Cinderela às avessas - capítulo 9: Conhece sua madrasta e a irmã perversa ~ TMJ do meu jeitoTMJ do Meu Jeito

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Cinderela às avessas - capítulo 9: Conhece sua madrasta e a irmã perversa

Ler no Nyah
Ler no AnimeSpirit






Conhece sua madrasta e a irmã perversa

Em seu quarto, Cascuda olhava as fotos do seu álbum de infância sem entender nada.

- Não acredito! Onde está a Carmem? Ela não aparece em foto nenhuma!

Naquele tempo, o relacionamento era melhor, por isso elas apareciam juntas em muitas fotos. Só que a loira não estava mais em nenhuma. Outra foto lhe chamou a atenção. Era de quando elas participaram de um coral natalino. Todas as meninas estavam juntas e sorridentes com aqueles vestidinhos compridos.

Cascuda tinha certeza de que Carmem estava naquela foto, só que ela tinha desaparecido como se nunca tivesse existido. Aquele tipo de coisa ter acontecido nas fotos digitais podia ser explicado como montagens ou manipulação, mas em fotos reais de papel? Como explicar aquilo?

Disposta a resolver esse mistério, Cascuda tirou a algumas fotos do álbum e guardou na bolsa. Ela pretendia investigar aquilo a fundo e o primeiro passo era descobrir onde Carmem estava. No dia anterior, ela saiu correndo e Cascuda não a viu desde então. Onde ela teria se enfiado? Será que estava mesmo em dificuldades?

- Minha nossa... será que ela desapareceu mesmo? – foi outra pergunta. Se a imagem de Carmem tinha sumido nas fotos, podia ter acontecido de ela ter desaparecido na vida real também. Era preciso descobrir a verdade o quanto antes.

__________________________________________________________

- Ops! Nem pense nisso! – Marlene alertou quando Carmem tentou pegar um bolinho frito para comer.
- Mas eu não comi nada direito hoje!
- Coloca de volta ou vai ter problemas!

Carmem obedeceu sentindo o estômago roncando de fome.

- Quando a gente vai comer?
- Depois que os dois almoçarem, vamos comer o que sobrar.
- Quer dizer que vamos comer as sobras?
- É assim que as coisas funcionam nessa casa. Então nem pense em comer nada fora de hora. A madame controla tudo e sempre dá falta quando alguma coisa some.

Carmem ficou chocada. Como era possível pessoas tão ricas controlar comida daquele jeito? E seu espanto não acabou aí. Ela também viu que a geladeira, despensa e armários eram trancados com cadeados e só abertos na presença da patroa. Ela nunca tinha visto aquele tipo de coisa na sua casa.

Na cozinha da sua casa sempre tinha uma fruteira em cima da mesa repleta com frutas e muitos potes de biscoitos nos armários ao alcance de qualquer um. Também havia pães, bolos e outras coisas que sempre ficavam a mostra. Ali, por outro lado, tudo era controlado e bem guardado.

- Pronto. Agora leve essa bandeja para a sala. Ah, espera! Não vai prender esse cabelo?
- Agora?
- Sim. A Cassandra falou que a patroa implicou com seu cabelo e mandou prender. Então é melhor obedecer, senão vai ter encrenca! – Marlene tirou um elástico do próprio cabelo e deu a moça. – e trate de tirar essa maquiagem também. Anda, eles não gostam de esperar.

Ela prendeu seus cabelos da melhor maneira possível, limpou o rosto e foi levar as bandejas com comida para a mesa onde a patroa e seu marido esperavam o almoço. Ele parecia um homem comum, não tão vistoso quanto sua esposa, mas tinha a mesma postura arrogante e pretensiosa. 

A bandeja foi colocada sobre a mesa com todo cuidado. Pelo menos isso ela conseguiu fazer por que se lembrou de como as empregadas faziam na sua casa. Não houve problemas. Os dois conversavam entre si ignorando sua presença.

Ao voltar para a cozinha a fim de pegar outra bandeja, Cassandra teve uma idéia e falou tomando cuidado para que Marlene não ouvisse.

- Você nem cumprimentou o seu Afonso!
- Era pra cumprimentar?
- Claro! Eles fazem muita questão disso! Você tem que se apresentar, ora! Cadê sua educação?

Disposta a consertar aquele erro, Carmem levou a bandeja de carne assada para a mesa e depois voltou-se para o dono da casa com um sorriso.

- Oi, senhor Afonso! Meu nome é Carmem, muito prazer!

