musicais e elas decidiram montar uma banda, tendo como vocalista Jem que era a identidade secreta de Jerrica.

 
A série então era feita em cima da tentativa dela de manter sua identidade secreta segura e também girava ao redor da rivalidade com outra banda chamada Desajustadas (Misfits no original) composta por uma garota rica e super mimada, suas duas cumpichas e seu o empresário corrupto e mega ganancioso Eric. Esse grupo rival sempre tentava roubar a fama delas no sentido literal e figurado. Trapaças, golpes sujos, etc.

Pode não parecer grande coisa nos dias de hoje, mas tinha muitas aventuras na série, suspense, drama... muitos problemas e situações complicadas que Jerrica tentava resolver muitas vezes usando ajuda de Energia. Era um bom desenho e até certo ponto, bem revolucionário para a época.

Uma coisa que hoje acho interessante era o triângulo amoroso que se formou entre Jerrica, seu namorado de infância Rio e a identidade secreta Jem. Ele beijava uma e outra numa boa e na época eu achava normal porque elas eram a mesma pessoa. Analisando melhor, não deixava de ser traição porque ele não sabia disso. Para todos os efeitos, ele as via como pessoas diferentes.



Outra coisa que eu gostava era que as garotas dessa série basicamente resolviam seus problemas sozinhas, sem precisar de um cavaleiro de armadura dourada para fazer tudo por elas. Jerrica era independente, tocava o orfanato, era empresária do grupo, dona da gravadora, etc. e apesar de se sentir sobrecarregada as vezes, conseguia dar conta do recado muito bem. Não tinha nenhuma donzela indefesa ali e o protagonismo era delas.

E tinha as roupas, claro. Tudo no melhor estilo anos 80: colorido, espalhafatoso, cheio de brilho e estampas. Sem falar do cabelão repicado e também colorido e da maquiagem carregada com muito glitter. De vez em quando eu tentava reproduzir a maquiagem delas. Acho que as meninas em geral faziam isso.

Eu particularmente torcia para as vilãs porque gostava mais das músicas delas, mas isso é outra história.

Bom, agora eles vão fazer um filme sobre essa série. Confesso que estava até demorando para isso, mas não fiquei assim muito feliz. Quando vi a foto delas, de cara eu não as reconheci. Se não tivessem falado quem são, eu teria morrido na ignorância.

Por um lado eu entendo que reproduzir fielmente um visual dos anos 80 é complicado, então nessa parte eu dou um desconto e entendo que algumas adaptações precisam ser feitas. O que eu não gostei muito é que eles mudaram demais o núcleo da história.

Agora ela é uma garota cujo vídeo cai na internet, se torna viral e é descoberta pela empresária ambiciosa Erica (e não mais o Eric). Então ela e suas irmãs são lançadas ao sucesso. Parece que o objetivo do filme é mostrar como os artistas são manipulados, transformados, etc. basicamente para fazer sucesso comercial e ganhar dinheiro. Algo do gênero.

Ao que parece, vamos cair no clichê de garota simples e comum que alcança um sucesso estrondoso, deixa isso subir a cabeça, perde sua identidade, afasta as amigas e no final se redime e reencontra a si mesma, fazendo as pazes com as amigas e retornando o caminho que seu coração pede. Vai ter romance, porque parece que isso não pode faltar, intriga, muita música, elas terão que lidar com uma empresária gananciosa, aquela coisa de não saber mais quem ela é ou não é... basicamente é mais do mesmo.

Tanto que muitos só a veem como uma Hanna Montana de cabelo colorido e cara pintada. Nesse trailer eu não vi o menor sinal das Desajustadas e da Energia só vi uma frase “é hora do show, Energia” que me dá alguma esperança porque não faria nenhum sentido ela falar isso para um amigo imaginário.

Não sei se gostei muito dessa mudança, acho que gostava mais da Jerrica adulta, forte e responsável. Mas parece que o filme é voltado para os adolescentes, então eles devem ter preferido colocar alguém na idade do público-alvo.

Outra diferença que não me agradou é que no desenho, Jem é decisão de Jerrica, algo que ela mesma criou. No filme, é algo empacotado, formatado e criado porque a empresária deve ter achado que ela é sem graça demais para atrair o público. E ela deve ter aceitado passivamente essa nova identidade achando que era o melhor caminho.

Ainda é cedo para falar muita coisa porque só vi um trailer até agora, mas pelo que vi parece que eles vão só usar os nomes das protagonistas em uma história diferente, o que é uma pena. Acho que seria muito mais proveitoso se produzissem um novo desenho adaptado aos dias de hoje, mas com a mesma ideia original.

Eu sei que não é justo criticar o figurino porque como falei antes, o original era dos anos 80 e adaptar para os dias de hoje não é simples. No geral eu até gostei. Dá para ver que houve um esforço para manter o mesmo estilo e mantiveram a maquiagem super-rosa ao redor dos olhos da Jem, ainda que variando o formato de show para show. Só que em determinado ponto, vocês vão ver no trailer, essa maquiagem ficou tão exagerada que estava mais para uma grande máscara cor de rosa. Talvez seja uma forma de ilustrar que ela foi longe demais, perdeu o controle e deixou o sucesso lhe subir a cabeça, não sei. Pode ser algo simbólico. Mas em alguns momentos, a maquiagem dela me lembrou aquele cara do filme coração valente:

De qualquer forma, eu vou assistir esse filme mais por causa da ligação emocional que eu tenho com o desenho. Caso contrário, sequer teria prestado atenção. Vamos ver se eles vão conseguir reproduzir pelo menos uma parte da magia do desenho ou se no final teremos apenas uma imitação mais colorida de Hanna Montana.
Confiram o trailer:



Aqui tem a abertura da série, que eu adorava. Minha parte preferida sempre foi a das vilãs, pena que durava tão pouco.

 

5 comentários:

  1. carambaaaa!!! Esse era o desenho de que a minha irmã falava tanto!! Já eu não tive a oportunidade de assistir,sou de 1994! acredito que ela vai gostar de saber que terá um filme sobre!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma pena vc não ter assistido, esse desenho fez muito sucesso na época. Deu até saudade...

      Excluir
  2. :((
    sabe dizer se tem algum blog, canal.. sei lá, um site onde se possa assistir?? quando eu estiver com tempo, posso dar uma olhada! apesar de que faz tempo que não assisto a um.

    ResponderExcluir