CBM#24: Câmera na mão - Críticas ~ TMJ do meu jeitoTMJ do Meu Jeito

quinta-feira, 15 de outubro de 2015

CBM#24: Câmera na mão - Críticas



Ultimamente estava assim meio desanimada de ler a CBM. As histórias não me empolgam, não é aquela coisa de ir lendo sem perceber as páginas passando. A história desse mês não chegou a me dar essa sensação, mas posso dizer que a história foi boa.

Pelo menos mostrou algo diferente ao contar a história sob o ponto de vista de uma câmera, como algo que estava sendo assistido depois que tudo aconteceu.

Teve suspense, um pouco de mistério (o que eram aqueles bichos estranhos?) e até deu um pouquinho de medo do pessoal andando no meio do escuro. Sim, eu tenho medo de escuro.

O Vespa, como sempre, estava um chato. Mas acho que gostamos dele assim, né? Especialmente quando ele implica ainda mais com o Chico por causa da Fran. E até que a participação dele na história foi legal, especialmente na parte onde ele foi transformado em bicho e mesmo assim se preocupou em manter a Fran segura. Por outro lado, não foi explicado direito por que a picada de um dos bichos o transformou naquela coisa bizarra e nem como ele conseguiu voltar ao normal.

O clima foi um pouco de filme de terror, com os personagens sumindo um a um. Bem, até aí nada de novo. Eles morrem de medo, gritam, correm, procuram pelos desaparecidos, o Chico se desespera pensando que não vai conseguir salvar os amigos e no fim descobrem o mistério dos bichos estranhos, encontram o ninho, mata todos com água (devem ter o DNA do Cascão) e fim. Todos escapam com vida, felizes e contentes com um belo vídeo na mão.

Pelo menos o final foi engraçadinho com o Vespa chamando o Chico pelo nome. Será que existe chance de a treta acabar? Por um lado seria legal, mas por outro o Chico meio que precisa de um bom antagonista, ainda que não seja inimigo declarado.

Eu sei que o Vespa é meio Zé ruela, mas eu até que estou torcendo por ele, apesar de não gostar da Fran. Muito chatinha, cheia de nhenhenhe e ainda por cima desrespeita o Chico. Mas vá lá, de repente podem formar um belo casal.

A próxima ed. é com zumbis, o que eu adoro. Ainda não tive a chance de ler, mas quando puder eu faço a crítica. Aposto que a história vai ser ainda melhor, já que a ed. 24 não me deixou assim muito inspirada. Já a 25 promete uma boa história. Claro que não será nos moldes de the walkind dead, mas ainda assim teremos uma boa história. E pelo que sei, é de duas partes, o que adoro porque sagas costumam ser melhores.

Eu já li a ed. 86 da TMJ, só que o tempo foi passando e eu esqueci (pois é, esqueci) de fazer a crítica. Vou ver se publico amanhã.

Para quem quiser outra opinião sobre a ed. 24, confiram o vídeo do Canal Opinião Turma da Mônica Jovem:

4 comentários:

  1. Olha, confesso que eu estava com um pouco de expectativa com relação a essa edição, mas ela não foi assim excepcional, apesar de ter sido boa. Acho que se a CBM tivesse o mesmo número de páginas da TMJ, as histórias seriam mais desenvolvidas e profundas. Com relação à próxima edição, percebi um erro de roteiro no preview: "estrada que liga nova esperança a vila abobrinha". Como assim, se nova esperança fica a quilômetros de distância??? Bom, eu adorei sua crítica, e espero que vc continue com esse blog ESPETACULAR, pq eu gosto demais de tudo o que vc posta!!! Só mais uma perguntinha: o que vc achou do preview da TMJ 87?

    ResponderExcluir
  2. Eu até gostei da edição, mas acho q as edições de 2013/2014 tavam bem melhores (a única maravilhosa desse ano, pra mim, foi a 18). Acho que eles deviam focar mais no cotidiano de um jovem universitário, mas com pegadas sobrenaturais, como o Cassarotto e a Aurora, que renderam ótimas tramas.

    ResponderExcluir
  3. Olá Mally! Faz tempo que não apareço por aqui, mas enfim... Primeiramente, Adorei sua crítica (como sempre).
    Não entendo... CBM tem temas um pouco mais "maduros", digamos assim (como bebidas, a gravidez da Anna, etc) mas os roteiros não são tão bons quanto TMJ.
    Está edição também não me animou muito, mas pelo menos não foi a pior, né?
    Gostei do estilo "história de terror contada através da câmera."

    ResponderExcluir
  4. De fato, as primeiras edições foram melhores, mas não acho que o nível tenha caído. Coninuam divertidas e envolventes. Por sinal, achei a revista do Chico Bento Moço superior à TMJ, em vários aspectos. Veja bem:
    1-As histórias são mais lineares, sem que as histórias pareçam avulsas. Se bem que algumas foram um pouco à parte, como essa última e a da pescaria, mas ainda são ótimas.
    2-As tramas são mais críveis e menos espalhadas. Em vez de uma hstória de dimensões, depois games, depois piratas espaciais, continua o mesmo foco, isso devido ao fato de focar na trajetória dos personagens na universidade.
    3-Os temas abordados são mais maduros e com mais ousadia: gravidez indesejada, dopagem em festa, paternidade... Perto daqui, a turma da Mônica Jovem ainda parece meio inocente.

    ResponderExcluir