O sujeito olhou para Carmem, depois para a esposa, mais uma vez para Carmem e outra vez para a esposa.

- Por que essa garota está falando comigo? Desde quando você dá essa intimidade toda para as criadas?
- Querido, eu sinto muito! Ela veio da agência hoje, é nova e ainda está aprendendo!
- Então ensina para ela onde é o seu lugar! Onde já se viu uma coisa dessas?

Carmem saiu dali com os olhos cheios de lágrimas. O que ela tinha feito de errado afinal de contas? Voltando para a cozinha, Marlene logo viu que algo tinha acontecido. Após ouvir as explicações da moça, a cozinheira falou penalizada.

- Onde você estava com a cabeça, mocinha? Tem regras nessa casa! Você não pode falar com os patrões a não ser que eles te perguntem alguma coisa e olhe lá! Por que fez isso?

O som de um riso abafado lhe chamou a atenção e tudo ficou claro. Ela olhou para Cassandra com ar de reprovação e voltou a falar com Carmem.

- Você sabe implorar?
- Implorar?
- Sim, porque depois dessa, seu emprego não é mais garantido.
- Mas eu não tenho onde ficar!
- Então se prepare para implorar bastante. Não tem jeito.

O almoço transcorreu sem mais incidentes e Carmem aguardava o inevitável fim da sua estadia naquela casa. Seu emprego tinha acabado antes mesmo de começar! Suas pernas começaram a tremer de medo quando viu a figura alta e esnobe de Rebeca entrando na cozinha com os olhos faiscando. Ela já tinha visto algo assim quando sua tia Emengarda ficou zangada certa vez e sabia que não era nada bom.

- Senhora, eu sinto muito e... – a outra lhe interrompeu levantando um dedo.
- Muito bem, mocinha, o que você fez agora pouco é inadmissível!
- E-eu sei e...
- Shhh! Mas hoje você está com sorte. Após conversar muito com o meu marido, consegui que ele perdoasse o seu atrevimento, então você pode continuar aqui.
- Mesmo?
- Mas precisa aprender algumas coisas muito importantes! Primeiro: fale somente quando for requisitada e nem uma palavrinha a mais!
- Sim senhora...
- Espere!
- ...
- Eu te pedi para falar alguma coisa?

Carmem fez que não com a cabeça.

- Ótimo, então fique de boca fechada e só abra quando eu mandar!

Ela fez que sim com a cabeça mantendo a boca bem fechada.

- Segundo: nunca discuta comigo. Minha palavra é lei nessa casa, entendeu?

Outra resposta afirmativa com a cabeça.

- E o mais importante: nunca mais dirija a palavra ao meu marido novamente, nunca! Eu detesto esse tipo de coisa e espero que você não tenha nenhuma segunda intenção com ele. Você tem?

Daquela vez ela fez que não.

- Acho bom mesmo. De qualquer forma ficarei de olho. Fale com ele só mais uma vez e te chuto para o olho da rua! Agora volte ao seu trabalho que você não é paga para ficar vadiando na minha casa!

A patroa saiu dali com a mesma arrogância de quando tinha entrado, deixando Carmem se esforçando para conter o choro.

- Ela foi muito dura com você, não foi? – Marlene perguntou voltando para a cozinha.
- Sim, mas me deixou ficar. Isso foi culpa da Cassandra, foi ela quem disse pra eu cumprimentar o Sr. Afonso! Ela me paga, viu?
- Quer um conselho? Deixe isso para lá!
- Mas isso foi culpa dela!
- E daí? Vai reclamar com quem? Se começar uma briga, vai perder feio porque ela é mais antiga nessa casa do que você. Ninguém vai te defender aqui. Cada um tem seus problemas para resolver e todos precisamos desse emprego. Melhor você engolir esse sapo e começar a trabalhar. Eu cozinhei. Agora você lava as vasilhas.

Rafael entrou na cozinha junto com Cassandra para almoçar e todos comeram em silêncio a magra refeição que tinha sobrado para eles. Quando terminaram, cada um foi cuidar dos seus afazeres, deixando Carmem sozinha para limpar tudo.

Ela olhou ao redor e sentiu arrepios desagradáveis ao ver a bagunça em que estava a cozinha. Pia lotada de vasilhas sujas, o chão estava imundo e tudo bagunçado. Sério mesmo que ela precisava cuidar de tudo aquilo?

- Ai meu santo! Onde foi que eu me meti?
 

Um comentário: